Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Imagem: AFP

Lula prega “convivência democrática” após ação golpista do PL

Por Gabriel Barbosa

23 de novembro de 2022 : 10h53

Na manhã desta quarta-feira, 23, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu o fortalecimento e a convivência com a democracia. No Twitter, o líder progressista falou em “paz” para o Brasil “voltar a crescer e gerar empregos”.

“O povo brasileiro quer um país em que volte a reinar a paz, a convivência democrática. O Brasil precisa de diálogo e trabalho conjunto para voltar a crescer e gerar empregos. Vamos juntos trabalhar para que nosso país volte a ter normalidade e prosperidade. Bom dia para todos”, disse Lula.

A publicação do presidente eleito acontece após o PL, partido de Jair Bolsonaro, ter ingressado com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) onde fala em suposto erro na contagem de votos no segundo turno.

Gabriel Barbosa

É jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM. Atualmente é Chefe de Redação do Cafezinho e pós-graduando em Marketing Político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EdsonLuíz.

24 de novembro de 2022 às 07h30

●ROUBAR o dinheiro…
▪que deveria ser usado para construir as passarelas por onde o povo vai passar para fazer suas manifestações reivindicando empregos, educação de qualidade, hospitais…

…. esse roubo é que não é democracia!

O que o PT fazia não era reivindicar essas coisas para o povo. Até porque quem reivindica para o povo é o povo mesmo!

O que o PT fazia —e que é mais uma das delinquências políticas que o bolsonarismo aprendeu com o PT– era tulmutuar e tirar a paz do Brasil.

Roubar o dinheiro do povo, entregar esse dinheiro para tubarões da construção civil, da exploração do petróleo e da produçào de proteínas e afogar o povo em uma gigante crise econômica é que não é democracia.

Minha questão é singela: junto da máscara de lulinha paz e amor virão pedidos de desculpas proporcionais às de delinquências antigas, de tulmutuar as cidades, de corromper o legislativo, de ficar com parte dos recursos da corrupção…?

Eu não acredito em conversões sem pedidos convincentes de desculpas.

Responder

EdsonLuíz.

23 de novembro de 2022 às 20h45

Toda a vida de uma cidade é institucional.
A função e o uso da cidade é um direito coletivo e regulado.

Há várias formas de usar a cidade, inclusive para o exercício do direito político de se manifestar. E tem, sim, direito de se manifestar aqueles que questionam a lisura de um processo eleitoral que eu e a outra metade da população entendemos ter sido um processo legítimo do ponto de vista da legalidade. Quem questiona o direito deles de se manifestar? No que eu escrevi eu não questiono a natureza da mobilização que tulmutue a cidade e no que está escrito nem há nenhuma possibilidade de inferência nesse sentido. Mas, como certas mentes deslizam para o que não há no que está enunciado… (“veem gatos onde não tem gatos”).

Delimitei minha questão entre pedir paz –e eu concordar— e se o pedido de paz feito hoje será acompanhado de desculpas por não terem dado paz nunca anteriormente.

Mas nenhuma manifestação, tenha a natureza que for, pode resultar em tumulto e em prejuízo dos demais usuários da cidade.

Nós, SEMPRE, por décadas, vimos serem criados esses tulmutos, com muito vandalismo, destruição de patrimônio público e muita queima de pneus, com a fuligem tóxica impesteando os céus e contaminando o ambiente. Os tumultos paralisavam as ruas; paralizavam toda a cidade.

Hoje, mais gente parece que está pedindo que não sejam criados tumultos. Eu discordo? Não, eu concordo que tumultos não sejam criados e impeçam o funcionamento das ruas e as cidades de cumprirem sua função.

Tulmutos provocados por mobilizações de quais naturezas?

Precisa dizer? De todas!

O que importa no que perguntei é se o pedido de paz no Brasil —com o qual eu concordo, mas duvido, principalmente a depender de quem peça a paz, mas não costuma dar— virá acompanhado de desculpas se for feito por aqueles que durante décadas queimaram pneus, obstruiram as ruas e paralisaram o funcionamento das cidades.

Vale para tumultuadores de ontem, de hoje e de amanhã, para que o direito de se mobilizar e se manifestar seja garantido, nas que seja exercido com civilidade.

