Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Rio de Janeiro - Manifestantes fazem ato a favor do impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff, contra a corrupção e em apoio à operação Lava Jato, na praia de Copacabana (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Classe média se prepare; em breve você também pagará o preço do golpe

Por Redação

12 de agosto de 2016 : 15h56

Manifestação pede o afastamento definitivo de Dilma Rousseff no Rio de Janeiro (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Classe média antipetista irá pagar em breve o preço de apoiar Temer

por Robson Sávio Reis Souza (via MaisRO)

O colunista Jânio de Freitas, em artigo publicado na Folha, escreveu “que o afastamento da presidente se faz em um estado de hipocrisia como jamais houve por aqui. (…) Uma hipocrisia política de dimensões gigantescas, que mantém o Brasil em regressão descomunal, com perdas só recompostas, se o forem, em muito tempo –as econômicas, porque as humanas, jamais.”

Os holofotes do jogo jogado do impeachment – desde o momento no qual um bandido, no comando da Câmara, com a conivência do Supremo, instalou o processo – estão todos voltados para o Congresso e, neste momento, no Senado, como se lá fosse o único palco dessa encenação ridícula. Mas, é preciso reconhecer que, não obstante o fato de termos um Parlamento majoritariamente ocupado por ratazanas, a falta de lideranças com credibilidade, respeito e reconhecimento nos campos político, econômico, social, religioso, artístico e intelectual impossibilitou uma saída democrática para a crise instalada desde 2013.

Sob o ponto de vista sociológico e político, as elites são os principais atores que orientam os rumos dos governos e da sociedade, porque têm grande poder de vocalização de seus interesses e, portanto, extensa capacidade de mobilizar, publicizar e definir a agenda pública.

O papel sociedade civil é central no tensionamento de processos políticos com vistas à ampliação da cidadania e dos direitos. Mas, as elites, queiramos ou não, são fundamentais para induzir o desenvolvimento social, político, econômico e cultural de qualquer sociedade.

O Brasil, apesar de historicamente dirigido por elites muito conservadoras – cujos grupos majoritários dessas elites têm fortes tendências antidemocráticas -, já teve expoentes que, em situações de crise intensa, conseguiram articular grandes concertações em torno de ideias e ideais capazes de produzirem significativos avanços sociais, econômicos, culturais, políticos…

Já tivemos na elite política referências como Ulisses Guimarães, Franco Montouro e Tancredo Neves. Hoje, os líderes bajulados pelas elites são Temer, Cunha, Aécio, Renan, Serra, Bolsonaro, Caiado…

Na cultura, orgulhávamos de personalidades como Guimarães Rosa, Antonio Cândido e Chiquinha Gonzaga. Hoje, as elites batem palma para Reinaldo Azevedo e Alexandre Frota.

Tínhamos elites intelectuais do porte de Paulo Freire, Sérgio Buarque, Euclides da Cunha e Darcy Ribeiro. Hoje, as elites intelectuais cultuadas são Olavo de Carvalho e Lobão.

Já convivemos com economistas do porte de Roberto Campos e Celso Furtado. Hoje, segmentos mais visíveis das elites seguem as dicas econômicas de Rodrigo Constantino e Miriam Leitão. E já tivemos empresários que defendiam uma indústria nacional forte e geradora de riqueza e renda para o Brasil e os brasileiros. Agora, os homens de negócio dessa terra resolveram criar a filosofia empresarial do pato amarelo.

O espaço da liderança religiosa que era ocupado por figuras da estatura de Paulo Evaristo Arns, Helder Câmara e Luciano Mendes de Almeida é protagonizado, agora, por vultos como Malafaia, Cunha, Malta, Macedo e Feliciano.

Lula é a última grande liderança política e social que teve a capacidade de movimentar uma ampla coalizão, num momento de bons ventos da economia – apesar de não ter enfrentado as grandes mazelas nacionais com reformas estruturais, quando presidente. Sonhou, como um operário que sempre fica devendo favores ao patrão, tido um bom cristão, que era possível conciliar o mundo do trabalho, historicamente oprimido, com o mundo das elites, historicamente privilegiado. Para tanto, arriscou a jogar o mesmo jogo das elites políticas tradicionais, historicamente comprometidas com a corrupção, o patrimonialismo, o clientelismo e a apropriação privada do espaço público. Acreditou, inclusive, que jogando o mesmo jogo dos políticos tradicionais seria poupado, com a crença que a justiça e as elites agiriam com isonomia, caso suas estratégias fossem delatadas. Todos sabemos o enredo dessa história…

Não obstante, Lula conseguiu avanços sociais e econômicos reconhecidos internacionalmente. Gostemos ou não, por uma década, sob sua liderança, os brasileiros sonharam com a possibilidade de uma sociedade na qual os interesses de classe poderiam se conciliar. E esse sonho começou a se transformar em pesadelo naquele junho de 2013, quando as ruas foram invadidas por hordas de interesseiros.

Provavelmente, por ter conseguido transformar a realidade social do país, apesar de algumas ações erráticas, Lula é caçado tresloucadamente por uma juristocracia, uma elite jurídica que, aliada aos outros segmentos conservadores das elites sociais, econômicas, políticas, religiosas e culturais sempre determinaram os lugares sociais a partir de seus interesses de classe.

E foi através de uma coalizão de amplos setores dessas elites conservadoras, com a participação descomunal da mídia, que uma engenharia golpista bem-sucedida foi sendo arquitetada, desaguando num processo fajuto de impeachment, cujo resultado qualquer mortal sobre a terra já tem conhecimento.

Os ricos e poderosos e os segmentos rancorosos e privilegiados da classe média – portanto, parte significativa das elites sociais, econômicas, políticas, culturais e religiosas -, são coniventes com o golpe. Creem que o governo que tomou de assalto a República manterá intactos seus privilégios. Não percebem que o golpe à democracia nos coloca na situação de uma sociedade atrasada e que esse retrocesso repercutirá negativamente na vida de todos os segmentos sociais.

Um golpe na democracia não é um jogo de soma zero, no qual uns ganham e outros perdem. Trata-se de uma involução social, política, econômica, cultural e ética que todos, com intensidades diferentes, amargaremos nos próximos anos. Inclusive a classe média que sentirá, mais cedo ou mais tarde, os reflexos de um governo pouco comprometido com a Nação. Várias medidas anunciadas pelo governo interino sinalizam perdas de direitos que incidirão sobre todos os brasileiros, inclusive a classe média. É questão de tempo…

Portanto, o malsinado caminho do golpe punirá terrivelmente os trabalhadores e os pobres, mas certamente penalizará também os hipócritas que naturalizam e desejam invisibilizar essa violência estúpida à Constituição, ao estado de direito e à democracia, chamada impeachment.

Falando Verdades.

Robson Sávio Reis Souza é Doutor em Ciências Sociais e professor da PUC Minas

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

33 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

CARVALHO

15 de agosto de 2016 às 22h22

Ta foda, com essa guangue que está governando, o país, que já não, pertence aos brasileiros, melhoras para os mais pobres, nem quando a gali nha criar dentes. Infelizmente.

Responder

Ben Alvez

15 de agosto de 2016 às 12h15

Cestinha, cestão.

Michel Temer, anuncia novo programa de governo denominado “Cestinha, Cestão”.

É assim.

O desinterino pergunta:
– Cês’tinha emprego?

A galera responde:
– Tinha!

– Cês’tinha bolsa família?
A galera responde:
– Tinha!

– Cês’tinha direitos trabalhistas?
A galera responde:
– Tinha!

E o desinterino completa:
– Agora cestão fudidos!

Responder

Lybra

14 de agosto de 2016 às 01h54

A desgraça chega a jato

um longo pronunciamento do CRM nos informa que um importante setor da sociedade que foi implacável contra Dilma , os médicos, em apenas noventa dias do interino na presidência já colhem o que plantaram. Eu tive um diálogo com uma médica gaúcha numa postagem de um blog e pude constatar o quanto estudantes de federais de classe média no curso de medicina não recebem uma formação humanística que certamente lhes daria oportunidade de desenvolver a capacidade de pensar e se tornarem mais do que técnicos em interpretar exames, tomografias que só pensam em ganhar muito dinheiro.
O novo governo só vai dar dinheiro pra quem o garante e para o topo da pirâmide. Vocês vão ser terceirizados pelas multinacionais que receberão os bons hospitais e poderão trabalhar para o governo sem décimo e férias a negociar.

