Haddad e Dilma em Belo Horizonte

Lentidão e seletividade: CNMP finalmente pode investigar promotores que atuam visando eleições

Por Pedro Breier

12 de setembro de 2018 : 13h35

Leiam esta notícia da coluna de Mônica Bergamo, na Folha:

Promotores que movem ação contra candidatos podem ser investigados

Órgão deve apurar se iniciativas contra Haddad, Alckmin e Beto Richa foram aceleradas para terem impacto eleitoral

A corregedoria do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), o órgão que fiscaliza e controla as atividades de procuradores e promotores, deve apurar eventuais irregularidades na atuação de alguns deles contra políticos que disputam a campanha eleitoral.

LUZ, CÂMARA
Em um memorando encaminhado ao órgão, Luiz Fernando Bandeira de Mello, conselheiro do CNMP, cita ações propostas contra os presidenciáveis Fernando Haddad, do PT, Geraldo Alckmin, do PSDB, e a prisão do ex-governador e candidato ao Senado pelo Paraná, Beto Richa (PSDB-PR).

MARCHA
Mello quer que sejam analisados “o tempo decorrido entre a suposta prática dos crimes delituosos e a propositura das ações”, para saber se elas foram aceleradas para causar “eventual impacto nas eleições”.

HOLOFOTE
No pedido de averiguação, o conselheiro diz ser “evidente” que um promotor deve ajuizar uma ação se ela, “por acaso”, estiver concluída “à época da eleição”. “Mas também não pode reativar um inquérito que dormiu por meses ou praticar atos em atropelo apenas com o objetivo de ganhar os holofotes durante o período eleitoral”, afirma.

Louvável a atitude do conselheiro do CNMP. É uma verdadeira aberração antidemocrática que o Ministério Público, órgão que existe para defender os interesses da sociedade, use as suas prerrogativas para interferir, como se fosse um tutor dos desejos da população, no processo democrático.

O problema é que o MP vem fazendo isso desde a eleição de 2014, especialmente os procuradores e promotores que atuam na Lava Jato.

Trechos seletivos de delações foram escandalosamente vazados para a grande mídia, que usou-os para fustigar o PT em momentos decisivos da campanha daquele ano.

Prisões e conduções coercitivas espetaculosas também eram efetuadas no timing perfeito, tanto em 2014 quanto em 2016, para servirem de propaganda eleitoral contra o PT.

O CNMP achou tudo normal, tudo tranquilo.

Bastou a fúria antipolítica do Ministério Público atingir tucanos – apenas agora, na eleição de 2018 – para que, não mais que de repente, o CNMP resolvesse se mexer.

Antes tarde do que nunca, mas a seletividade da atuação de órgãos de Estado, que devem se pautar pela mais absoluta neutralidade, já está posta.

Como não concluir que a paquidérmica lentidão do CNMP decorre de seletividade ideológica?

A mácula causada pelo partidarismo odiento – porque absolutamente autoritário e inconstitucional – do MP e também do Judiciário só poderá ser apagada quando criarmos mecanismos que impeçam, efetivamente, que órgãos de Estado abusem de suas funções públicas para interferir nas eleições e no processo político.

É tarefa prioritária para quando a democracia for reestabelecida no país.

Pedro Breier

Pedro Breier, colunista d'O Cafezinho, é formado em direito mas gosta mesmo é de jornalismo. Nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Justiceiro

12 de setembro de 2018 às 18h21

Como seletividade? Estão investigando Alckimin e Addad e prenderam Beto Richa.

Ou será que Alckimin e Richa viraram petistas?

Responder

Paulo

12 de setembro de 2018 às 17h03

Mas tem que investigar também membros do MP que se lançam candidatos! Tem um em São Paulo que se catapultou no futebol e, depois de eleito, envolveu-se até no episódio do desvio de merenda escolar…

Responder

nelson

12 de setembro de 2018 às 15h53

É mesmo são tão imparciais que o juiz sérgio moro que cometeu crime contra o estado Brasileiro ao divugar uma liggação da chefe de ESTADO DO BRASIL a rede esgoto de televiao que com certeza vai fazer com que perca o emprego publico e que seja condenado e preso dentro da LEI que ele não usa para ir pro cárcere. É sempre adiado por conselhos que são convescotes intracorporis de proteção Haverá num futuro GOVERNO um verdadeiro conselho de controle do MP E DO JUDICIÁRIO com MEMBROS ELEITOS POR MEIO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA e a aprovação DA LEI DE ABUSO DE AUTORIDADE.

Responder

Elena

12 de setembro de 2018 às 13h43

Já passou da hora de se fazer uma reforma nesse judiciário. Há uma verdadeira tropa de procuradores/promotores nos MPs que não fazem nada. Só ficam perseguindo o PT e sugando o cofre púbico com seus altos proventos e seus privilégios, como exigindo passagens aéreas na classe executiva, e não vemos trabalho nenhum desse pessoal em prol do povo. Vamos desinchar os MPs!

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com