Paris Café: O PT tem um projeto de governo? Qual é?

Pedro César Josephi: Que falta nos faz Brizola

Por Redação

21 de junho de 2021 : 19h50

Por Pedro Josephi

Nesta data, em 2004, aos 82 anos nos deixou Leonel de Moura Brizola. Uma das lideranças produzidas e formadas pela política brasileira mais conectadas com as entranhas do seu povo. Foi o único a ser eleito governador em dois estados brasileiros, do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, além de ter sido prefeito de Porto Alegre, e parlamentar.

Sob os ideais trabalhistas, no Rio Grande, enquanto governador, promoveu a reforma agrária, sob a égide de uma firme organização política e social dos agricultores a quem eram distribuídas as terras.

Desapropriou latifúndios improdutivos e aqueceu a economia do estado por meio da agriculta familiar. Tinha um entendimento de induzir o desenvolvimento por meio da indústria, tendo implantado a de Aços Finos Piratini, a de Açúcar Gaúcho e outras de trigo.

Entendendo o Estado como coordenador estratégico desse desenvolvimento, nacionalizou, de forma célere, a Companhia Elétrica para que não faltasse energia para as indústrias, após a recusa dos americanos em fazer as concessões. Triplicou, assim, a produção elétrica. 

Por outro lado, Brizola garantiu o acesso à educação em todas as partes do Estado, multiplicou o número de escolas, criando uma rede pública de ensino primário e médio, além de formar e contratar dezenas de professores para o antigo “colegial”. Para financiar toda a política social do seu governo, criou de forma pioneira a Caixa Econômica Estadual com linhas de crédito popular e acessível aos parques industriais.

 Um visionário em defesa do Brasil e da democracia de tal forma que foi o principal líder, mentor e organizador da Campanha da Legalidade, uma mobilização da sociedade civil e dos segmentos militares para defesa da posse do presidente eleito, João Goulart, que sucederia à Jânio Quadros que renunciara.

Brizola mobilizou a população, a Brigada Militar do Rio Grande do Sul e as emissoras de rádio, constituindo a “Cadeia da Legalidade” para dominar a opinião pública nacional. Greves, manifestações e ações em defesa da democracia foram vistas em todo país, tendo no Sul a peculiaridade de Brizola ter armado os civis.

A confiança e a sintonia era tão grande com o povo que após a garantia da posse de João Goulart, que estava em viagem para a China, a população espontaneamente devolveu as armas cedidas pelo estado à época.

Com a ditadura militar, mais a frente, foi obrigado a partir para o exílio. No seu retorno, mesmo tendo perdido a sigla tradicional trabalhista no Brasil, reorganizou as lideranças e fundou o PDT. Foi eleito governador do Rio de Janeiro com Darcy Ribeiro de vice.

Juntos, implementaram os CIEPS (Centros Integrados de Educação Pública), cujo projeto arquitetônico era de Oscar Niemeyer, no qual, os alunos ficavam em horário integral e tenham acesso à alimentação supervisionada por nutricionistas, cuidados odontológicos, prática de esportes, leitura e de incentivo à cultura.

Valorizando o samba como expressão popular e nacional, construiu o Sambódromo da Marquês de Sapucaí, projeto de Niemeyer, para o desfile das Escolas de Samba do Rio. A estrutura fora do carnaval era utilizada como salas de aula. Uma simbiose entre a revolução educacional e cultural. 

Como no Sul, emitiu títulos de posse para as comunidades do Rio, fez regularização fundiária, juntamente com o então secretário de Habitação, Carlos Alberto Oliveira, Caó, e alterou a condução da segurança pública, afirmando ser a necessidade daqueles locais a presença e os serviços do Estado e não da polícia militar.

No meu governo, polícia não sobe o morro”, dizia. Não era um chamado à impunidade, mas a ciência de que o povo precisava emergencialmente de educação, emprego e renda, e não de repressão.

Brizola era um líder popular, nacionalista e também preocupado com os povos indígenas, com o movimento negro e com a luta das mulheres. Abrigou no PDT nomes como Mário Juruna, primeiro indígena deputado federal; Carlos Alberto Oliveira, Caó, deputado constituinte responsável pela inclusão na Constituição do crime de racismo como inafiançável e imprescritível, militante negro, também deu nome a lei 7.716/89, que regulamentou a previsão constitucional; Abdias do Nascimento, Lélia Gonzáles, dirigentes do Movimento Negro Unificado, entre outras figuras, como a sambista Beth Carvalho. Difícil era não ter em Brizola uma referência social.  

Alçado pela popularidade, tentou ser presidente em algumas oportunidades, sem sucesso eleitoral, mas foi fundamental para formação do Estado Brasileiro e da consciência nacional-trabalhista.

Neste momento de grave crise, sentida pelos mais pobres e indefesos; neste momento de fragilidade das instituições e das forças políticas; neste momento de instabilidade social, a coragem, a bravura e a capacidade de articular saídas para o povo brasileiro que Brizola tinha nos faz muita falta.

