Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Vito Gianotti, ícone do jornalismo de esquerda no Brasil, morre aos 72 anos

Por Liana Carvalho

26 de julho de 2015 : 12h20

Reproduzimos abaixo dois textos sobre o marxista Vito Gianotti, falecido na última sexta-feira.

No Vermelho.

Barão de Itararé lança nota pelo falecimento de Vito Giannotti
O Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé presta sua homenagem à vida de Vito Giannotti. Sua partida, na última sexta-feira (24), deixa uma tristeza profunda em todos nós.

Vito Giannotti e sua companheira Claudia Santiago Vito Giannotti e sua companheira Claudia Santiago Vito era um homem incansavelmente dedicado à luta pela emancipação da classe trabalhadora, pela construção de uma sociedade mais justa e mais democrática. Nasceu na Itália, mas veio cedo para o Brasil, com 21 anos. Aqui, tornou-se um dos homens mais ativos na defesa do país e dos brasileiros.

Era um apaixonado pela luta e pela vida. Na sua trajetória, percebeu que para mudar o Brasil e o mundo, os trabalhadores, os sindicalistas e a sociedade precisavam construir uma outra comunicação, liberta dos grilhões do capital e da tutela das coorporações midiáticas. Sem uma comunicação própria, não é possível construir uma hegemonia política e cultural da classe trabalhadora. Assim, focou sua produção teórica e intelectual neste campo do conhecimento. Publicou dezenas de livros com estudos sobre a história da imprensa sindical e dos trabalhadores. Na década de 90, fundou o Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC), que desenvolve cursos voltados para a comunicação sindical e popular.

Vito Giannotti era uma referência para todos nós que lutamos por uma Brasil melhor, mas particularmente para os que atuam na luta pela democratização da comunicação.

No momento de sua partida, celebramos e homenageamos a sua vida. Vito Giannotti deixa em cada um de nós um pouco da sua determinação. Ficamos com o seu sorriso menino, com o seu jeito despachado e desbocado, com o brilho que ele trazia no olhar, e com a sua alegria de compartilhar com jovens as suas ideias para superar a exploração e a humilhação que o capitalismo impõem à esmagadora maioria da sociedade.

Como parte desta homenagem, o Barão de Itararé vai batizar o seu auditório com o nome de Vito Giannotti.

Vito, muito obrigado por tudo!!! Você vai fazer muita falta!

São Paulo, 25 de julho de 2015.

Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé.

****

Abaixo, uma das últimas entrevistas feitas com Gianotti.

Vito Giannotti: “Quem quer que não haja criança pedindo esmola é de esquerda”

Para o escritor, nascido na Itália e que vive no Brasil desde os 21 anos, o país se divide entre casa grande e senzala.

Por Iamily Rodrigues para o jornal Matéria Prima, de Maringá, agosto de 2004.

Filho de italianos Vito Giannotti, 61, chegou a São Paulo em 1964, trabalhou como metalúrgico, mas como gostava muito de escrever, no tempo que tinha livre buscava exercitar o desejo. Fez um ano de sociologia, parou para fazer política e nunca mais voltou. É autor de mais de 20 livros. O escritor é membro da CUT (Central Única dos Trabalhadores), que ajudou a fundar em 1983.

Giannotti atuou intensamente no movimento sindical no início dos anos 1990. Juntamente com jornalistas e professores fundou o NPC (Núcleo Piratininga de Comunicação), entidade que realiza cursos para dirigentes sindicais e jornalistas sobre comunicação sindical e popular.

Vito Giannotti nasceu na província de Lucca, Toscana, na Itália. É filho de Clementina e Salvador Giannotti e veio para o Brasil aos 21 anos. Morou 30 anos em São Paulo e há 11 anos mora no Rio de Janeiro. É casado com a jornalista Cláudia Santiago e é pai de Taiguara e André.

Vito Giannotti esteve recentemente em Maringá para uma palestra e recebeu o jornal Matéria Prima para uma entrevista. Leia a seguir os principais trechos.

Que tipo de trabalho o Núcleo Piratininga de Comunicação realiza?

