Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Reino Unido decide sair da União Europeia e primeiro-ministro afirma que irá renunciar ao cargo em outubro

Por Redação

24 de junho de 2016 : 06h17

por Redação

Os britânicos decidiram, em referendo nacional, deixar a União Europeia, informa a BBC. A votação foi acirrada, 52% x 48%, e a campanha do ‘Leave’ obteve 1,269,501 de votos a mais que seus opositores.

Com o resultado a libra caiu para seu nível mais baixo em relação ao dólar desde 1985.

O resultado do referendo ‘Brexit’ causou a reação de nacionalistas dentro e fora de casa. O líder do Partido pela Independência do Reino Unido (UKIP), Nigel Farage, comemorou a vitória e chamou o resultado de “dia da independência” do Reino Unido.

A líder da Frente Nacional francesa, Marine Le Pen, saudou o sucesso britânico e disse que irá convocar um referendo semelhante para França.

“Vitória da liberdade! Como eu solicitei por muitos anos — devemos realizar um referendo igual na França e nos países da UE” — Marine Le Pen

O político de direita holandês, Geert Wilders, também celebrou o resultado e soltou nota afirmando que a Holanda deveria decidir se permanece ou não na União Europeia.

O referendo não é vinculante, mas o primeiro-ministro David Cameron já sinalizou de que irá respeitar a vontade da maioria. Cameron declarou ainda que pretende renunciar ao cargo de primeiro-ministro em outubro, devido ao resultado do referendo.

David Cameron fez campanha para que o Reino Unido continuasse na UE, alertando os britânicos para as consequências catastróficas que a saída teria para a segurança e a economia do país. No entanto, o povo tomou outra decisão.

Abaixo notícia da BBC News, em inglês.

***

EU referendum: England leads UK to exit

na BBC News

Voters in England have led the UK’s way out of the European Union with more than 70% opting to leave in nine areas of the country.

While Scotland and Northern Ireland backed staying, every English region except London voted to leave.

The England vote was 53.4% for Leave and 46.6% for Remain.

Boroughs on or near England’s east coast delivered the biggest wins for Leave, with Boston in Lincolnshire recording the highest Leave percentage.

Big cities were split with Birmingham, Nottingham and Sheffield all seeing winning margins for Leave of just a few thousand.

Boston saw 75.6% of voters back withdrawing from the EU while neighbouring South Holland backed Leave by 73.6%.

bbc1

Boston and Skegness Conservative MP Matt Warman, who wanted to remain in the EU, said: “Britain has decided to gamble on Brexit – while I personally took the view that it wasn’t a risk I wanted to take, I’ve also said it was one person one vote, and a gamble that could pay off.

“The government now has a duty to make sure exit negotiations with Europe are as painless as possible.”

Prime minister David Cameron announced he will stand down by October. Voters in Oxfordshire, where he represents the constituency of Witney, had backed his pro-Remain stance.

Leave polled 15,188,406 votes while Remain had 13,266,996 in England. It meant the majority for Leave was 1,921,410 in England, compared with a UK-wide majority of 1,269,501.

bbc2

Turnout across England was 73% with 28.4 million ballots cast.

‘Roar of defiance’

The strong support for leaving along the east coast compares with just 21.4% in the London borough of Lambeth and 21.5% in Hackney.

Diane Abbott, Labour MP for Hackney, who campaigned for Remain, said the vote was a “a roar of defiance against the Westminster elite”.

“We have to listen very carefully to what they were trying to say to us,” she added.

The capital backed Remain most strongly in England.

bbc3

The referendum exposed deeply divided opinion with several cities coming within a few thousand ballot papers of recording a different result.

In Leeds 50.3% voted for Remain, winning with a majority of just 2,389 votes.

Birmingham, where Labour’s most prominent Leave campaigner Gisela Stuart is an MP, opted to withdraw by a majority of 0.8%, with 227,251 votes compared with 223,451 for Remain.