Responder

    Alexandre Neres

    23 de novembro de 2022 às 21h27

    Obrigado pela resposta, agora pude entender melhor sua concepção de democracia.

    Para você, o bem jurídico mais importante a ser protegido é o direito de ir e vir do cidadão de bem, o qual não pode ser atrapalhado de modo algum, pouco importando qual seja o motivo.

    Vamos listar alguns:
    -cidadãos moradores da periferia cruzadas por BRs, em que não há passarelas, cujas crianças estão morrendo atropeladas, resolvem fechar a BR como forma de pressão para que sua situação seja resolvida;
    -trabalhadores reivindicando manutenção do poder aquisitivo saem às ruas da cidade para lutar pelo seu direito, o que ocasiona transtornos nas vias públicas;
    -partido político toma as ruas da cidade como forma de protesto para que os direitos dos trabalhadores não sejam subtraídos, interrompendo as vias públicas por determinado período;
    -manifestações orquestradas com vistas a atacar a democracia, por não se aceitar o resultado das eleições, interrompendo as estradas por mais de 20 dias, inclusive por meio de locaute e de financiamento por patrões.

    Todas as situações, segundo tal concepção, foram jogadas no mesmo balaio de gato, não fazendo o isentão qualquer distinção entre a legitimidade de cada uma. O fato de a democracia estar sob ataque sistemático é um mero efeito colateral de somenos importância.

    Responder

EdsonLuíz.

23 de novembro de 2022 às 18h45

O Brasil realmente precisa de paz.

Mas é possível alguma paz no Brasil com o lulismo e o bolsonarismo tratando a política como guerra?

E o apelo de Lula a paz para não atrapalhar seu governo virá acompanhado de um imenso pedido de desculpas por o PT pelas décadas afora nunca ter dado paz a ninguém quando encontrou-se na situação de oposição?

Lula e o PT vão pedir desculpas pelas toneladas de fumaça de pneu queimado, o congestinamento do trânsito e a paralização de toda a vida de centenas de cidades, quando nem ambulâncias transportando doentes passava?

Responder

    Alexandre Neres

    23 de novembro de 2022 às 19h08

    Paralização (sic)? É impressão minha ou o senhor está querendo fazer comparação entre protestos que eventualmente impediram o direito de ir e vir com os atos antidemocráticos, até criminosos, de quem não respeitou o resultado das urnas por tanto tempo?

    Responder

Ronei

23 de novembro de 2022 às 15h48

O que estão esperando as forças armadas para enviar um cabo e um soldado no STF ?

Querem deixar os brasileiros pagar para ver mais uma vez ? Mais desgraça ?

Não dá pra entender…

Responder

carlos

23 de novembro de 2022 às 14h26

O Zé galinha, sem querer se entregou ou é um canalha, ou fascista extremista, fundamentalista.

Responder

carlos

23 de novembro de 2022 às 14h14

Esse bandidos estão tudo com premonição que vão morrer? Eu acho que não porque Deus castiga a quem deseja o mau aos outros, tudo que vcs desejam de ruim aos outros vêm de forma dobrada, à vcs.

Responder

carlos

23 de novembro de 2022 às 13h01

Fazendo uma alusão, com a palavra de Deus, que diz lá em 1 Samuel cap. 5 consta que Jesus jogou uma praga de hemorroida em caroços durante 6 meses, qdo.eu falo na palavra, estou falando do presidente que roubou ouro, o bolsonaro que foi batizado nas águas do Rio Jordão, após cometer crimes em série inclusive roubo de ouro que estava na arca da aliança.

Responder

    carlos

    23 de novembro de 2022 às 13h05

    Em tempo qdo. Falo em biblia estou falando dos filisteus. Que roubará a arca não confundir arca de Noé.

    Responder

Bandoleiro

23 de novembro de 2022 às 12h40

Lula via ver o dia 1 de janeiro o que é a convinvencia democratica com bandidos como ele….

Responder

    Alexandre Neres

    23 de novembro de 2022 às 12h54

    Que frase lapidar! És um gênio. Parabéns!!!

    Responder

Galinzé

23 de novembro de 2022 às 12h37

Lula e comparsas de assaltos deveriam ser enforacados em praça publica.

