Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Os embargos de Dirceu

Por Miguel do Rosário

04 de novembro de 2013 : 20h39

O Cafezinho publica, não sei se com exclusividade, a íntegra do embargos infringentes de José Dirceu, condenado pelo STF como “chefe político” do mensalão. A defesa de Dirceu concentra suas baterias em derrubar a condenação por formação de quadrilha, usando como referência os argumentos dos ministros que absolveram o ex-ministro desse crime: Ricardo Lewandowski, Rosa Weber, Dias Toffoli e Carmen Lucia.

Ninguém sabe o que pode acontecer, ainda mais porque é fácil antever a pressão midiática sobre os ministros para que não revejam a condenação de Dirceu neste item. Se absolvido do crime de formação de quadrilha, Dirceu terá sua condenação sensivelmente reduzida, e não cumprirá a pena em regime fechado.

Mas a chegada dos novos ministros Teori Zavacski e Luís Roberto Barroso é promissora, porque eles se revelaram, até certo ponto, ministros um pouco mais independentes da submissão à mídia, na comparação com os outros.

Celso de Mello agora é um mistério.  Ou ele tentará se redimir com a mídia, por tê-la desagradado ao votar em favor dos infringentes, ou dará outro voto de coragem, mudando seu entendimento sobre a condenação de quadrilha para Dirceu. Tenho impressão que  a primeira hipótese é a mais provável.

Por falar em pressão midiática, chamou-me a atenção uma entrevista concedida por Barroso ao Globo, neste final de semana. Observe esses trechos, em que Barroso fala da pressão sobre a sua família:

*

“As críticas [ao voto do ministro, em favor dos infringentes] não o incomodaram?

As críticas me incomodaram na medida em que a minha mulher sofreu, os meus filhos sofreram. As redes sociais dizem barbaridades. Porém, ou não sofri na minha relação comigo mesmo um segundo sequer. Na minha relação com o mundo, evidentemente eu lamento.

(…)

Acho que na AP 470 as paixões foram muito intensas. Faz parte da vida. A pior coisa que me aconteceu foi em São Paulo, no hospital com a minha mulher, uma médica disse: “não gostei da sua votação”. Foi a única coisa que aconteceu. Quando as paixões se exacerbam não há racionalidade possível, não há o debate possível, e isso me causa grande frustração. Uma das tristezas que sofri lendo no Globo que a admissão dos embargos infringentes trouxe grande descrédito para o Supremo. Em seguida, o texto dizia que Celso de Mello demonstrou que os embargos infringentes cabiam. A minha pergunta íntima é: então, para não sofrer descrédito, a gente deveria ter feito o errado? Fiz exatamente o que achava que deveria ter feito e eu acho exatamente o que eu disse.”

*

Repare na delicada crítica que Barroso faz ao Globo, ao citar a tentativa do jornal em tentar associar a vitória dos infringentes a um suposto “descrédito” do STF.

O estilo de Barroso é suave. Ele faz uma série de concessões à violência do Globo, até porque, como ele mesmo admite, sua própria família está exposta às violências simbólicas praticadas pela mídia.

Por isso mesmo, o julgamento do mensalão pôs tanto em evidência a fragilidade dos ministros. Os jornalões podem não ter o poder que possuíam antes sobre a massa, mas ainda exercem influência sobre os nichos sociais em que vivem os ministros do supremo. Seus filhos sofrem violências de seus coleguinhas de escola, e suas esposas são xingadas nos hospitais particulares que frequentam. É preciso que a sociedade faça uma reflexão sobre os riscos que isso traz à estabilidade política, dada a importância crucial do STF para a segurança jurídica do regime democrático.

Esperemos, no entanto, que os ministros do STF dêem prosseguimento ao julgamento da Ação Penal 470 com um pouco mais de desenvoltura em relação à mídia. Que não confundam a verdadeira opinião pública, com a de grupos derrotados politicamente, que não representam a população brasileira, e sim segmentos dominados por sentimentos de vingança pelas derrotas que a democracia vem lhes impondo. Que votem tecnicamente, deixando de lado essas asquerosas teses linchatórias a que setores da mídia, na falta de provas para condenar Dirceu e outros, se agarraram com tanta ênfase.

Condenar alguém sem provas, injustamente, só porque essa pessoa exerceu cargos de poder, não será nenhum exemplo na luta contra a corrupção. Ao contrário, será um golpe contra o estado democrático de direito e um atentado aos direitos humanos dos réus.

dirceu_lula

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sergio Russo

08 de novembro de 2013 às 11h28

Você que é cheio de dói , dói pelo Supremo não olha o essencial.
O STF está aparelhado !!!
O Toffoli nunca poderia ter participado do julgamento do Dirceu porque ele já foi advogado do próprio , NA MESMA causa.
Aí é que está o absurdo .
Um advogado mediano , que prestou vários concursos para juiz e nunca foi aprovado , de repente , num dedaço sem precedentes , vira juiz de um caso aonde havia atuado.
No passado , em casos parecidos , o juiz se dizia impedido por ter a sua neutralidade em suspeição .
O Toffolinho nem pestanejou . Entrou no julgamento e decidiu a favor do ex-chefe.
Por tanto , naõ é a Globo , nem o escambau que estão depreciando a justiça .
É o PT que massacra e aparelha a justiça brasileira , bem a moda do padrinho Hugo Chavez.
Que tal comentar estes fatos , que realmente são graves ?

Responder

Teresa Andrade

05 de novembro de 2013 às 09h16

essa imagem muito diginifictiva, é uma de minhas preferidas.

Responder

Deixe um comentário

Por que devemos confiar nas Urnas Eletrônicas? Viaje no Universo Profundo com o Telescópio James Webb O Xadrez para Governador do Ceará