Ms Stuart said there was a responsibility to act “in the best long-term interests of this country”.

Speaking at the Electoral Commission’s main counting centre in Manchester, the Vote Leave chairman said the Brexit vote was “our opportunity to take back control of a whole area of democratic decisions”.

All political leaders should now “reflect on whether they have accurately gauged the people’s desire to govern themselves”, she said.

The German-born MP said a calm cross-party effort was now needed to implement the voters’ decision “in the best long-term interests of this country”. And she broke into her native tongue to assure other EU nations that Britain would remain an “open, welcoming” country which would continue to co-operate with its former partners.”

In Cheshire West and Chester, part of which is covered by Chancellor George Osborne’s Tatton constituency, the result was 50.7% for Leave. The result was slightly more pronounced in Cheshire East, with 51.2% for Leave.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

renato andretti

24 de junho de 2016 às 18h22

Quando a rainha mexe a bunda no trono.
Nós aqui pagamos o PATO..

Responder

Rita Lama

24 de junho de 2016 às 12h29

A União Europeia (UE) poderia ‘dar certo’; mas, os EEUU, com suas ambições geopolíticas, estão tentando destruí-la:
– ao criar o pesadelo do Oriente Médio a fim de dominar os hidrocarbonetos no mercado
– ao criar a crise de refugiados como consequência das guerras no Oriente Médio
– ao mergulhar a União Europeia em dificuldades econômicas ao forçá-la a adotar sanções contra a Rússia (em um conflito que haviam criado com a Rússia na Ucrânia)
– ao causar ainda mais dificuldades econômicas à UE ao forçar a adoção de projetos de gasodutos caros, controlados pelos EEUU, e cancelar projetos alternativos mais baratos com a Rússia
– ao forçar a UE investir na OTAN e a participar de treinamentos de guerra, encenando provocações nas proximidades da Rússia (criando, assim, problemas de segurança para a
UE).

Os EEUU estão fazendo de tudo para evitar que haja cooperação econômica entre a UE e a Rússia. Isso faz parte integral do plano geopolítico dos EEUU.

Mas, o plano não está dando certo. A Rússia está sobrevivendo e até ganhando terreno, enquanto o povo europeu está cada dia mais nervoso…

Pode-se prever que outros ‘exits’ estão por vir. A Europa está agitada. O povo está cansado de austeridade, de governos fracos e condescendentes com Washington…

Em breve saberemos se a ‘Brexit’ foi planejada com antecedência, fazendo uso da insatisfação do povo inglês com os problemas econômicos, ou se foi realmente uma resposta inesperada, um erro de cálculo do governo conservador.

Alguns analistas começam a afirmar que a saída do Reino Unido da UE deverá aumentar sua atividade na OTAN, ao lado dos EEUU, o que deverá resultar em maiores instabilidades futuras, principalmente se Hillary Clinton vencer as eleições presidências nos EEUU, visto que ela é apoiada pela ala da guerra, dos neoconservadores que instigaram os conflitos no Oriente Médio, na Ucrânia…

Outros analistas acreditam que a UE, sem a pressão conservadora, pró-Washington do Reino Unido, se aproximará da Rússia em procura de soluções para seus problemas econômicos, e que isso resultará no enfraquecimento do mundo unipolar dominado pelos EEUU e no fortalecimento do mundo multipolar…

Mas, há ainda outra possibilidade: talvez a UE não seja mais tão importante para os EEUU em termos geopolíticos e, por isso, a saída do Reino Unido nada signifique para eles… Afinal, parece realmente que os EEUU estão mudando sua estratégia para o Mar do Sul da China e para a América Latina…

Responder

Luís Ribeiro

24 de junho de 2016 às 07h11

Andar para trás quando o desafio era avançar mais rapidamente é algo terrivelmente triste, sobretudo para quem não é mais nenhum jovenzinho. Comentário válido para o Brasil e o mundo.

Responder

Deixe um comentário