Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Foto: Evaristo Sá/AFP

Em terra de bolsonarismo, quem é diferente é alvo: a perigosa escalada da violência política no Brasil

Por Redação

22 de julho de 2022 : 07h54

Por Verônica Lima

Em setembro de 2018, o então candidato à presidência Jair Messias Bolsonaro, em campanha no estado do Acre, pegou o tripé de uma câmera e simulou um fuzilamento enquanto gritava “vamos metralhar a petralhada!”. Esse gesto absurdo já demonstrava o caráter violento e de desrespeito à democracia, numa ameaça explícita aos seus opositores.

No dia 8 de outubro de 2018, um dia após a votação em primeiro turno para a Presidência da República, o Brasil se chocou com o assassinato de Romualdo Rosário da Costa. Conhecido como Mestre Moa do Katendê, essa grande liderança popular foi morta a facadas por Paulo Sérgio Ferreira de Santana num crime com claras motivações políticas. 

No dia 15 de junho de 2022, durante um comício conjunto entre o presidente Lula e o ex-prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil, em Minas Gerais, um drone que sobrevoava o ato despejou sobre os militantes um líquido identificado como veneno para matar moscas. Não houve vítimas graves, mas a tentativa de intimidação política ficou mais do que clara. 

No dia 10 de julho de 2022, um domingo, o companheiro Marcelo Arruda, guarda municipal e militante do Partido dos Trabalhadores, foi morto a tiros na sua festa de aniversário que tinha como tema uma homenagem ao presidente Lula. Sua vida foi tirada pelo simples fato de que ele optou por celebrar essa data fazendo referência a uma liderança política com a qual se identificava e cujo legado e atuação ele prestigiava e defendia.

No dia 11 de julho de 2022, uma mulher foi ameaçada por um Policial Militar na cidade de Maceió, em Alagoas, por estar usando uma camiseta estampada com o rosto do presidente Lula. Segundo seu relato, ela passeava pela praia de Jatiúca quando o agente de segurança disse que “tem gente que pede para levar um tiro”, simplesmente pelo fato dela estar demonstrando sua orientação política e exercendo sua liberdade individual. 

Esses episódios são apenas alguns dos milhares que dão a dimensão da escalada da violência política no nosso país, principalmente após a eleição de Jair Messias Bolsonaro à presidência da República. 

Não é segredo para ninguém que esse desgoverno tem inflamado a intolerância e o ódio contra aqueles que pensam diferente dele. Sua atuação tem deixado claro seu profundo desprezo pela democracia e seus impulsos autoritários que, em última instância, tem ameaçado não só as liberdades individuais e coletivas dos cidadãos brasileiros mas, principalmente, suas vidas. Moa do Katendê e Marcelo Arruda foram assassinados por manifestarem suas crenças e opiniões políticas, que divergiam daquelas dos seus algozes.

Nessas eleições, temos ouvido falar sobre o perigo da “polarização”. Isso é um equívoco. Polarização sempre houve: o meu partido, o PT, sempre disputou eleições presidenciais acirradas. O que estava em jogo antes era a “polarização” entre dois projetos políticos para o nosso país, sempre com respeito ao pleito democrático e às regras do jogo. O que vemos agora é diferente: há um lado que manifesta profundo desprezo pela democracia, pelo Estado, pelas instituições, pelo povo e até mesmo pela urna eletrônica, enquanto o outro defende um país com oportunidades para todos, sem desigualdades e com a garantia de vida digna para a população.

Não pode restar nenhuma dúvida: vivemos um momento atípico e decisivo da nossa história. O bolsonarismo representa uma ameaça ao nosso futuro. O povo negro, as mulheres, os LGBTQIA+, os trabalhadores e as trabalhadoras são alvos desse desgoverno e dos seus seguidores. As forças progressistas precisam deixar de lado as divisões e unificar a luta em torno de uma solução que seja capaz de derrotar o ódio.

O que precisa ser pesado é que o Bolsonarismo põe em risco as nossas vidas e as nossas liberdades. A história está nos convocando para cumprir um papel fundamental na defesa da nossa sociedade e precisamos estar à altura deste chamado.