Responder

lidiomar cerqueira

13 de agosto de 2016 às 19h41

Pra mim não é fácil, mas eu já estou quase torcendo para o Temer ficar só pra eu ver esse povinho sofrer, Eles vão vão pagar o preço por cuspir no prato que comeram;

Responder

    Alexandre Oliveira

    13 de agosto de 2016 às 20h59

    Que coincidência, eu também torci pra Dilma ganhar as eleições só pra ver o povinho sofrer com as cagadas que ela tinha feito no primeiro mandato . Não deu outra, acertei na mosca; as cagadas apareceram e ela não pôde culpar o governo anterior !

    Responder

    José Jésus Gomes de Araújo

    26 de agosto de 2017 às 20h27

    Estou de acordo, com ressalva: “vão pagar o preço por cuspir no prato EM que comeram” (comer prato é castigo muito violento, perfura o intestino, além de as convenções assinadas pelo país proibirem castigos degradantes ou cruéis).

    Responder

marco

13 de agosto de 2016 às 19h28

Ocorre que,o que o senhor chama de CLASSE MÉDIA,somente é media,na mediocridade.São isso sim,PEQUENOS BURGUESES,cuja tarefa histórica e fazer BURGUES FELIZ.Mesmo tendo com isso,prejuízos.Vão sofrer e mesmo assim,continuarão defendo as teses da BURGUESIA.A única cura pra essa gente,é trabalho forçado,ou PAREDÃO.

Responder

Ciro Moroni Barroso

13 de agosto de 2016 às 15h13

Aos kochinhas aqui presentes, tenho uma boa notícia: Por que vocês não aprendem inglês texano, e vão morar lá na Austrália?? Lá eles têm jeito de playboy desalmado, fumam marlboro, marcam o gado com ferro em brasa, comem carne gordurosa com rivotril e cerveja… o que atrapalha os kochinhas é a gordura que fica no corpo!
O problema é que quando a gordura sobe ao cérebro, eles se tornam um PROBLEMA SOCIAL…

Responder

    Macau

    23 de agosto de 2016 às 16h52

    Aproveitem e vão abraçar uma taipan!

    Responder

      Ciro Moroni Barroso

      25 de agosto de 2016 às 10h32

      ?please unsubscribe?

      Responder

Ciro Moroni Barroso

13 de agosto de 2016 às 15h04

http://governo-washington.blogspot.com.br/
A perspectiva de dois anos de Fascismo Organizado e Quebra da Economia
Nacional é inenarrável, porque imprevista… Quem primeiro vai sentir a
quebra de Sua Bolsa, será a classe-média-raivosa-reacionária… Todas as
vezes que as classes-médias apoiaram o Fascismo, elas pagaram o preço
moral e econômico, e se arrependeram.
gostaria de concordar inteiramente……

Responder

João Paulo Vieira

12 de agosto de 2016 às 20h04

Minha teoria: o ódio contra Lula vem lá de fora, principalmente, por ter acabado com a farra das petroleiras nas águas brasileiras, por ter enterrado a ALCA e por ter dito não aos EUA no plano indecente de por uma base em Alcântara, no Maranhão. Não bastasse isso, por fomentar junto ao BRICS o surgimento de emergentes com poderes regionais e com a ameaça de uma moeda nas transações que não fosse o dólar. Quer mais? A liderança do Brasil na América Latina no sentido da soberania dos países sem palpites de Washington. Vei lá de fora esse veneno, captado aqui por uma corja midiática e colocada nos três poderes. São entreguistas. Não lutam pelo povo brasileiro. Lutam para terem o prazer de serem privilegiados numa sociedade brutalmente desigual. É nojento.