Brizola segue vivo na mente e nos corações do povo brasileiro como o melhor presidente que este país não teve.

Por Pedro César Josephi é advogado, professor de Direito e presidente da Fundação Leonel Brizola – Alberto Pasqualini em Pernambuco

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Josw roberto

22 de junho de 2021 às 22h18

Incrível alguém defender este indivíduo. A polícia não subia o morro para ele garantir apoio político dos traficantes. Graças a este sujeito o crime organizado atingiu o poderio atual. Iniciou o desmonte do Rio de Janeiro. Protetor dos bandidos, traficantes, bicheiros. Filha viciada em cocaína. A gíria para cocaína era “brizola”. Foi tarde, infeluzmente. Não faz falta nenhuma.

Responder

Jaspion

22 de junho de 2021 às 00h27

Falta nenhuma.
Arde no inferno.

Responder

    Pravdaaverdade

    23 de junho de 2021 às 15h37

    Nossa jaspion! Que Nick infantiloide. Quem é você? Deus? Com que autoridade você joga o Brizola no inferno? Você então é juiz e carrasco ao mesmo tempo? Que país é esse.

    Responder

Nelson

21 de junho de 2021 às 23h47

Tenho imenso orgulho de ser conterrâneo de Leonel de Moura Brizola, o “Tio Briza”, e de ter nascido a cerca de 50 km da localidade de origem dele. Tivéssemos eleito Brizola em 1989, nosso Brasil teria seguido um rumo totalmente oposto.

Fernando Collor iniciou a entrega do país, freiada em alguma medida, timida, por Itamar Franco, para, logo em seguida, Fernando Henrique Cardoso fazer o governo mais corrupto e deletério que já nos foi imposto e passar a entregar tudo o que podia.

A turma do PT foi outra a impor uma freiada no entreguismo. Mas, da mesma maneira que Itamar, foi uma freiada tímida e o PT também privatizou, atendendo aos interesses do grande capital.

O golpe de 2016 foi dado para acabar com qualquer pretensão de construirmos um país soberano. Por isso mesmo, MiShell Temer assumiu e retomou a entrega e as privatizações a toda velocidade. Jair Bolsonaro tem a missão de completar a destruição, de decretar o desmantelamento final do Estado brasileiro e do serviço público do país.

Tudo em conformidade com o projeto de transformar nosso país em mera colônia dos países ricos e de suas megacorporações capitalistas.

Isto mesmo, capitalistas, porque, ao contrário do que é alardeado não é o comunismo que está, com suas garras, prestes a nos dominar completamente. É o capitalismo que vem com toda sua sede por lucros sempre maiores para nos escravizar pelo resto dos tempos.

Infelizmente, parece que dos homens públicos nacionalistas convictos, do calibre de um Leonel Brizola, sobraram bem poucos.

Responder

Paulo

21 de junho de 2021 às 22h26

Brizola foi um homem com o qual em muito me identifiquei. Fruto do Brasil profundo, combativo, rio-grandense, corajoso, que só teve um momento de pequenez: quando tentou levantar o 3º Exército contra o Brasil, muito mais por desinformação e reatividade do que por anti-brasilidade, seguramente…Ninguém que intente conta a pátria brasileira pode ter razão…

Responder

    Paulo

    21 de junho de 2021 às 22h28

    Contra a pátria…

    Responder

Efrem Ventura

21 de junho de 2021 às 20h06

Foi o que proibiu as operaçoes policiasi nas favelas e o crime tomou conta de tudo ?

Ou era quem recebia caixas com armas e dinheiro de Fidel CAstro ?

Responder

    Flávio Oliveira da Silva

    22 de junho de 2021 às 19h22

    Senhor Efrem Ventura, Vossa senhoria não deve ter conhecimento do alcance social projetos que Brizola desenvolveu, tanto no estado do Rio de Janeiro, quanto no estado do Rio Grande do Sul. Por isso, vou lhe dar apenas três informações. A primeira: Brizola ao ser questionado sobre a violência no Rio de Janeiro, no programa Roda Viva, apresentou um revista Veja, anterior ao seu governo, que continha a seguinte chamada ou manchete: Guerra Civil no Rio de Janeiro A segunda: Brizola proibiu a polícia de subir os morros atirando porque em uma incursão em morro, no bairro de Copacabana, a polícia subiu atirando e matou uma criança que inocentemente brincava na porta da sua casa (barraco). Terceira: o senhor deveria saber que nos morros a maioria dos moradores é trabalhadora e no morro
    não nasce se fabrica armas e não tem pé de maconha e de coca. Senhor Efraim, vossa senhoria deveria se informar melhor quando estiver disposto a tecer críticas, especialmente, sobre Brizola.

    Responder

Deixe uma resposta