Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Festival Lula Livre começa em Buenos Aires!

Por Miguel do Rosário

19 de maio de 2018 : 19h08

Um correspondente do Cafezinho está em Buenos Aires, Argentina, acompanhando o início do Festival Lula Livre.

Abaixo, alguns vídeos e fotos do início do evento. Nosso correspondente nos informa que tem muita gente.

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Maria do Socorro Amaral

20 de maio de 2018 às 15h27

Compreendo você, perfeitamente Miguel. E concordo com tudo, que está
Em seu texto.
É mesmo desolador a gente ser atacado, por quem, tanto lutarmos.
Coragem, meu amigo!
Eu sei, que você tem muita.

Responder

daniel

20 de maio de 2018 às 01h17

É Lula! Ciro é tudo o que os golpistas mais sonham: alguém para defender as bandeiras nacionalistas, mas sem chance real de vencer (ele mesmo se boicota, como diz a minha sogra: o peixe morre pela boca). No momento, só vislumbro duas opções (não sei se o blogueiro concorda comigo): (1) Lula indica um apoio e desiste da candidatura – resultado provável: os golpistas ganham a eleição e conseguem “legitimidade” para o desmonte (foi mais ou menos o aconteceu em Honduras e Paraguai), ou (2) Lula se mantém candidato – resultado provável: cancela-se (ou posterga-se …) a eleição (com militares, STF e tudo …), continua o presente estado de anarquia (ou de exceção, como alguns chamam) com os golpistas sem saída minimamente democrática. Se em 2013 a classe média quis radicalizar (e incentivou, entre outros, a radicalização dos juízes), chegou a vez da classe trabalhadora radicalizar: ou eleições com Lula ou nada.

Responder

Deixe uma resposta