Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Crise na China? Especialista explica porque não é bem assim

Por Miguel do Rosário

30 de agosto de 2015 : 05h16

Publico abaixo um artigo – exclusivo para o Cafezinho – de Elias Jabbour, um dos maiores especialistas em China no Brasil.

Jabbour já esteve inúmeras vezes na China, já escreveu livros sobre a China, integra a Executiva Nacional do Partido Comunista do Brasil, e é professor de economia na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

Já teve muitos artigos publicados na grande imprensa (Valor, etc), e agora estreia no blog como um colunista eventual sobre a China.

***

Crise na China? Que crise é essa mesmo?

Elias Jabbour*, exclusivo para o Cafezinho.

Há quase um mês a China virou manchete dos editoriais dos principais periódicos de economia do mundo. Não mais noticiando recordes de crescimento. Ao contrário, as preocupações giram em torno da sustentabilidade do crescimento, para quanto mesmo irá cair seu crescimento e quanto o mundo sentirá esta queda de índice. A presente instabilidade no gigante devolve ao centro do debate a sustentabilidade, de fato, do chamado “modelo chinês”. Não demorou muito para que o debate tomasse contornos ideológicos com os ortodoxos colocando a cabecinha de fora, opinando como se o problema do mundo fosse o excesso de Estado na China e não o contrário (falta de Estado) em outros países, inclusive o Brasil.

Evidente que a questão a ser respondida é se o país continuará a crescer ou não. Ou até onde vai a capacidade do Estado chinês em continuar dando as rédeas do processo e até onde deverá ser encaminhada uma reversão de papéis interna com o mercado tomando posições. Daí a vaticinar uma nova crise financeira tendo como epicentro a China é um exagero razoável. Mais honesto seria colocar os olhos sobre a quantas andam as operações de derivativos no sistema financeiro norte-americano, pois é de lá que os podres do padrão financeirizado de acumulação continuarão a brotar, não na China. É do mercado autorregulado que devemos ter medo. E desde 1929 é isso o que a história tem demonstrado.

A China decide em 1978 implementar uma política de profundas reformas econômicas e de abertura à tecnologia exterior, mantendo o caráter socializando do regime. Esse movimento não se deu isoladamente. Motivos de ordem externa e interna aceleraram esta opção. A decadência do fordismo, levando consigo seus clones socialistas, na década de 1970 acrescido pelo surgimento de um novo paradigma tecnológico no Japão, a ascensão dos Tigres Asiáticos às suas portas e com performance econômica capaz de demonstrar a iniquidade do modelo soviético e a suposta superioridade do socialismo. Afora isso, persistiam pendências históricas não solucionadas (Taiwan, Hong-Kong, Macau), além – internamente – dos dissabores de um modelo de crescimento marcado por desiguais relações entre campo e cidade (modelo soviético) e suas imensas repercussões, entre elas o da sustentação política de uma força que chega ao poder em 1949 como expressão de uma grande revolta camponesa.

Em mais de 35 anos, pode-se dizer que a China enfrentou com sucesso grande parte de todos os desafios elencados acima. Sua produção agrícola continua a crescer, camponeses enriqueceram, o país se transformou numa potência financeira capaz de proscrever os imperativos de dominação intrínsecos às instituições forjadas no âmbito de Bretton Woods. A fusão, em 1978, do Estado Revolucionário fundado por Mao Tsétung em 1949 e o Estado Desenvolvimentista de tipo asiático internalizado por Deng Xiaoping, tem determinado o poder de transformação e desafio aos paradigmas impostos pelo Consenso de Washington.

Porém, o peso da indústria nacional (oficina do mundo) e de seu respectivo efeito demanda sobre economias de todo planeta, um crescimento pautado por altas taxas de investimento e, consequentemente, com variável consumo sobre o PIB muito baixa, além de uma crescente interação financeira com o resto do mundo têm posto o país diante de óbices nada pequenos: o momento é de mudança de modelo. O consumo deverá tomar a dianteira do processo. Não somente isso, o próprio mercado deverá tender a ganhar mais peso e importância na alocação de fatores de produção e determinação de preços. Evidente que uma transição deste nível não ocorrerá sem grandes percalços, afinal o próprio desenvolvimento soluciona e engendra contradições. Ninguém cresce durante 35 anos consecutivos, “impunemente”, ainda mais num modelo onde a prática de tentativa e erro é parte essencial da metodologia.

A crescente internacionalização da economia do país coloca no centro da agenda a conversibilidade de sua moeda, além disso os efeitos de um pacote de US$ 600 bilhões implementado em 2009 para enfrentar os efeitos domésticos da crise financeira internacional provocaram injeção demasiada de liquidez na economia doméstica, além de forte endividamento interno no nível provincial. Ao adentrar na era do mercado de capitais é preciso saber que é no mercado de capitais onde estas contradições se esgarçam, o que não significa que esteja ocorrendo uma grave crise financeira por lá (o alcance de mercado de capitais ainda é muito pequeno em comparação com as congêneres europeias e norte americana), porém é sugestivo o desafio da nova era à governança chinesa e mesmo aos países dependentes de seu mercado doméstico, incluindo o Brasil.

Não vejo uma crise na China. O país deverá cumprir sua meta de crescimento aos próximos anos de algo entre 6,5% e 7%. Também se foi o tempo do crescimento quantitativo, aquela loucura de dois dígitos. O país está diante do desafio de trânsito de modelo, justamente num país em que o investimento é quase um vício, não somente isso: o próprio investimento é elemento de avaliação política e ascensão de dirigentes municipais e provinciais na hierarquia do PCCh. Num ambiente deste é muito difícil uma transição, mesmo que suave, pois demanda profunda mudança de mentalidade política e empresarial. Além do mais, o sucesso da transição demanda imensa mobilização das maiores taxas de poupança represada do mundo, ao consumo. O que significa, na outra ponta, o desafio de construção de um poderoso Welfare State, cujo sucesso de implementação poderá ser principal objeto de comparação entre o sucesso e, real, superioridade do socialismo ante um capitalismo em estado rápido de putrefação.

Por fim, o desafio do Estado e do mercado. Um processo de liberalização financeira está na ordem do dia das autoridades de Pequim, o que não redunda na adoção de uma noção neoclássica de autorregulação mercantil, longe disso. Na outra ponta está o desafio do Estado Nacional chinês de ampliar o alcance de seu próprio Estado e do papel do planejamento, muito além do planejamento soviético e das novas formas surgidas no âmbito das reformas econômicas. Formas superiores de planejamento como instrumento de relação com as instabilidades anexas aos mercados financeiros. Nunca o exercício da estratégia foi tão necessário quanto na China de nossos dias, sentindo as dores do parto de um complexo e difícil processo de mudança de modelo e paradigma internos.

____________
* Professor Adjunto da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE-UERJ) e autor de “China Hoje: Projeto Nacional, Desenvolvimento e Socialismo de Mercado” (Anita Garibaldi/EDUEPB, 2012)

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Gabriel Landi

17 de setembro de 2015 às 15h11

O FIM DO MODELO CHINÊS DE CRESCIMENTO

Analisando as respostas da China à crise de 2008 e as mudanças na economia do país desde então, há pouco espaço para mabobras ou previsões otimistas. Que perspectivas se apresentam à classe trabalhadora chinesa, que há sete anos se mobiliza em greves cada vez maiores e mais amplas? Via Jacobin Magazine.

https://bloglavrapalavra.wordpress.com/2015/09/17/quem-pagara-a-conta-da-crise-na-china/

Responder

Flavio Carvalho

31 de agosto de 2015 às 14h13

https://youtu.be/xm994hd62Fc. Mto bom. Segue aqui mais uma informação complementar matéria.

Responder

enio

31 de agosto de 2015 às 09h43

Pra copiar e guardar. Quando você for votar, tenha essa lista em mãos, e verifique se o seu candidato está nela.

http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2015/08/28/quem-e-quem-na-lista-tucana-de-furnas/

Responder

Luiz Rodrigues

30 de agosto de 2015 às 23h17

Excelente!

Responder

Maria Olimpia Junqueira Mancini Netto

30 de agosto de 2015 às 23h14

Excelente, Professor Elias Khalil Jabbour, compartilhando!

Responder

Gilton Monteiro Jr

30 de agosto de 2015 às 21h52

Aliás, mesmo em Marx e outros pensadores o conceito de crise não apresenta sentido pejorativo… ao contrário. O problema é que a grande maioria das pessoas querem aguardar a própria morte sem ter que pensar em algo.

Responder

    Marcelo Aranha De Sousa Pinto

    30 de agosto de 2015 às 23h24

    O limite é o limite da lei

    1. Partidos são responsáveis pelo que fazem e falam em público com dinheiro público.

    2. Partidos são prestadores de serviços regidos pelo “direito privado”.

    3. O palácio transformou a dívida pública do país em superávit primário.

    4. O palácio não enrola mais ninguém senhor Janot. Ou prove ou não aprove o que é e está descrito em lei:

    – crime de “falsidade ideológica”
    – crime de “falsidade ideológica eleitoral”
    – crime de “apropriação indébita ou estelionato” contra a campanha
    – crime de “lavagem de dinheiro”
    – crime de “sonegação fiscal”

    Responder

Leticy Lemos

30 de agosto de 2015 às 20h07

Edilson Takano

Responder

João Miguel

30 de agosto de 2015 às 14h59

Um especialista em defender ditaduras comunistas , esqueceu de dizer isso nOTA: FÃS DE UM ASSASSINO
O PC do B inaugurou uma exposição em homenagem a Kim II-sung, fundador da Coreia do Norte e responsável pela morte de mais de 3 milhões de pessoas por fome desde o fim dos anos 90.
Mas por que homenagear o ideólogo do regime mais fechado do mundo e avô de seu atual presidente?
“Pela resistência às agressões externas”, explicou em palestra o comunista Elias Jabbour, que jamais pensou em se mudar para lá.
A principal atração da mostra é esse retrato oficial do ditador.

Responder

    Daniel

    30 de agosto de 2015 às 13h52

    Psiu, o lugar de retardados mentais é no blog do Reinaldo, digo, O Esgoto…

    Responder

    Luiz

    30 de agosto de 2015 às 17h13

    Elias Jabbour esta falando sobre China, Coreia do Norte é outro país amigo. Aliás ele esta avaliando o crescimento econômico chines, não esta defendendo ou atacando o sistema político.

    Responder

Frederico Freder

30 de agosto de 2015 às 14h38

A China pra responder a uma crise que querem jogar no colo dela começou a vender títulos do tesouro dos EUA e comprar ações locais.

Responder

Robinson Bahia

30 de agosto de 2015 às 13h30

Faustino Castro

Responder

Paulo Della

30 de agosto de 2015 às 13h14

??

Responder

Ricardo José Da Silva

30 de agosto de 2015 às 10h42

China potência !!!

Responder

Deixe um comentário