Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Temer, Maia e Doria pagam mico em Davos

Por Miguel do Rosário

22 de janeiro de 2018 : 09h41

(O presidente do PSDB, Tasso Jereissati (CE), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o presidente Michel Temer (PMDB-SP) se reúnem no Palácio da Alvorada com ministros e líderes do Congresso. Crédito:Marcos Corrêa / Presidência da República)

Para o circo golpista ficar completo na Suíça, faltou o mercenário da Globo. No ano passado, a Globo mandou Rodrigo Janot, então cumprindo o papel de pitbull do golpe, à Davos, onde ele fez aquela linda e emocionante declaração: “A Lava Jato é pró-mercado”.

***

Presença de Maia, Temer e Doria em Davos revela ansiedade eleitoreira

Por Mathias Alencastro, na Folha

Diante do ocaso das instituições multilaterais, que perderam proeminência desde o apagão diplomático dos EUA, o Fórum Econômico Mundial de Davos, até pouco tempo atrás tido como um mero salão de negócios, vem se tornando um evento eminentemente político.

Na edição do ano passado, Xi Jinping elevou a China ao status de defensora do livre mercado. Agora, Emmanuel Macron pretende posicionar a União Europeia, fortalecida pelo recuo da direita ultranacionalista, como principal liderança do chamado mundo livre.

O Brasil estará representado por três potenciais candidatos à presidência oriundos de três partidos do centro. A julgar pelas encrencas subjacentes às pretensões de Michel Temer, Henrique Meirelles e João Doria, a passagem dos três na estação de inverno suíça tem tudo para terminar num belo espetáculo de cacofonia institucional.

A presença de João Doria na comitiva gera perplexidade. Durante o seu primeiro ano de mandato, o prefeito de São Paulo viu o seu enorme capital eleitoral derreter em razão de uma série de viagens irrelevantes para os interesses da cidade. Ao se lançar na primeira oportunidade do outro lado do Atlântico para participar de um evento no qual as questões urbanas são relegadas a segundo ou terceiro plano, Doria demonstra incapacidade de aprender com os erros do passado.

Temer vai, mais uma vez, constatar seu isolamento diplomático. O governo Macron, por exemplo, orientou os diplomatas a manterem as relações com o presidente no mínimo protocolar. Quem deve ficar nos holofotes é Meirelles, que vai penar para emplacar a narrativa de retomada econômica. A obsessão do governo com os rateios da economia doméstica vai reforçar a impressão entre os interlocutores que a décima economia do mundo abandonou qualquer pretensão de pesar nos principais debates globais.

Num momento em que as ambições eleitorais tendem a contaminar cada vez mais o discurso oficial, a comitiva terá a difícil missão de evitar novos embaraços. Outro pré-candidato do centro, o Presidente da Câmara Rodrigo Maia, ousou uma analogia grotesca entre escravidão e Bolsa Família em Washington, na semana em que os americanos celebram Martin Luther King. Um absurdo se considerarmos que a Índia do governo ultraliberal de Narendra Modi, uma das estrelas de Davos pela sua pujança econômica, está prestes a anunciar um programa de renda mínima abertamente inspirado na política pública brasileira.

Pelo seu histórico, o Bolsa Família é muito mais de que o legado de um governo contestado; é um patrimônio de Estado. Ao denegri-lo para agradar o seu eleitorado mais reacionário, Maia comprometeu a imagem de um poderoso instrumento de soft-power.

Depois de assumir o poder em condições polêmicas, ver-se envolvido em inúmeros escândalos e flertar com o ridículo nos deslocamentos internacionais, o centro corre o risco de arranhar ainda mais a imagem brasileira por causa da sua ansiedade eleitoreira. E confirmar o que muitos pensam: o Brasil nunca esteve tão desprestigiado no mundo desde a era Collor.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Márcio Martins

22 de janeiro de 2018 às 13h58

Centro? Centro onde, Mathias? Direita carcomida, isto sim!

Responder

Terramarinha

22 de janeiro de 2018 às 13h30

Maia é um lelebão mesmo. Está pensando que o povo vai aceitar ele presidente do Brasil. Até quando os golpistas vão achar que irão governar só para o mercado sem o povo?

Responder

vera vassouras

22 de janeiro de 2018 às 10h54

Quanto às reuniões em Davos visando a PRIVATIZAÇÃO das águas brasileiras, silêncio.

Responder

João Noé Alves de Carvalho

22 de janeiro de 2018 às 09h51

Por que agora a imprensa insiste em classificar essas pessoas como de “centro”. São de direita. Bolsonaro é de extrema-direita. Lula e PT, pelos governos que fizeram, são, no máximo, centro-esquerda. É preciso não cair na armadilha de colocar essas pessoas como de centro.

Responder

    Rafael

    22 de janeiro de 2018 às 10h23

    além de colocá-los como de centro, ainda diz que assumiram o poder de forma polêmica. não tem polêmica, tem golpe.

    Responder

Deixe uma resposta