Responder

Alexandre Neres

23 de novembro de 2022 às 11h45

Um dos aspectos que mais me preocupa no Presidente Lula é o fato de ser um exímio conciliador. Tem o lado bom e o lado ruim desta característica.

Um país que não acerta as contas com o passado é um país sem futuro. É notória a diferença do que ocorreu no Uruguai, no Chile e na Argentina comparativamente com o que houve no Brasil. Crimes contra a humanidade, como a tortura, cometidos por agentes de estado são imprescritíveis. Querer punir os dois lados é de uma falta de conhecimento sem par, pois para tentar restabelecer a ordem democrática, devido ao endurecimento do regime, jovens tiveram que utilizar as poucas armas que dispunham à mão e mesmo assim foram massacrados. Querer tratamento igual para tamanha assimetria é prova manifesta da ignorância de quem defende tal posição.

A partir de 2014, começou a ser gestado um golpe jurídico-parlamentar, no bojo do qual Lula foi preso em um processo sem provas, que não lhe possibilitou o exercício das garantias fundamentais e das liberdades democráticas, com o establishment optando por proscrevê-lo do cenário político, exatamente para impedi-lo de concorrer às eleições de 2018, pois era pule de dez que ganharia. Lula não contou com o apoio de ninguém do mainstream, seja político, jornalístico ou jurídico.

Somente por contingências políticas e de fatos que vieram à luz a posteriori, pôde o poder judiciário corrigir a injustiça histórica do maior escândalo judiciário brasileiro de todos os tempos. Lula recuperou os direitos políticos muito em decorrência do obscurantismo que se tornou o Brasil a partir de 2019. Nesse ínterim, Lula recebeu o mesmo tratamento que é dispensado aos pobres, aos negros, aos desvalidos numa república de dois andares.

Pois bem, bastaram as chances de Lula ser eleito aumentarem sobremaneira, para o establishment começar a mexer os pauzinhos para tentar entabular mais um pacto por cima para proteger alguém oriundo das nossas elites do atraso, inda que uma figura decaída e de pouca luz, porém tem ligação próxima e estreita com o estamento militar. O primeiro a se manifestar nesse sentido foi o jornalista da William Waack da CNN, que, em entrevista com Lula, indagou se ele iria perdoar os crimes do zumbi do Alvorada para pacificar o país. Na mesma linha, foi aquele magistrado do STF, o totó.

A situação é delicada. Por óbvio, não cabe a Lula nem ao governo perseguir quem quer que seja. Mas as instituições de estado, como as polícias, o ministério público e o poder judiciário não podem abdicar de seu mister para apurar, denunciar e punir eventuais crimes praticados por governantes e militares, que ao que tudo indica não foram poucos.

Não podemos patrocinar mais uma anistia ao arrepio do estado democrático de direito. Quem desconhece o passado condena-se a repeti-lo!

Responder

    Jurandy Silva

    23 de novembro de 2022 às 16h04

    Meu nobre, seu texto, escrito com mais voltas do que uma arte barroca, declara inocência ao Lula. Você realmente acredita que o Luis é inocente? E você acredita que o futuro do Brasil tendo o Luis como presidente será diferente do que está acontecendo com esses países latinos que você citou? Se o Luís é parceiro político dos líderes desses países, o que te garante que no Brasil seria diferente?

    Responder

      Alexandre Neres

      23 de novembro de 2022 às 16h22

      Meu plebeu, cheio de escaramuças, pouco importa o que eu pense ou deixe de pensar, o que importa é que o poder competente já declarou aos quatro ventos que de acordo com o ordenamento jurídico pátrio ele é, sim, inocente. Bem, cada um dos países que eu citei está numa situação bem diferente da dos outros, com governantes de espectros distintos, então a minha questão é de princípio e não tem nada a ver com sua pergunta imbecil. A condição sine qua non de um país seguir adiante é acertar as contas com o seu passado, mas isso não implica dizer que todo país que assim o fizer vai ser bem-sucedido em lidar com mazelas atávicas. Lula já esteve no governo e saiu com 87% de aprovação, logo ele sabe como é que se faz, os outros é que podem se inspirar nele. Por fim, o nome dele é Luiz e não Luis, ou, se preferir, de acordo com o New York Times, que concedeu uma deferência toda especial a ele, trata-se do Mr. Lula.

      Responder

Deixe um comentário