Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Foto: REUTERS/Valentyn Ogirenko | Ricardo Stuckert

Itamaraty diz que voto do Brasil contra a Rússia na ONU foi um “gol da diplomacia”

Por Gabriel Barbosa

24 de fevereiro de 2023 : 09h19

O Itamaraty comemorou a aprovação da resolução na ONU que exige a retirada das tropas russas que ocupam a Ucrânia. Para a cúpula da pasta, o voto do Brasil u “gol da diplomacia”. Mas por outro lado, o governo brasileiro vai adotar um tom de cautela em relação ao fim da guerra.

Segundo informações da Folha, o Planalto avalia que a resolução é apenas um primeiro passo nesse processo de paz. A expectativa é de que a guerra ainda escale e dure por algum tempo.

Como se sabe, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) poderá ter uma conversa com o presidente ucranian, Volodymyr Zelensky, nas próximas semanas.

Vale lembrar que o Brasil foi o único país dos BRICS a votar favorável a resolução que pede a retirada das tropas e que condena as “nefastas consequências humanitárias” do conflito. A resolução teve 141 votos a favor, 7 contra e 33 abstenções.

Gabriel Barbosa

Jornalista com pós-graduação em Comunicação e Marketing Político. Atualmente, é Diretor Executivo e Chefe de Redação do Cafezinho. Teve passagens pelo Grupo de Comunicação 'O Povo', RedeTV! e BandNews FM do Ceará.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

marcos domingues

24 de fevereiro de 2023 às 15h35

Gol contra! Nao se mostrou neutro e tomou partido. Seguiu Bolsonaro

Responder

WWagner Indigo

24 de fevereiro de 2023 às 11h49

Nunca vi comemoração de Gol Contra !!!

Responder

Alexandre Neres

24 de fevereiro de 2023 às 11h35

Entrementes, no Estadão, uma colunista antipetista:

“Olha eu aqui!” – ELIANE CANTANHÊDE

A um mês da ida do presidente Lula à China para se reunir com seu equivalente, Xi Jinping, o Brasil avança duas casas na pretensão de articular (ou até liderar) uma frente de paz entre Rússia e Ucrânia, além de se colocar como a bola da vez para atrair financiamentos e investimentos do G-20. Audácia pouca é bobagem.

Quando Lula, após a conversa com o presidente Joe Biden, em Washington, sugeriu essa frente de países “não envolvidos” para negociar a paz, ninguém deu bola. O Brasil tem tamanho para isso? Ou é megalomania? As respostas começam a surgir.

O vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia, Mikhail Galuzin, agradeceu a decisão brasileira de não enviar armas para a Ucrânia, como queriam os Estados Unidos e a Alemanha, e declarou à agência Tass que o governo de Vladimir Putin “está estudando a proposta de paz de Lula, mas levando em conta a evolução da situação”.

O fio da proposta de paz lançada por Lula começa com um cessar-fogo imediato e foi incluído numa resolução aprovada ontem na Assembleia-Geral da ONU, por 141 votos a favor, sete contra e 32 abstenções. Quem pediu a inclusão? A Ucrânia. Logo, tanto a Rússia quanto a Ucrânia enviaram sinais, por mais leves que sejam, de que não descartam a participação do Brasil. Lula está em campo…

Responder

Paulo Werneck

24 de fevereiro de 2023 às 10h25

A Rússia não tem tropas na Ucrânia.

Donbass fez um plebiscito pelo qual, de acordo com a Carta da ONU que defende a autodeterminação dos povos, se uniu à Rússia.

O invasor sendo repelido é a Ucrânia.

Responder

EdsonLuíz.

24 de fevereiro de 2023 às 10h18

Maravilhosa, nossa diplomacia.

Desde a Ditadura Militar, e apesar dela, Saraiva Guerreiro trabalhava o Itamaraty para o Brasil ter uma política internacional sancionadora das melhores práticas de relações com o mundo e tendo como referências a democracia e o progressismo.

No primeiro período PT(Lula/Dilma) a nossa política internacional foi em vários momentos usada para objetivos ideológicos, mas a integridade progressista do Itamaraty, que é antípoda de ideologismos, conseguiu resistir como pôde ao aparelhamento;

No governo Jair Bolsonaro o uso da nossa política exterior foi ainda mais ideologizada que na primeira era PT, mas o Itamaraty resistiu como pôde igualmente.

No início da agressão ilegal da Rússia à Ucrânia, Jair Bolsonaro chegou a dar força a Vladimir Putin se reunindo com o ditador, mas na ONU nossa diplomacia resistiu e votou a primeira resolução contra o abuso; agora, com os panfletos eletrônicos do PT apoiando os abusos da Rússia (e alguns meios eletrônicos menos panfletários também ligados ao PT criando surpresas negativas de apoio a esse abuso também), o Itamaraty ainda resiste e reafirmou posição nada dúbia e de todo progressista, de defender a democracia e a liberdade, votando para condenar a Rússia novamente.

Responder

Deixe um comentário