Responder

    Marcvs Antonivs

    13 de agosto de 2016 às 09h08

    Eu acho que você está caçando fadinhas e gnomos, como sempre faz a Esquerda mais dogmática brasileira, coitada. Fraca – pra não dizer covarde – ela sempre procura fantasmas do lado de fora, contra os quais não pode lutar (se bem o os vietcongues nos provaram o contrário). A verdade é que os golpistas estão aqui dentro. Os motivos para o golpe também estão aqui dentro e não houve, por mais que se cacem fadinhas, participação de fantasma estrangeiro algum. Até porque não é preciso, vamos e convenhamos. A direita brasileira é especialista em golpes e a Esquerda é especialista em abrir as pernas. Como eu disse em outro fórum, temos até que dar os parabéns à Direita agora!! Ela deu um golpe pacífico, sem sangue e PRATICAMENTE SEM OPOSIÇÃO!!!! Em 37 houve perseguidos. Em 64 também! Dessa vez não. A Direita aperfeiçoou o golpe! Fez a maior parte da população acreditar no seu discurso INCLUSIVE BOA PARTE DA ESQUERDA, VEJAM SÓ!!!! A reação??? Primeiro disseram que não ia haver golpe, ia haver luta. Luta?…Que luta??? Depois começaram apelando pro papa, pra ONU, pra Virgem Maria (tem até um grupo de oração pra Dilma no Facebook!!!). E ainda tem aqueles que culpam os velhos inimigos externos do comunismo pelos golpes por essa bandas. Amigo, não subestime o fascismo brasileiro. Ele não precisa de ajuda pra dar golpes, até porque nunca encontrou resistência interna para fazer o que quer!

    Responder

      Osmar Gonçalves Pereira

      13 de agosto de 2016 às 18h09

      Não discordo totalmente do João, há interesse no velho óleo de sempre e uma verdadeira luta por hegemonia mundial se desenrolando entre os EUA e , principalmente Russia/China – BRICS , derrubar o B é parte do negócio. Agora, você está coberto de razão, a direita nacional é especialista em golpes e a nossa esquerda não consegue se articular sob uma bandeira minima de interesses comuns. Luta? O povo abestalhado assiste a tudo sem saber, e sem querer saber, o que se passa; todavia meu caro, ainda não desisti.
      Um abraço e tudo de bom.

      Responder

        José Jésus Gomes de Araújo

        26 de agosto de 2017 às 20h43

        Há muita gente como você. Não desistiremos. Temos um país construído ao longo de cinco séculos sob os interesses dominantes dos donos das terras, dos donos do dinheiro e dos exportadores de nossos recursos naturais desde o pau-brasil. Desse país queremos fazer uma nação.

        Responder

      José Jésus Gomes de Araújo

      26 de agosto de 2017 às 20h34

      O ingênuo ignora a globalização, a interferência – provada – das grandes economias nos países periféricos, para garantirem os recursos estratégicos de que necessitam e os mercados para desovarem suas produções. Quem usa tapa-olho é cavalo na carroça.

      Responder

ari

12 de agosto de 2016 às 19h04

A classe média tradicional confunde educação escolar com consciência política e sempre, em momentos graves de nossa história, serviu de massa de manobra ou bucha de canhão para as classes dominantes. Getúlio em 54, 1964 e agora, apenas para citarmos 3 situações
Parcela substancial de nosso povo, inclusive aquela que diariamente xinga os democratas, ainda não acordou para a tragédia que está para começar no Brasil. Começará logo
a temporada de caça aos povos indígenas e aos quilombolas. Em breve teremos
autos de fé comandados por Malafaia, Feliciano e Paulo Ricardo, o malafaia da
igreja católica, com homossexuais sendo queimados em praça pública. Os adeptos de uma suposta
meritocracia cassando os direitos conquistados pelos negros. Os pobres, os
excluídos e abandonados ainda mais abandonados, excluídos e pobres

Responder

    Osmar Gonçalves Pereira

    13 de agosto de 2016 às 18h12

    É a única classe média do mundo que se acha revolucionária,

    Responder

Sérgio Silveira

12 de agosto de 2016 às 19h01

Foi assim nos tempos tenebrosos de fhc… Votaram no cretino, tomaram na retaguarda e aí correram para se socorrer no PT.
Gostaram tanto que o elegeu QUATRO VEZES e contra justamente discípulos do cretino e hipócrita fhc
Mas esquecemos que a “classe média” assiste e sonha em ser BBB, artista de novela, ser “celebridade” e portanto telezumbis da G.roubo…
Após décadas de lavagem cerebral, elevada à enésima potência durante os governos Lula/Dilma, deu no que deu, um bando de cretinos, batendo palmas para notórios corruptos e panelas para quem os salvou da indigência…
Passando as Olimpíadas de Lula e Dilma, nada mais me alegrará em ser “brasileiro”. Quero que afunde tal qual um Titanic.
Parece que o brasileiro só enxerga a realidade quando está na merda. Então que vá E não venham reclamar depois