O Núcleo Piratininga de Comunicação é um grupo de 12 pessoas, mais ou menos, de vários Estados do país. Uns são jornalistas, outros são professores universitários no campo da comunicação. Criamos esse grupo com o objetivo de melhorar a comunicação, especificamente dos trabalhadores, seja de sindicatos, de movimentos sociais, movimentos populares, movimentos de jovens, afinal, movimentos ligados à população que quer mudar esse país, quer um país diferente. Nesse sentido procuramos transmitir o que de melhor temos para que essas pessoas possam transmitir suas próprias idéias, seus programas, seus planos. Somos um setor de esquerda porque queremos que esse país seja mais justo. Quem quer que a mulher não leve um soco na cara, do marido, quem quer que não haja criança pedindo esmola, é de esquerda, mas é só nesse sentido que somos de esquerda.

Qual a diferença entre os jornais sindicais e os jornais “comuns”?

Há muita diferença. Os jornais que chamamos de comuns, os diários, como “O Diário do Norte do Paraná”, ”Gazeta do Povo”, de Curitiba, “O Globo” [Rio de Janeiro], ou seja, qualquer jornal da chamada grande imprensa, são destinados a quem quer comprar ou assinar aquele jornal, a quem quer ler. Os jornais sindicais, comunitários, populares (população que não está acostumada a ler) se destinam a uma população que não tem grande paixão por leitura, não gosta de ler. Há um monte de exigências específicas no jornal sindical que um jornal comum não tem.

Por exemplo, a maneira de dar a notícia. No Brasil um pequeno número de pessoas, no total 4,5%, lêem jornal. Isso é estatística. Estamos entre os países do mundo que menos lê jornal. Então, quem lê acaba sendo uma pessoa de elite, porque tem o dinheiro pra comprar o jornal. Três quartos da população brasileira ou compram jornal ou comem. Quem compra jornal tem de ter dinheiro pra isso, tem de ter tido estudo que o faça entender a linguagem, a mensagem, de conseguir interpretá-la, entender. Aí a imensa maioria da população faz uma escola péssima, indecente, por isso queremos mudar, por isso somos de esquerda, queremos mudar essa educação.

Essa educação pública dada do primário ao ensino médio é uma escola que não ensina ler jornal, por isso é que buscamos melhorar a comunicação sindical, popular, comunitária, para atingir as pessoas que não costumam ler jornal, mas que queremos que leiam, porque lendo-o você se informa, conhece dados, números, conhece fatos, e, com isso, você pode depois dialogar, propor o que nós achamos que é o outro Brasil.

O que o senhor acha da legislação do jornalismo?

Sobre o diploma acho óbvio que as faculdades de jornalismo têm de fazer com que as pessoas estudem, se preparem, sem a ilusão de que a pessoa vai sair da faculdade jornalista feito. Vai sair com os rudimentos, com as bases da profissão. Agora tem um impasse sobre a história do estágio, a legislação. Muitos são contra o estágio, com toda razão, porque ele é usado por muitas empresas como um disfarce para pagar menos, para ter uma mão-de-obra barata. Uma empresa jornalística grande contrata um estagiário, paga uma mixaria e o manda trabalhar que nem um escravo. Nesse sentido muitos sindicatos de jornalistas são contra esse estágio, porque é uma forma de super exploração do jovem que se formou em jornalismo, que antes de começar a trabalhar faz um estágio de escravidão pura, trabalha muito, não ganha quase nada, não tem direito nenhum.

Ao mesmo tempo tem uma contradição. Quem é que contrata um jovem que acabou de sair da faculdade pra trabalhar? É difícil, porque eles não estão preparados. Para ser um bom jornalista é preciso de três a quatro anos, no mínimo, para ter um manuseio do que foi estudado, aprendido. Então, o estágio é necessário, só que hoje em dia é sub-remunerado, usado como forma de exploração. Para mim, é preciso uma nova legislação que permita o estágio sim, porque o estudante precisa para completar a sua formação. Só que tem de haver uma garantia de que o estágio não será para fins de escravidão, que tenha um tempo de trabalho, que tenha condições de passar por várias situações, que ele [estudante] aprenda, que complete sua formação, que seja um estágio de complementação curricular e não uma forma de dar mão-de-obra barata para as empresas. Os sindicatos não gostam do estágio com toda a razão, e os estudantes precisam dele, porque ninguém contrata o estudante cru. Acho que deve ter uma legislação intermediária que permita o estágio, mas que exija condições de que o jovem formado possa se aperfeiçoar, conhecer o ambiente de trabalho e não ser um escravo.

