Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Luiza Trajano manda email coletivo para urubus

Por Miguel do Rosário

20 de março de 2014 : 08h50

Do jeito que a coisa vai, Luiza Trajano daria uma melhor chefe da Secom do que os últimos representantes da pasta. Pelo menos ela está consciente do déficit de comunicação que vivemos, e como a comunicação é essencial para a economia, de um lado, por evitar sentimentos coletivos de depressão, e para educação do brasileiro, de outro.

*

Texto publicado na Carta Capital (via Conversa Afiada).

Luiza Trajano critica pessimismo de empresários: “Não estamos em depressão”

“Quando alguém está depressivo, ele fica com a imagem ruim. Essa onda não é tão grande quanto parece, mas a comunicação nossa está muito falha”, afirma a executiva

Luiza Helena Trajano, presidente da rede varejista Magazine Luiza, comparou o momento brasileiro com os sintomas de uma depressão. Para ela, há uma certa onda de pessimismo na atmosfera política e empresarial que precisa ser revertida. Essa sensação seria capaz de prejudicar a visibilidade do País no exterior. “Quando alguém está depressivo, ele fica com a imagem até pior do que tem. Essa onda não é tão grande quanto parece, mas a comunicação nossa está muito falha ainda. O Brasil é nosso. Temos de assumir que é aqui vão morar nossos netos, nossos filhos”, afirmou a executiva após participar nesta quarta-feira 19 do evento “Fórum Brasil – Diálogos para o Futuro”, promovido por CartaCapital, em São Paulo.

A empresária cobrou ações governamentais para tentar conter a desinformação, a principal causadora dessa sensação depressiva. “Estou despertando a comunicação desde a minha casa, do meu prédio… Nós temos de ter uma estratégia de comunicação educativa. Porque não vemos a comunicação como educação. Precisamos entender que a comunicação passa pelo educativo.”

Um dos exemplos de melhorias que poderiam ser ressaltados para aplacar o pessimismo é o baixo índice de desemprego. “As pessoas falam: ‘ah, mas não tem empregado’. Que bom que as pessoas não estão na fila dia e noite em busca de emprego, como vivemos décadas disso. Cada loja que o Magazine abria numa cidade eram duas mil pessoas ficando dia e noite na fila para 40, 50 vagas. Esse quadro mudou”, disse.

A empresária disse não estar preocupada com os índices de inadimplência – tema, aliás, de seu embate com o colunista Diego Mainardi, no programa Manhattan Connection, da GNT -, sejam eles no varejo ou em outros setores da economia. Essa sensação de segurança está calcada nos critérios da rede bancária brasileira para a liberação de crédito. “Não se preocupe. Os bancos só soltam crédito quando a inadimplência está baixa. Se não eles trancam tudo. Quando você vê abrir um pouquinho é porque a inadimplência está boa.”

Olimpíada – Integrante do comitê organizador da Olimpíada, a empresária afirmou que os investimentos orçados em7 bilhões de reais para o evento foram captados junto à iniciativa privada. “Encerramento, segurança, transporte, alojamento… vai ser tudo tirado desses patrocinadores. Falei com o Murilo (Ferreira, presidente da Vale) agora… Estou até ajudando a encontrar investidores.”

Trajano disse acreditar que a Olimpíada será capaz de aquecer o mercado de trabalho e render aos jovens oportunidades de emprego durante e depois da realização do evento. “Vamos ter 209 países nos visitando. Hoje recebemos 7 ou 8 milhões de turistas por ano. É provável que, quando passar a Olimpíada, tenhamos de três a quatro vezes mais turistas”.

1526897_680383718651431_784730893_n

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Celso Orrico

20 de março de 2014 às 19h41

essa mulher parece o Lula de saias, todas as entrevistas dela que eu vi sempre bate na mesma tecla: seguir acreditando no Brasil, investindo,é o lugar onde moramos e nossos descendentes vão morar boa pra frente..um empresária exemplar pena que perdeu o Ministério da Micro Empresa para o Afif Domingues..

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?