É pela vida de TODOS e TODAS nós! Pela memória de Moa do Katendê, Marcelo Arruda e tantos outros. Para que a gente não precise chorar mais mortos e nem ter medo de ser quem somos.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EdsonLuíz.

22 de julho de 2022 às 15h50

O bolsonarismo e o petismo são duas matrizes de ódio contra os diferentes. Os dois! E o Brasil tem que se livrar desse ódio.

É verdade que o ódio bolsonarista tem aflorado mais, nestes tempos em que o PT está acuado por comprovação de grossíssima corrupção de Lula e outros petistas e aliados, como Gedel Vieira e tantos outros e, para posar de bom moço e se desmarcar de jair bolsonaro, o PT está mais comedido na sua produção e espalhamento de ódio com mentiras.

O que o PT chama de Disputa de Projeto Político, na economia, por exemplo, significou o PT destruir o projeto do adversário, o PSDB, cujo projeto econômico foi relativamente bem feito, embora com muitos limites, claro, porque o Brasil precisava e precisa de muito mais do que Fernando Henrique e o PSDB fizeram. Mas reconheço que o projeto de Fernando Henrique pissibilitou algumas coisas boas ao Brasil.

No lugar do projeto do PSDB, que o PT tratava não como adversário, mas como inimigo a ser destruído (e continua tratando com ódio ainda, apenas está disfarçando esse ódio para se diferenciar de bolsonaro), o PT deixou uma economia arrasada, a volta da inflação, do desemprego, da recessão e a volta da fome, que a pandemia de Covid-19 e a irresponsabilidade de jair bolsonaro agravaram.

Sempre que o PT repete: “A fome voltou!” “A fome voltou!”, não se esqueçam que o pagamento do Bolsa Família no mês de setembro de 2014 – já dentro da recessão provocada pelo PT e cujas consequências de desemprego e fome permanecem até hoje – esse pagamento do Bolsa Família teve que ser sacado a descoberto na Caixa, porque o dinheiro já havia acabado por causa das farras e corrupção do PT e por isso o Tesouro não tinha como depositar o pagamento do programa na Caixa. A Caixa pagar a descoberto é crime e foi um dos motivos para o impeachtment da Dilma, que fora essa sua imcopetência e irresponsabilidade, dela e do PT, Dilma, diferentemente do PT e de Lula, é honestíssima, como o não tão honesto Michel Temer disse recentemente.

O Projeto Político que o PT reivindica e disputa é o projeto em que os bancos ganharam muito dinheiro (oito vezes mais que no governo Fernando Henrique, segundo estudos do jornal ‘Valor Econômico’: 279,9 bilhões os bancos ganharam no governo Lula; 34,4 bilhões no governo Fernando Henrique. O projeto que o PT reivindica e disputa deu muito dinheiro para as empreiteiras principalmente para os empreiteiros e empresários amigos de Lula e sócios de Lula na corrupção grossa: muito dinheiro para o Ike Baptista, muito dinheiro para o Joerlei da Friboi, muito dinheiro para os Oderbrecht, muito dinheiro para o Léo Pinheiro e muito dinheiro para muitos outros empreiteiros e empresários ricaços amigos do PT e de Lula, via BNDES e outras agências estatais. O resultado econômico para o Brasil dessa farra do PT e de Lula com o dinheiro do povo brasileiro foi o PT ter produzido no Brasil a maior recessão da história da nossa economia, com as consequências registradas por estudos: desinvestimento, desemprego, volta da fome (milhões e milhões de famintos novamente em todo o Brasil).

jair bolsonaro também tem culpa dessa fome que atinge nosso povo, mas a culpa de bolsonaro é a de não ter feito nada para corrigir os erros de economia que o PT e sua farra provocaram e resultou em desinvestimento, mais desindustrialização e a volta gradual da fome, que a pandemia de Covid-19 e jair bolsonaro agravaram.