E sobre qualidade do ensino oferecido pelas faculdades de jornalismo no Brasil?

Muitas faculdades de jornalismo do Brasil se auto-definem as melhores faculdades de jornalismo e são boas. Outras são péssimas, pura enganação. Agora, no geral, o problema das faculdades não está só no jornalismo, mas em todo o nosso ensino, que é extremamente ruim. Foi feita uma pesquisa pela ONU (Organização das Nações Unidas), com mais de 230 mil jovens, em 42 países, e foi pedido para eles lerem um texto, cada um na sua própria língua, e os mandaram interpretar. O Brasil ficou em 42º lugar, por quê? Nossas faculdades tão cada vez piores, devido a todo o empenho da ditadura militar, de imbecilizar o povo, quanto mais o povo é imbecil, mais facilmente é controlável. Toda a destruição do ensino, nascida a partir de 1964, da ditadura militar, e depois continuada pelos governos até hoje, realmente tornou o nosso ensino muito difícil. Há uma estatística sobre resolução de problemas de matemática em 18 países pesquisados pela ONU. O Brasil ficou atrás de Moçambique, um país miserável, paupérrimo. Isso acontece com escolas públicas e particulares. Quer dizer, é esse o nosso ensino e as faculdades de comunicação se inserem nisso.

O problema é que somos um país que, por tradição, não lê diariamente, e quem lê não chega a 10%. O Brasil está em 102º lugar em leituras de jornais e publica, somando todos os jornais diários, 6,8 milhões [de exemplares]. Isso é ridículo. O maior jornal do Japão publica, por dia, 14,570 milhões, com cinco edições por dia. No Brasil esses 6,8 milhões é a soma de todos os jornais diários, esse número dividido pela população brasileira dá 4,5%. Nós lemos menos que a Argentina, Peru, Colômbia, Bolívia, Venezuela, Cuba, menos que todos na América Latina. Isso dá a idéia da qualidade do nosso ensino.

Os seus livros são para quem quer entender melhor a área de jornalismo sindical, o sindicalismo?

Os livros mais ligados à história do sindicalismo, dos trabalhadores, são úteis para qualquer jornalista, porque os jornalistas precisam conhecer a história do nosso país. Sobre sindicalismo tem muitos livros, agora esses livros se inserem naquela série de livros sobre sindicalismo que se preocupou em dar noções básicas da história dos trabalhadores em nosso país, que não é contada normalmente nos livros de história geral estudados no ensino médio. Meus livros são a complementação útil para qualquer jornalista, para entender a história dos trabalhadores, da existência, do nascimento da indústria, as conquistas, as lutas que tiveram, para completar a outra história que não é contada nos livros.

A outra série de livros que lanço são específicos de comunicação, não só sobre linguagem sindical, falam muito sobre linguagem intelectual, falam sobre advogados, economistas, especificamente da casa grande e da senzala. A linguagem da casa grande — tanto faz ser advogado, economista, psicólogo, jornalista — ou seja, de quem tem acesso à livraria, a livros, que fez uma faculdade. Já a outra linguagem é dos que vivem em municípios que não têm acesso a livrarias. Essas são as séries de linguagem. Fala-se da necessidade de quem está tendo uma formação da casa grande, o que não é nenhum crime. Eu quero uma formação da casa grande para todos os brasileiros, todo mundo tem de ter uma formação boa, mas quem teve sorte de ter essa formação que se preocupe com a senzala quando se comunicar, porque se não ela não entende — teve um péssimo estudo, não teve estímulo para ler no ambiente familiar, não tem condições de comprar um jornal.

Qual o público alvo do trabalho realizado pelo NPC?

São jornalistas que trabalham com movimentos sociais, no sentido mais amplo. Desde movimentos de favelas, movimentos sindicais, populares, MST [Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra], ONGs [Organizações Não-Governamentais], que atuam junto com esses jornalistas, e também trabalhadores que não sendo jornalistas se preocupam e querem trabalhar junto com os jornalistas.

Qual o objetivo de ministrar palestras a alunos de comunicação?

Acabar com a casa grande e senzala, ministrando palestras que mostram a importância de conhecer a realidade, a história do nosso país, sobre os meios de comunicação em poder de quem eles estão e qual o papel deles na sociedade.

O que é preciso mudar na área da comunicação?

