Hangout com Miguel do Rosário: Bolsonaro nos EUA

Partido da justiça desenterra Marcos Valério

Por Miguel do Rosário

08 de dezembro de 2018 : 10h34

No momento em que a imprensa se vê com uma investigação crescente sobre estranhas movimentações financeiras na conta de alguém ligado estreitamente ao presidente da República, envolvendo inclusive cheques para sua esposa (Bolsonaro procurou explicar o cheque de R$ 24 mil como pagamento de dívida), o sistema integrado mídia-justiça tira da cartola um delator inusitado: Marcos Valério.

Antes haviam vazamentos ilegais de delação contra determinados partidos. Depois começaram a haver vazamentos de delações que ainda não haviam ocorrido. Agora, os vazamentos de delação entraram em sua fase mais sinistra: Valério aponta “ligação de partido com facção”. A reportagem menciona o PCC.

Que partido político?

Se a facção é o PCC, a lógica nos sugeriria o PSDB, porque é a legenda que comanda São Paulo e que tem sido acusada recorrentemente de ter celebrado acordos com esta organização criminosa.

Mas como o alvo do consórcio mídia-justiça é quase sempre o PT, sempre que há um vazamento desse tipo as pessoas pensam no… PT

Entretanto, independente de quem seja o partido, temos que tomar cuidado para não legitimar a prática espúria e irresponsável desse consórcio entre mídia e justiça, que vaza declarações de um criminoso preso, cuja palavra não tem credibilidade e que tem, naturalmente, interesse em sair da prisão a qualquer custo, sem se preocupar com a veracidade do que afirma: ao contrário, criminosos com faro político sabem exatamente que tipo de mentiras podem lhe tirar da cadeia, vide o caso Palocci.

***

No blog do Fausto / Estadão

Marcos Valério delata ligação de partido com facção, e Barroso ordena segurança a operador do mensalão do PT

Publicitário pivô e operador do primeiro grande escândalo do governo PT, revelou em colaboração premiada suposto envolvimento de organização criminosa com uma agremiação política, de acordo com documento da Polícia Federal juntado aos autos do processo

Teo Cury/ e Amanda Pupo/BRASÍLIA

07 Dezembro 2018 | 15h38

O publicitário Marcos Valério de Souza, pivô e principal operador do mensalão do PT e condenado no esquema, revelou, em delação premiada, o envolvimento de uma facção criminosa com um partido político, de acordo com documento da Polícia Federal juntado aos autos do processo. Não há nomes do partido político nem da facção citadas pelo ex-empresário.

DECLARAÇÃO – PDF

DESPACHO – PDF

PEDIDO DA DEFESA – PDF

O acordo, firmado com a PF, a Polícia Civil de Minas e o Ministério Público do Estado de São Paulo, tramita em sigilo. Em despacho publicado na quarta-feira, 5, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, determinou que a Justiça de Minas garanta a segurança de Marcos Valério.

“Oficie-se com a máxima urgência ao Juízo da Vara das Execuções da Comarca de Contagem/MG para que adote todas as medidas necessárias para assegurar ao sentenciado o respeito à sua integridade física e moral”, ordenou Barroso no documento. Valério foi condenado a 37 anos e 5 meses de prisão, tendo cumprido até o momento 6 anos e 6 meses da pena.

Em 19 de novembro, o delegado de Polícia Federal Leopoldo Soares Lacerda informou a Barroso que Valério retornou em 21 de setembro à Penitenciária Nelson Hungria, onde, em 2016, foi agredido em meio às tratativas para firmar o acordo de delação premiada com as autoridades. Para o delegado, o fato de Valério estar trancafiado dificulta ações de proteção pela PF.

“Assim, considerando as declarações já prestadas pelo colaborador, sobretudo referente ao anexo 57, quando cita o envolvimento de facção criminosa com partido político, entendemos mais adequado para a proteção do colaborador outras medidas como progressão de pena ou prisão domiciliar, cujos pleitos cabem a sua defesa diretamente ao judiciário”, escreveu o delegado.

Em depoimento ao promotor de Justiça de Santo André (SP), Roberto Wider Filho, Valério diz que foi procurado por um integrante do Primeiro Comando da Capital que apresentou-se como seu “protetor” na prisão. Valério informou, no entanto, que, apesar de ter recebido, não pediu proteção para o membro da facção e que sente que sua vida e sua integridade física correm risco.

A defesa do ex-empresário pede a Barroso que seja autorizada a progressão de regime, a conversão do regime fechado para domiciliar e, caso os pedidos sejam rejeitados, que sejam concedidas saídas temporárias e trabalho externo. Os advogados afirmam que trata-se de “medida de extrema necessidade” devido ao “alto risco” a sua integridade física e de vida.

“Sem adentrar aos termos dos depoimentos prestados pelo reeducando, face ao sigilo da colaboração, não se pode deixar de destacar que se tratam de declarações que envolvem as mais perigosas organizações criminosas em operação no território nacional”, escreveram os advogados de Marcos Valério em 13 de novembro.

“Frise-se, novamente, ministro Barroso, que o reeducando vem trazendo informações importantes sobre esquemas de corrupção em nosso País, tendo, inclusive, testemunhado, ao Ministério Público do Estado de São Paulo, sobre a morte do então Prefeito de Santo André Celso Daniel, o que, conforme noticiado pela mídia, poderá reabrir o caso que havia sido arquivado”, informaram os advogados.

Para reforçar o pedido a Barroso, a defesa incluiu o atestado de conduta carcerária do período em que Valério permaneceu na Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac), em Sete Lagoas. O documento mostra que Valério desempenhou os trabalhos atribuídos, frequentou os cultos religiosos e palestras de valorização humana. “Sendo assim, no período em que cumpriu pena nesta instituição, não há registros de que seu comportamento fosse inadequado.”

Documento datado de 31 de outubro e assinado pelo chefe da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa, o delegado Rodrigo Bossi de Pinho, mostra que ‘o colaborador vem prestando auxílio imprescindível às investigações de corrupção tanto em âmbito federal quanto estadual’.

“Considerando o teor de seus depoimentos, que cada vez mais envolvem organizações criminosas consideradas, hoje, as mais perigosas em operação no território nacional, o risco para a sua integridade física e, inclusive, para a sua vida é extremamente alto acaso continue mantido no cárcere”, escreveu o delegado.

“Conforme comunicado pelo advogado do colaborador, ele já tem o direito à progressão para o regime semiaberto de cumprimento de pena e, logo, considerando também o elevado risco para sua vida e, consequentemente, para o processo penal, entendo ser razoável e proporcional seja ele cautelarmente transferido para o cumprimento de sua pena em regime de prisão domiciliar, em endereço protegido do conhecimento público, haja vista inexistência de estabelecimento prisional no território nacional capaz de garantir a segurança ao colaborador”, concluiu o delegado.

***

PS Cafezinho: Valério já foi usado em 2016 por Sergio Moro para levantar mais ataques ao PT, e legitimar o impeachment. Na época, tentava-se ressuscitar o caso Celso Daniel, um assunto recorrente sempre que se quer atacar o Partido dos Trabalhadores (apesar do crime ter sido já investigado várias vezes, sem que nunca se tivesse encontrado qualquer prova ou indício de envolvimento de membros do partido no crime).

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Admar

08 de dezembro de 2018 às 21h05

Esse caso do Bolsonarinho tem a ver com o General Vice que ta louco pra ficar no lugar do Cabeça Oca!!!

Responder

Justiceiro

08 de dezembro de 2018 às 16h56

Celso Daniel é um cadáver insepulto. como qcreditar que aquilo foi crime comum se no rastro desse crime outras oitos pessoas foram assassinada só por ter de um modo ou de outro, vinculação com esse crime?
Por que mataram o pobre do garçom que serviu Celso e Sombra? Por que mataram o cara que viu o carro de Celso Daniel? O último foi um legista que contestou o laudo pericial e apareceu suicidado misteriosamente.

Marcos Valério sabe muito e quanto ao partido ligado ao PCC – só pode ser ele -, é gravíssimo, tem que ser investigado, seja PSDB ou PT.

Responder

Paulo

08 de dezembro de 2018 às 11h03

Dois pontos:

1) O “Caso Celso Daniel” é recorrente porque algo estranho aconteceu ali, já que ninguém é sequestrado, torturado e morto sem motivação aparente para o crime, e é sabido que ele estava se queixando progressivamente, segundo o irmão, de corrupção no sistema de transportes da Prefeitura de Santo André, que beneficiaria o PT;

2) Esse caso do Bolsonarinho talvez tenha sido veiculado pela mídia para forçar o Bolsonaro pai a implementar, a toque de caixa, a Reforma da Previdência e incrementar as privatizações, tão-logo assuma o governo, já que a equipe de transição tem-se mostrado titubeante, a respeito desses pontos. Será utilizado, permanentemente, como instrumento de chantagem contra o presidente, podem apostar!

Responder

Deixe uma resposta