O Projeto Político que o PT reivindica e quer repetir significou se apropriar dos projetos sociais do adversário e mudar o nome desses projetos para enganar e fingir que os projetos sociais são seus. Um exemplo escancarado é o Projeto Bolsa Família, criado por Fernando Henrique e pelo governo do PSDB. O Projeto Bolsa Família foi criado pelo PSDB e por FHC associado à exigência de ter os meninos na escola e a algumas obrigações da família, como a vacinação das crianças, por isso o nome original, quando o PSDB o criou, foi Projeto Bolsa Escola e estava localuzado não no gabinete do presidente FHC, como vitrine populista e humilhadora, mas localizado onde devia estar, no Ministério da Educação. Lula colocou o projeto no seu gabinete e mudou o nome para Projeto Bolsa Família, para enganar e dizer que o projeto é seu, e jair bolsonaro, agora, mudou novamente o nome para Projeto Auxílio Brasil, com o mesmo objetivo do PT, de passar a ideia de que é o dono do projeto. Lula e bolsonaro, os dois, roubaram o projeto de ajuda aos pobres. Mas não me surpreende: os dois, Lula e bolsonaro, são conhecidos ladrões!

Reconheça-se que o PT continuou a desenvolver o projeto do Fernando Henrique de ajuda aos pobres, contando Lula no seu tempo com muito mais dinheiro, por causa de uma conjuntura econômica mundial favorável ao Brasil e pelo amadurecimento dos projetos e políticas do Fernando Henrique e do PSDB, e reconheça-se também que agora o jair bolsonaro aumentou o valor da ajuda para R$600,00 reais. Mas nada justifica Lula e jair bolsonaro roubarem a autoria do projeto de ajuda, demonstrando péssima índole. E elogie-se e reconheça-se, principalmente: Fernando Henrique entendia que a ajuda aos pobres não era para ele se consagrar como herói; a ajuda aos pobres era uma contribuição do Brasil e dos brasileiros aos mais necessitados. Fernando Henrique NUNCA encheu a boca de cuspe e ficou repetindo, cuspindo e humilhando as pessoas, dizendo “Estou dando comida!”, “Estou dando comida!” “Estou dando três pratos de comida!”. Ficar dizendo isso, como fazem os populistas, instrumentaliza o Estado, sequestra a política e, sim, dá voto, muito voto! Como mostra os votos que Lula tem dos pobres e de outros que acham que foi ele que fez pelos pobres e, agora, os votos dos pobres que jair bolsonaro começa a ter também, por causa desse populismo com o Auxílio Brasil (Bolsa Escola, do FHC, corrija-se).

Mas esses votos de Lula e bolsonaro em cima dos pobres e com a humilhação dos pobres, votos dados pelos humilhados a quem os humilha são votos indignos. Podem dar maioria eleitoral, colocá-los no segundo turno, elegê-los, mas faz de Lula e bolsonaro políticos indignos! Quem bate bumbo nessas coisas populistas está ajudando a humilhar o povo para se beneficiar e para favorecer seu Mito, mas está apoiando projeto político sacana, que não transforma a realidade, e apoiando gente mau caráter como Lula e bolsonaro.

Só para o PT não ficar enganando e fazendo parecer que o miliciano jair bolsonaro produz e espalha ódio sozinho, vou lembrar apenas uma coisinha, dentre milhões de coisinhas e coisonas muito graves, levianas e mentirosas e de muito ódio espalhafas pelo PT e seus petistas e por outros odiadores: O PT sempre espalhou que Geraldo Alckmin ROUBAVA dinheiro da metenda das crianças de São Paulo. O PT, os petistas e muitos outros espalhadores de ódio sempre repetiram isso, de que Alckmin é ladrão de metenda à exaustão, até que o destruiram. Geraldo Alckmin é um homem MUITO conservador, ligado à Organização Opus Dei, o que faz dele um homem muito diferente de nós, mas nem ele nem ninguém metece ser alvo de abuso, de mentiras, de leviandafes, de destruição moral, de destruição de reputação, ser alvo de ódio, como fez e faz o PT, Lula, os petistas, seus blogues sujos e seus aliados corruptos e malditos.