Responder

    Claudio Orem

    16 de agosto de 2016 às 05h12

    Salvou da indugência seu lesado??? Vc e sua corja enganaram o mundo inteiro. Ratos, vermes e ladrões. Nao tem um mortadela que preste

    Responder

Alexandre Oliveira

12 de agosto de 2016 às 17h34

Que classe média ? Aquela que nas contas do governo petista, inidvidualmente recebe entre R$291 e R$1.019? Essa classe “mérdia” algum dia deixou de pagar a conta ?

Responder

Maria Eunice

12 de agosto de 2016 às 16h24

Muito triste.

O Congresso de 400 picaretas fazem as leis.

O judiciário atrasado julga com base nessas leis.

O povo da aberração cognitiva e sem leitura , formados pela Globonews , Uol, G1 e etc com ajuda de bestas esquerdizadas e esbulhos fascistas derrubam a presidente de todos.

A irmandade assume o vácuo.

Os agiotas raspam o tacho.

Ladrões inimigos figadais se abraçam e cobrem o pescoço. Enquanto abanam o rabo pela propina.

O intelectual dos trouxas pede arrego a Dr. Emilio para bandidos favoritos.

E Lá Nave Vá.

Responder

    Alexandre Oliveira

    12 de agosto de 2016 às 17h17

    Mude-se para a Venezuela ou Cuba. Num dos dois países , ou nos dois, você encontrará o país dos sonhos de todo petista !

    Responder

      José Lupi Lupi

      12 de agosto de 2016 às 20h36

      Você pensou, pensou, fedeu, fedeu e resolveu digitar essa besteira. Essa quadrilha do golpe deve dar gargalhada com essa turma que vos segue. Como conseguimos enganar esses trouxas em pleno século XXI.

      Responder

        Alexandre Oliveira

        12 de agosto de 2016 às 22h09

        Você nem precisa pensar para feder. Lula , Dilma e o pt disseram a mesma coisa (Como conseguimos enganar esses trouxas em pleno século XXI.) para os 54 milhões de eleitores da nossa “Presidenta Inocenta”. Pena que eles não conseguiram enganar o TCU, os deputados , os senadores e hoje , nem mais á população. Não se pode enganar todos durante todo o tempo !

        Responder

          nomode creative

          13 de agosto de 2016 às 08h46

          Querendo chamar a atenção. Antes eu tinha pena dos coitados como vc, hoje eu tenho nojo.

          Alexandre Oliveira

          13 de agosto de 2016 às 21h02

          Eu entendo sua revolta, mas não fui eu quem botei chifres no seu pai; foi sua mãe. O dever de fidelidade era dela, não meu !

          José Lupi Lupi

          13 de agosto de 2016 às 16h30

          Continua fedendo !

          Alexandre Oliveira

          13 de agosto de 2016 às 21h01

          Verdade, o cheiro aí do seu lado está insuportável !

          José Lupi Lupi

          13 de agosto de 2016 às 22h36

          Então para de soltar, só assim o cheiro não chega aqui. Vou encerrar por aqui, fui aconselhado a não discutir com um ….

          Alexandre Oliveira

          14 de agosto de 2016 às 16h49

          Tchau querida !

      Simone de Beauvoir

      13 de agosto de 2016 às 00h11

      Que argumento rasteiro, imbecil, repetitivo e sem fundamento! O modelo de governo brasileiro jamais se assemelhou – nem poderia – ao de Cuba ou da Venezuela, nem para o bem, nem para o mal, sendo defendido inclusive pelo Henrique Capriles.

      Responder

        Alexandre Oliveira

        14 de agosto de 2016 às 16h50

        Argumento rasteiro é votar em Temer e depois ficar de mimimi !

        Responder

Deixe um comentário