Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Pessoas marcham em Manágua, capital da Nicarágua, em protesto para pedir o fim da repressão violenta do governo e clamar por paz - Alfredo Zuniga / AP

Aumenta a repressão contra estudantes na Nicarágua

Por Miguel do Rosário

16 de julho de 2018 : 20h59

No Jornal do Brasil

Estudantes viveram noite de horror em ataque contra igreja na Nicarágua

“As balas passavam rasgando por cima da cabeça”, disse com o rosto coberto um dos mais de 200 estudantes resgatados de uma igreja atacada por forças governamentais, em um episódio da violência que deixa mais de 270 mortos na Nicarágua.

Os paramilitares estavam a 50 metros de onde “nos atacaram sem piedade e fizeram duas tentativas de queimar a igreja com a gente dentro”, relatou o jovem à AFP, identificando-se apenas como “El Negro”.

Depois de iniciado o ataque ao meio-dia de sexta-feira por paramilitares encapuzados, os estudantes entrincheirados na Universidade Nacional Autônoma da Nicarágua (Unan) buscaram abrigo no templo da Divina Misericórdia, próxima ao campus no conjunto residencial de Villa Fontana, ao sudeste de Manágua, contou o jovem.

Foram quase 20 horas de horror vividas por cerca de 200 estudantes desalojados da Unan, uma operação que deixou dois mortos e 14 feridos, segundo o cardeal Leopoldo Brenes, que liderou uma missão para tirar os jovens que estavam no templo.

“Não respeitaram a igreja e a imagem da Virgem, o Cristo. Quebraram tudo, as paredes ficaram marcadas pelos disparos”, acrescentou o estudante, com a voz embargada, após viver a experiência do ataque com armas de grosso calibre.

Quase na madrugada de sábado, correndo o risco de novos tiros, “saímos para apagar o fogo, porque estavam queimando a igreja com todos dentro”, completou o universitário, que procurava ansioso pela mãe, a qual não via há dois meses.

– ‘Muita impotência’ –

Apesar dos momentos de tensão vividos por quase 20 horas, “não senti medo, mas sim muita impotência, porque eles nos atacaram com fuzis AK-47, Dragunov e granadas. Nós tínhamos apenas morteiros artesanais e as barricadas”, afirmou outro estudante.

As trincheiras de pedras e tijolos pouco serviram para protegê-los, pulverizados com os disparos feitos não muito distante, relatou.

O ataque foi tão brutal que se sentiu uma forte explosão, quando “lançaram uma granada que pegou no muro do portão e por ali entraram na Unan”, acrescentou.

“Mataram Gerald Velázquez. Foi um tiro na cabeça. Não pudemos fazer nada e o perdemos”, disse, consternado, esse jovem de 22 anos, que pediu para não ser identificado.

Ele garantiu que continuará na luta cívica até a saída do presidente Daniel Ortega do governo.

Outra estudante, com a perna enfaixada e com dificuldade para andar, contou que, à meia-noite, “cortaram a luz e começaram a atirar na cabeça (…) Vi um dos meus companheiros (Velázquez) cair. Como era noite e estava escuro, nos demos conta do outro companheiro morto” em uma barricada.

Os estudantes da Unan, a mais importante universidade pública do país, tomaram o local quase um mês depois de iniciados os protestos em 18 de abril. A universidade era o último reduto nas mãos dos estudantes, após deixarem por decisão própria a Universidade Politécnica (UPOLI) diante do constante assédio da Polícia e de grupos de choque ligados ao governo. Essas forças tentavam eliminar esse foco de resistência no leste de Manágua.

– Reencontro emocionante –

Depois do cerco brutal, os jovens conseguiram sair na manhã de sábado da igreja, por mediação das autoridades católicas, à frente da qual estava o cardeal Brenes e membros da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos.

Dois ônibus cheios de alunos ingressaram nos prédios da catedral de Manágua, junto com ambulâncias da Cruz Vermelha com alguns feridos, onde eram esperados por centenas de familiares e por amigos entre aplausos, lágrimas e gritos de justiça.

O pai de Gerald Velásquez, um dos dois estudantes mortos, chegou à catedral em busca de informação para a entrega do corpo do filho, enquanto recebia a solidariedade da população no local.

jr/mas/yow/tt

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Bruno

17 de julho de 2018 às 09h10

Toda a velha mídia se posicionando contra o governo Ortega.
Notícias da AFP que apoiou milícias que assassinaram Kadafi não são confiáveis.

Responder

antipaneleiro

17 de julho de 2018 às 08h51

Mais uma primavera anunciando um longo inverno.

Responder

    Gerson

    17 de julho de 2018 às 09h06

    Tive a mesma impressão. Se inestigarem vão encontrar o dedo, a mão e o braço dos EUA comandando os protestos.

    Responder

    Bruno

    17 de julho de 2018 às 11h06

    O jornal cubano Gramna tem outra versão sobre o conflito na Nicarágua.
    Pena que o Cafezinho priorize somente notícias das agências de notícias.

    Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?