Nisso de produzir e espalhar ódio, por exemplo, há muita equivalência entre Lula e jair bolsonaro.

Edson Luiz Pianca.
edsonmaverick@yahoo.com.br

Responder

Natalia

22 de julho de 2022 às 13h13

… sempre com respeito ao pleito democrático e às regras do jogo ?! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

ELIAS

22 de julho de 2022 às 13h00

égua, tem miliciano aqui que só a porra! canalhas pagos, filhos de satanás

Responder

alex

22 de julho de 2022 às 12h47

PT e PSDB sempre foram amigos atras das cortinas, hoje foram obrigados a sair do armario.

Responder

dudu

22 de julho de 2022 às 09h59

Se a policia ja esclareceu que a politica nao tem nada a ver porque insistem em querer alterar os fatos quando isso é impossivel…?

Parece que ficaram decepcionados, parece que querem morte e cadaveres para usar como nutriente…sao necrofagos ?

O monopolio da narrativa se foi…

Responder

Tony

22 de julho de 2022 às 09h17

Meter a faca no peito do futuro ganhador das eleições pode ?

Jogar uma pessoa contra um caminhão em andamento que não morreu por milagre pode ? O tal de Lulla agradeceu e parabenizou por essa tentativa de homicídio….

Jogar uma escavadeira contra manifestantes pode ? Esse gesto bárbaro não foi condenado por ninguém da esquerda, pelo contrário foi defendido tambem.

Esse ar de bondade que a esquerda se colou e tenta vender já se foi há muito tempo viu… está na hora de atualizar o cardápio de hipocrisia.

Responder

Saulo

22 de julho de 2022 às 08h59

Durante os anos do PT o Brásil chegou na marca recorde de 65 000 homicidios ao ano, beirando os 900 mil (quase q milhão de homicidios) nós 14-15 anos de assaltos aos cofres públicos.

Hoje os números são inferiores.

Responder

Ronei

22 de julho de 2022 às 08h54

PT e PSDB nunca disputram nada, sempre foi uma encenação de fachada entre amigos para brincar com a cara dos brasileiros.

Todo mundo sabia o que acontecia em Brasilia e que quem tinha na mão as chaves dos cofres para roubar ficava no poder e distribuía dinheiro para o resto do mundo…. até a chegada da Lava Jato.

Ou alguém acha que o Aécio por exemplo não sabia o que aprontavam Lula e comparsas ? Alguém acha que no PSDB não sabiam do mensalão e do petrolão ? Só se for muito ingênuo ou dessimulado.

O Brasil nunca foi uma democracia, 4 mandatos de uma mesma facção no poder não tem nada a ver com democracia, é uma monarquia bananeira de quarta categoria.

Responder

Kleiton

22 de julho de 2022 às 08h45

“O que estava em jogo antes era a “polarização” entre dois projetos políticos para o nosso país, sempre com respeito ao pleito democrático e às regras do jogo. ”

Já que é pra rir vamos rir….Kkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Ronei

22 de julho de 2022 às 08h20

O único atentado com fim político dos últimos tempos foi a facada que esse sujeito da foto levou no peito por um militante do PSOL para que não fosse eleito. Um meio doidinho frequentando os ambientes de completos idiotas do PSOL, o que não deve ter ouvido a respeito de Bolsonaro nesses lugares ? Deve ter sido fácil demais “fazer a cabeça dele”…

É o perfil perfeito para que o atentador possa ser declarado como “maluco” e fechar a questão sem investigar quem no mesmo dia marcou a presença dele no Congresso como possível álibi por exemplo…

Idiotas que brigam e trocam cabeçadas como bodes até se matar não tem nada a ver com a política obviamente…como já foi amplamente esclarecido por quem de dever por tanto não há como alterar os fatos.

A mulher que escreveu esse texto aí invés de procurar coisas bonitas e interessantes procura carniça, cadáveres em putrefação para comer, se nutrir e quando abre a boca não pode sair nada mais que um bafo podre desse.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina