Live do Cafezinho (19h): que segurança pública que queremos?

Exclusivo: Indianos dançam ao ritmo de ‘bhangra’ na democracia carnavalesca paulistana

Por Redação

12 de fevereiro de 2016 : 17h42

por Florência Costa, especial para o Cafezinho

Final de uma manhã nublada, sábado de carnaval. Na esquina da Rua Nestor Pestana com a Consolação, no coração de São Paulo, moradores dos prédios vizinhos, de suas janelas, olham curiosos para baixo. Eles ouvem uma batida inusitada. Os foliões dançam de um jeito muito especial: seus ombros chacoalham, suas mãos e dedos se contorcem em estilo mudra (gestos ritualísticos do Hinduismo e do Budismo).

Não era samba, não era axé, não era lambada, não era funk, não era rock. Indianos — empresários, comerciantes, estudantes, donas de casa e crianças — dançavam, em êxtase, atrás de um carro de som que espalhava contagiantes ritmos. Era o Bloco Bollywood, um dos 355 que a cidade de São Paulo viu passar nas ruas neste Carnaval, o maior de toda a sua história, marcado pela ocupação festiva do espaço público.

A música alternava entre dois estilos: Bhangra (popular nos países com forte presença da diáspora indiana, como Inglaterra, Canadá e Estados Unidos) e Bollywood Masala, as melodias dos filmes musicias produzidos pela maior indústria cinematográfica do mundo. Como o próprio nome diz, masala denota as misturas de estilos musicais dos mais diferentes, da influência árabe à americana.

Os homens, vestidos à caráter, com suas kurtas (túnicas compridas até os joelhos), pijamas (calças de algodão bem leve) e turbantes coloridos, tinham uma energia infindável. Mas as mulheres, de saris ou salwar kameez (conjunto de túnica com calça e uma echarpe), não ficavam atrás. O tempo ía passando, o bloco andando e os indianos eram cada vez mais seguidos por brasileiros e até estrangeiros  que caminhavam por perto. Uns imitavam a coreografia dos indianos, outros tentavam capturar as imagens daquela dança incomum com seus celulares.

“Eu amo a cultura indiana porque sou angolana e em meu país a gente cresce vendo filmes de Bollywood”, comentou Evalina Cassule, que foi pega de surpresa pelo carnaval indiano enquanto passeava pelo Centro de São Paulo.

Apesar de os indianos formarem o coração do bloco, centenas de brasileiros, muitos deles vestidos ao estilo indiano, se uniram à festa. As mulheres de bindis (adesivos indianos que enfeita o meio da testa), e os homens, de tilak, uma marquinha vermelha feita no meio dos olhos, também na altura da testa, considerada auspiciosa no Hinduismo.

A música de Bollywood ou o gênero Bhangra não são tão conhecidos aqui no Brasil quanto em outros países com forte presença da diáspora indiana. Mas um sinal de que as coisas estão começando a mudar estava ali bem diante dos olhos dos foliões: uma das figuras que mais se destacou na festa indiana era uma brasileira, Iara Ananda, professora de dança clássica indiana e também do pop Bollywood.

A presença indiana ainda é pequena no Brasil: há cerca de 2 mil indianos em São Paulo, a cidade com maior número deles no país. Mas cada vez mais Índia e Brasil — e suas culturas — se aproximam, com ambos participando do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

Este foi o primeiro Carnaval de rua indiano no Brasil. Só poderia ter sido organizado na multicultural São Paulo, onde a gestão do prefeito Fernando Haddad deu todo o apoio aos blocos, com o intuito de democratizar a festa ainda mais.

“Nosso Carnaval tem de tudo! Desfila agora pelas ruas do Centro o Bollywood, o primeiro bloco de rua indiano que se tem notícia nas terras de Piratininga”, comentou em sua página do Facebook o secretário Municipal de Cultura, Nabil Bonduki, no sábado (6).

A maior metrópole da América do Sul — que já foi apelidada de “túmulo do samba” — deu a volta por cima e enterrou esta má fama. A aposta deu certo. Haddad informou que o carnaval de rua deu mais retorno aos cofres municipais do que os desfiles do sambódromo. “A estimativa da SPturis é de que o carnaval de rua deste ano movimentou cerca de RS$ 400 milhões e o carnaval do sambódromo, algo em torno de R$ 250 milhões”, constatou o prefeito.

“Eu nunca imaginei que um dia a gente iria dançar Bhangra ou música de Bollywood no Carnaval brasileiro. A comunidade indiana no Brasil encontrou seu espaço para fazer seu próprio carnaval”, comemorou a indiana Bani Kukreja, há vários anos no Brasil.

Florência Costa é jornalista freelancer, ex-correspondente na Rússia e na Índia e autora do livro “Os Indianos” (Editora Contexto)

***

Vejam as fotos

Turbantes sorridentes- Foto Apolo Sales

Foto Apolo Sales

turbante verde e amarelo- Foto Raju Roychowdhury

Foto Raju Roychowdhury

Mulheres dançando- Foto Apolo Sales

Foto Apolo Sales

Momento Bandeira- Foto Apolo Sales

Foto Apolo Sales

Maos para o alto- Foto Ademir Fheliz

Foto Ademir Fheliz

Juily em preto e branco- Foto Raju Roychowdhury

Foto Raju Roychowdhury

Indiana- Foto Ademir Fheliz

Foto Ademir Fheliz

Homens dançando- Foto Raju Roychowdhury

Foto Raju Roychowdhury

Gyaneshree cantando- Foto Ademir Fheliz

Foto Ademir Fheliz

Guchi e Bani- Foto Ademir Fheliz

Foto Ademir Fheliz

Foliao idno-brasileiro- Foto Raju Roychowdhury

Foto Raju Roychowdhury

Felicidade máxima-Foto Apolo Sales

Foto Apolo Sales

êxtase- Foto Apolo Sales

Foto Apolo Sales

Dançarinas de Bollywood- Foto Ademir Fheliz

Foto Ademir Fheliz

Estrangeiro de Shiva- Foto Raju Roychowdhury

Foto Raju Roychowdhury

Dança com echarpe- Foto Apolo Sales

Foto Apolo Sales

Crianças indianas em P& B- Foto Raju Roychowdhury

Foto Raju Roychowdhury

Close de Iara Ananda ( prof Bollywood dance) - Foto Ademir Fheliz

Foto Ademir Fheliz

Brasileiras de indianas- Foto Ademir Fheliz

Foto Ademir Fheliz

A pose dos tres turbantes- Foto Ademir Fheliz

Foto Ademir Fheliz

 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Dodd Henning

14 de fevereiro de 2016 às 14h53

Carnaval Paulistano, por favor. Nada contra o Povo Paulista. Apenas pra que se identifique com clareza a figura de FERNANDO HADDAD, a quem cabe a “culpa” por tudo de maravilhosamente transformador que vem acontecendo na Cidade de São Paulo. A Cidade de São Paulo… o Cúmulo do Samba! Esse HADDAD… eita, Prefeito FelizCiddad… #17VouComLula

Responder

Graça Melo

14 de fevereiro de 2016 às 10h50

Ver pessoas felizes é tão bom, mesmo que não seja ao vivo.

Responder

Sandra Bitran

13 de fevereiro de 2016 às 09h21

Qual o nome do bloco, nem vi divulgação do dia. Eu curto esta cultura.

Responder

Edson Santos

13 de fevereiro de 2016 às 04h39

Foi em um apartamento ou em um sítio?

Responder

    Anônimo

    13 de fevereiro de 2016 às 10h58

    Foi no triplex dos Marinho em Paraty…

    Responder

Roger Gilmour

13 de fevereiro de 2016 às 00h27

Os xenofobicos paulistanos piram!!!

Responder

Deixe uma resposta