Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Para retirar direitos dos trabalhadores, Estadão vê até ‘vitalidade’ no governo Temer

Por Luis Edmundo

08 de junho de 2017 : 10h45

O jornal Estado de São Paulo está com Temer e não abre. Fala da “vitalidade do governo” no título de seu editorial de hoje, que celebra a vitória que o próprio jornal reconhece ter sido apertada, por três votos apenas numa comissão do Senado.

A tal vitória fez andar a reforma trabalhista no Congresso, que o Estadão considera “um ganho para a sociedade”. O editorial, aliás, é uma ode à reforma trabalhista. “Direitos e conquistas consagrados estão mantidos”, afirma o jornal.

“O 13.º salário, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o salário mínimo”, tudo isso será mantido, continua o Estadão, sem deixar de resvalar, no entanto, na inevitável omissão. O editorial não fala da “demissão em comum acordo” criada pela reforma, que reduz à metade a multa hoje de 40% do FGTS por demissão sem justa causa, limita o saque do Fundo em 80% e ainda acaba com o seguro-desemprego.

Esquecimento, talvez, mais um sinal de esclerose de um jornal que vê “vitalidade” num governo ilegítimo, investigado, acuado.

Abaixo, para registro histórico, a íntegra do editorial de hoje do Estadão

A Vitalidade do governo

A aprovação do texto da reforma trabalhista pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) representa um bom sinal de vitalidade do governo do presidente Michel Temer em meio à maior crise de seu mandato. O placar da votação foi apertado – 14 votos favoráveis e 11 contrários –, mas suficiente para permitir o avanço da tramitação do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 38/2017, que altera substancialmente mais de 100 disposições da anacrônica Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), e indicar que, não obstante todo o imbróglio político-jurídico em que se encontra, o governo mantém a capacidade de articulação de sua base aliada em prol da aprovação de reformas imprescindíveis para o País.

Mais do que um respiro político para o governo, a aprovação do relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) representa um ganho para a sociedade. Um importante passo foi dado para dotar o País de uma legislação trabalhista arejada, que se coaduna com a realidade das práticas de mercado que passará a regulamentar. Isso não significa retroagir e eliminar importantes conquistas do passado. Aliás, a falácia do discurso alarmista tem sido exatamente a arma daqueles que se opõem às reformas, sobretudo a trabalhista e a previdenciária, seja por simples oposição ao governo que as encampa, seja pela defesa de seus interesses particulares. Direitos e conquistas consagrados estão mantidos.

De acordo com o texto aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, sem mudanças em relação ao parecer aprovado pela Câmara dos Deputados no final de abril, estão mantidos todos os direitos consagrados não apenas pela CLT, mas pela Constituição, como o 13.º salário, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o salário mínimo. Também permanece como está a regra que dispõe sobre as horas extras, que passará a valer também para os contratos de tempo parcial. Entre as mudanças mais significativas da reforma estão o fortalecimento dos acordos coletivos, que passarão a ter força de lei, o fim da contribuição sindical obrigatória – sustentáculo do modelo de sindicalismo varguista, também conhecido como peleguismo –, a flexibilização dos contratos de trabalho – medida que permitirá atacar uma das mais urgentes mazelas nacionais, o desemprego que hoje atinge 14 milhões de brasileiros – e a possibilidade de divisão das férias de 30 dias anuais em até três períodos.

Em um momento de grave crise política, o avanço da reforma trabalhista no Senado é um dado bastante auspicioso para o País, que não pode ficar à mercê da turbulência (ou será da calmaria?) e ver adiada a implementação de medidas essenciais para a retomada do crescimento econômico e da geração de empregos. Não fossem as disputas eminentemente político-eleitorais, as reformas trabalhista e previdenciária já teriam sido feitas. Um recuo ao passado recente vai revelar que estas mesmas reformas já eram defendidas por aqueles que agora as combatem com uma veemência que beira o cinismo, levando a crer que as convicções sobre matérias de interesse nacional são formadas a depender do lado do balcão em que se encontram os grupos políticos. Uma vez no governo, tendo de lidar com “entraves” como gestão orçamentária e responsabilidade fiscal, defendem as reformas. Na oposição, prevalece o discurso populista que implica, necessariamente, aumento inconsequente dos gastos públicos.

O relatório do senador Ricardo Ferraço seguirá agora para apreciação da Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS), que deverá votá-lo até o final da próxima semana. Sendo aprovado, o texto passará para a Comissão de Constituição, Justiça e de Cidadania (CCJ) antes da votação no plenário da Casa, prevista para ocorrer no final deste mês. Que o conjunto dos senadores da República entenda que a aprovação da reforma deve ser tomada como uma imprescindível política de Estado, e não de governo. Dela dependerá, em boa medida, a retomada da confiança necessária para que o setor produtivo receba os investimentos indispensáveis ao crescimento e à geração de empregos.”

Luis Edmundo

Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

oscar

10 de junho de 2017 às 23h23

claro, como é fácil contribuir quarenta anos ininterruptos para ter aposentadoria digna vamos aplaudir a medida. Calhordice!

Responder

Meiry Bitarelli

08 de junho de 2017 às 21h44

ESTÃO PASSANDO A RÉGUA . VÃO COLOCAR OUTRO FANTOCHE , FAZEM O QUE QUEREM ;

Responder

Luciana De Oliveira Bráulio

08 de junho de 2017 às 21h43

INACREDITÁVEL!

Responder

Dom Gentil Brito

08 de junho de 2017 às 20h57

O velho jornal do patrimonialismo patriarcal da oligarquia Paulista! ! A mais de um século defendendo os interesses dessa elite vagabunda!

Responder

Nilton Nascimento da Silva

08 de junho de 2017 às 19h48

Dependem do $ do governo e serão os últimos ratos a abandonar o navio. E espero que afundem juntos.

Responder

tati

08 de junho de 2017 às 15h25

Não suporto mais ligar a televisão e ver que essas pessoas ainda estão comandando o Brasil. Até quando vamos perder direitos? O pior é que o povo está calado aceitando tudo isto… É devastador… Eu não votei para ter o Temer como presidente, não consigo aceitar…

Responder

Ana Lucia M Pinho

08 de junho de 2017 às 16h19

Que horror !

Responder

Mari P S Miranda

08 de junho de 2017 às 16h07

Lixo total!

Responder

O Profeta

08 de junho de 2017 às 13h05

Tudo será anulado em um novo governo trabalhista… essas “reformas” não permanecerão por muito tempo caso elas vigorem.
Permaneçam confiantes amigos, qualquer merda aprovada logo será retirada.

Responder

Ana Franco

08 de junho de 2017 às 15h13

golpistada de merda. “isentões” oportunistas nadam na mesma latrina.

Responder

Sara Carvalho

08 de junho de 2017 às 14h38

Lisa Carvalho

Responder

Valéria Paz

08 de junho de 2017 às 14h30

Responder

Beba Monteiro

08 de junho de 2017 às 14h05

Com o governo caindo de podre e um presidente morto vivo se segurando na cadeira para não ser preso, começou a debandada geral com várias defecções na base de apoio, como o PSB e o PPS, até setores da mídia (Globo e Veja) estão pulando fora do barco do governo Temer, e procurando no almoxarifado do golpe um substituto golpista para continuar com a agenda entreguista privatista e de destruição dos direitos sociais. Mas, o satanista e vampiresco Temer continua impávido que nem Muhammed Ali, porque ainda tem o Estadão, a Folha, o MBL e o PSDB para lhe dar sobrevida. Logo, surge a pergunta que não cala: quem vai ficar para apagar a luz??

Responder

André Santos

08 de junho de 2017 às 14h01

Esse pasquim um dia cairá tal qual aqueles que formam a mesma quadrilha que assalta o Brasil há décadas

Responder

Lenira Barbosa Zandomenico

08 de junho de 2017 às 13h58

Kkkkk e ele fala com uma vitalidade sarcástica…

Responder

Clayton Sales

08 de junho de 2017 às 13h48

Com bufunfa entrando no bolso, Estadão é capaz de ver até popularidade de 100 por cento pro postiço.

Responder

Guto Rozestolato

08 de junho de 2017 às 13h46

gostaria de saber quais direitos foram tirados?

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina