Live do Cafezinho (19h): que segurança pública que queremos?

Reprodução.

Tulio Gadelha responde à Veja: “fake news do PSB, áudio descontextualizado”

Por Redação

24 de novembro de 2020 : 10h15

Nesta manhã, o deputado federal Tulio Gadelha (PDT-PE) respondeu à matéria da Veja.

A revista publicou ontem à noite um áudio de Tulio no qual ele relata ter ouvido de Marília Arraes, candidata petista à prefeitura de Recife, conselhos para fazer “rachadinha” como maneira de juntar recursos para campanha.

Em postagem publicada em suas redes sociais, Tulio Gadelha afirmou que a matéria é “fake news do PSB”, e que o áudio foi descontextualizado.

O deputado afirmou ainda que trabalhará, “com ainda mais afinco pela vitória de Marília, com a certeza de que estamos do lado certo da história”.

Íntegra da nota de Tulio:

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

carlos

25 de novembro de 2020 às 12h45

Eu quero aproveitar e parabenizar o o Tulio Gadelha e a campanha dessa guerreira Marília Arraes, pois contra todo tipo de inverdade ela não perdeu o foco e fez uma campanha cristalina com foco nas propostas, se fosse no futebol ferplay, se chama jogo limpo.

Responder

José de Souza

24 de novembro de 2020 às 15h29

Se houve rachadinha ou não, a verdade vai aparecer. Até agora, parece fake, mas nunca se sabe.
Mas isso não absolve o O PSB e o PDT de estarem usando e abusando do jogo sujo , das fakes news e das baixarias contra a Marília.
Deletei o portal disparada dos meus favoritos por isso. Espero não ter que fazer isso com o cafezinho, que gosto muito. Parcialidade nas análises, vá lá. Não acredito no mito da isenção. Mas Desonestidade é imperdoável.
Cada vez mais vejo que o destino do cirismo é fazer frente com o centro imaginário.
Não teremos frente ampla em 2022. Teremos a aliança da esquerda imaginária (que é centro) com o centro imaginário (que é direita). DE outro lado, uma frente de esquerda. No primeiro turno de 2022 a disputa será entre essas duas frentes pra ver quem enfrenta o Bozo no segundo turno.

Responder

    Deivid

    25 de novembro de 2020 às 00h37

    Eu não entendi, onde está a “Fake News”??? Ele confirmou que o áudio é verdadeiro. Marília Arraes já foi condenada pelo MP a devolver mais de 150 mil reais aos cofres públicos por conta de rachadinha.
    Petista é um ser doentio, conta o Flávio diz que a rachadinha é verdade, contra um petista é “fake news” ô Zé povinho que gosta de se enganar.

    Responder

Silva

24 de novembro de 2020 às 12h13

Olha, só queria compartilhar um entendimento possível sobre o áudio que a Veja divulgou sobre o Túlio Gadelha. Eles são polissêmicos e, portanto, se pode afirmar que a revista os interpretou de forma deturpada e diferente do sentido efetivamente empregado pelo falante.
Quando se afirma no áudio o segmento “30 mil, tem que juntar, da assessoria”, isso é uma sentença incompleta e polissêmica. Ela pode se referir, por exemplo, a 30 mil reais a serem juntados para *contratar* e *pagar* uma assessoria que atuará durante a campanha. Ou seja, há um sentido perfeitamente possível aí, uma sugestão de juntar quantia a pagar por um futuro serviço, bem diferente de dizer que são 30 mil reais a serem juntados a partir do dinheiro de assessores.
Além disso, na passagem do áudio com o segmento “Túlio, todo mundo faz isso, todo mundo faz”, isso também é polissêmico. A locutora pode ter tido isso em tom crítico, como quem diz “[que absurdo], todo mundo faz isso”. Nesse sentido, o segmento que foi relatado pode ter sido uma constatação crítica dela que lamenta essa prática, e não como uma constatação de apoio a essa prática. Como é polissêmico, também se pode afirmar que o sentido empregado pelo autor do áudio foi deturpado pela revista.

Agora, o que há de problemático no áudio é o fato de que o deputado afirma que, entre seus 19 assessores, há aqueles que são contratados para ajudar na campanha. Agente público nomeado para atuar em mandato pode se valer do cargo e expediente para atuar em campanha? Esse é o real busílis do áudio, e não essa exploração tosca de lacuna de sentido em sentenças polissêmicas…

Responder

    Deivid

    25 de novembro de 2020 às 00h40

    Quanto contorcionismo pra tentar distorcer um áudio tão claro e cristalino… Kkkkkkkkkk

    Responder

      carlos

      25 de novembro de 2020 às 12h49

      Esse Deivid parece mais com o retrato de um palhaço, ou melhor um boneco de marionete.

      Responder

Luan

24 de novembro de 2020 às 10h39

A minha tèoria da barba longa nunca falhou até hoje…viu a barba pode correr que é merda na certa. !!

Responder

    Francisco

    25 de novembro de 2020 às 11h42

    É bom não contrariar, né, Jesus, Abraham, Machado, Leonardo, Sigmund, etc.?

    Responder

Deixe uma resposta