Na área da comunicação é preciso mudar o sistema que concentra os meios de comunicação nas mãos de grandes empresas que têm interesses econômicos, comuns, sejam a Globo, Folha de S. Paulo…

O que seria necessário para que o país não estivesse dividido em classes sociais e estar, ainda hoje, dividido entre a casa grande e a senzala, como o senhor diz em seu mais novo livro “Muralhas da Linguagem”?

Veja, não estou nem falando de não haver a divisão de classes sociais. Isso seria um mundo de sonho. Hoje pode até existir uma divisão, mas não a divisão dessa tremenda injustiça. O Brasil, dos 194 países da ONU, é o quarto do mundo em injustiça social, ou seja, é um dos países que têm a pior distribuição de renda do mundo. Eu não estou exigindo muito nessa primeira fase, mas no mínimo vamos acabar com a escravidão no Brasil, porque ela não acabou. Vamos acabar com ela. Não estou falando de igualdade, não é acabar com as classes sociais. O que deve ser feito hoje é tornar menos injusto esse país.

Por que o senhor busca convencer jornalistas, sindicalistas, pessoas que se relacionam com o povo, que a mesma divisão econômica se repete na linguagem?

Porque se comete isso, se as pessoas entendem melhor o porquê dessa dificuldade da linguagem, elas se dispõem mais a mudar a sua linguagem e, ao mesmo tempo, pegam o gostinho de querer mudar a raiz de todos os males, a mãe de todos os males, que é a casa grande e a senzala.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

prudent hcakers

29 de março de 2017 às 12h56

Você precisa de serviços de hackers? Em seguida, contacte prudenthcakers @ gmail. Com para um melhor hacking serviços. Nossos serviços incluem: * Cortar grade escolar, * cortar em contas de e-mail, * todas as contas de mídia social, * banco de dados da escola para limpar ou alterar as notas, * Recuperação de documentos perdidos * DUIs * registros e sistemas da empresa, * contas bancárias, Condução e antecedentes criminais, * verificações de antecedentes, localizações de monitoramento, + hacking de cartões de crédito, + hack de pontuação de crédito, + Monitor seu telefone de parceiros, CONTATO: prudenthcakers @ gmail. Com Para resultados confiáveis e garantidos

Responder

Anderson Melo

27 de julho de 2015 às 12h41

qto o edinho ta pagando pelo blog?

Responder

Isabel Rocha

27 de julho de 2015 às 10h24

Quantas palestras já assisti dou

Responder

J Reinaldo Santos

27 de julho de 2015 às 05h21

ESTRANHO, POIS NOS ÚLTIMOS TEMPOS SÓ BATALHADORES DE ESQUERDA E LIGADOS AO POVO ESTÃO PARTINDO ACHO QUE O MAL ESTÁ MANDANDO NA TERRA MESMO OU TEM ALGO DE PODRE NO AR!

Responder

Selma Athayde

26 de julho de 2015 às 17h30

Lamentável! Pessoas desse calibre deixa um grande vazio na luta por uma imprensa livre e democratica

Responder

Conceição Vieira

26 de julho de 2015 às 17h29

Triste perda…

Responder

Marcos Portela

26 de julho de 2015 às 16h41

Enquanto isso, GOLPISTAS da mídia, monopolizados pela GLOBO e FEDERAIS/PR, que com TARJAS PRETAS escondem PROVAS de corrupção contra PSDB e DEM, panelinha que virou PANELAÇO, a própria imprensa ressuscitando a CENSURA, quem diria!

FOLHA, DIÁRIO/PE, NE10, ESTADÃO e JC, bloquearam meus comentários em forma de CENSURA, por fazer o que ELES FAZEM há quase um ano, depois da derrota nas eleições 2014, REPETINDO matérias MANIPULADAS contra o governo, instalando o CAOS no país.

Responder

    Marcos Portela

    27 de julho de 2015 às 03h13

    Falou muito, mais não falou das TARJAS PRETAS que escondem provas contra o PSDB e o DEM, desse jeito até o Beira Mar é inocentado.

    Responder

Elisabete Rodrigues

26 de julho de 2015 às 16h19

Pena.

Responder

José Gomes Neto

26 de julho de 2015 às 15h54

Estará conosco sempre!

Responder

Beatriz Cândido

26 de julho de 2015 às 15h49

Seres humanos dessa estirpe dão força para continuar a luta!

Responder

Deixe um comentário