Hangout com Miguel do Rosário: Bolsonaro nos EUA

Bolsonaro e o mito da caverna

Por Pedro Breier

12 de março de 2019 : 16h46

No mito da caverna, alegoria clássica do filósofo Platão, um grupo de pessoas que está acorrentado em uma caverna só pode ver as sombras da realidade, as quais toma pela realidade em si.

Será que conseguimos perceber a realidade ou temos acesso apenas às suas sombras? Essa discussão atravessa a história do pensamento humano, até porque é essencial a este. Um exemplo relativamente recente é o do filme Matrix, que explora a mesma ideia – com mais efeitos especiais e batalhas sangrentas do que Platão, é claro.

Todos temos as nossas certezas quanto à realidade, diante das quais é uma postura sábia lembrarmo-nos destas reflexões sobre os limites do saber humano. A dúvida permanente é uma grande aliada se quisermos ver além das sombras.

Pois o tamanho do drama que o Brasil vive pode ser medido pelo tamanho das certezas que tem nosso atual presidente. Bolsonaro leva a crença nas ilusões ao paroxismo.

A começar por seu guru intelectual, o dublê de filósofo Olavo de Carvalho. Olavo constrói sua realidade paralela – na qual tudo que não se alinha à extrema-direita lunática está impregnado com o tal “marxismo cultural” – com vídeos e posts furibundos há uns bons anos. Seu séquito de seguidores, antes uma piada de internet, agora está incrustado em áreas sensíveis do poder central.

O presidente é um dos integrantes do séquito. Olavo tem razão e nada pode convencer Bolsonaro de que a sombra não é a realidade. O presidente acredita estar tirando o Brasil de um horripilante período socialista e diz amém para qualquer arroubo online do seu guru. A última foi demitir a ala mais sensata do MEC porque esta foi para cima dos olavetes que tiveram a brilhante ideia de mandar cartas para as escolas do país todo solicitando que as crianças, dentre outros absurdos, recitassem o slogan de campanha de Bolsonaro.

Esse tipo de maluquice, assim como as peripécias pornocarnavelscas do presidente, não agradam os militares, que querem apenas seu generoso naco de poder e que sua aposentadoria siga intocável. Seguramente não agrada também o mercado, os bancos e a mídia, que querem estabilidade para aprovar logo as reformas antipovo.

Entretanto, o presidente tem outras certezas que podem ser ainda mais perniciosas do que as teorias olavianas.

Suas convicções sobre o que é um cidadão “de bem”, por exemplo. Bolsonaro acha que apoiar publicamente as milícias – organizações criminosas que costumam ter entre seus integrantes pessoas ligadas ao próprio aparato repressor do Estado – é algo digno de um cidadão “de bem”.
Certamente não vê nada de mais no fato de seu filho Flávio empregar, no seu gabinete, a mãe e a esposa de um miliciano foragido, por exemplo. As milícias, na lógica do presidente, são baluartes da luta contra a criminalidade. Se cometem brutais assassinatos e acabam virando organizações criminosas idênticas às que alegam combater – ou piores, dadas as conexões dos seus membros com o poder, paciência.

As ligações do presidente e da sua família com milicianos suspeitos ou condenados por bárbaros crimes são muitas e de tipos variados: familiares, profissionais, político-ideológicas… O PM reformado acusado de matar Marielle Franco, preso hoje, mora, vejam vocês, no mesmo condomínio do presidente. Mas Bolsonaro pensa que ele e seus filhos são todos cidadãos “de bem”.

Um presidente da República cheio das certezas já é um problema. Quando as certezas são tacanhas como essas, é uma tragédia.

Há também a hipótese de que Bolsonaro tenha plena consciência do caráter brutalmente criminoso das milícias. Outra hipótese – a qual não exclui a primeira – é que as intrincadas e abundantes ligações suas e de seus filhos com milicianos (mal) escondam coisas mais pesadas ainda. Uma terceira hipótese – a qual não exclui as duas anteriores – é que o presidente acredite que na guerra contra um tipo específico de criminoso (preto e pobre) e contra os vagabundos da esquerda, vale tudo.

Nesse caso, a ilusão de Bolsonaro é supor que alguém tão rasteiro como ele próprio esteja à altura de comandar um país.

No mito da caverna, um dos prisioneiros consegue se libertar. Ao sair para a luz, percebe que o que via quando estava acorrentado eram apenas as sombras da realidade. Ao voltar à caverna para contar aos outros, é ridicularizado. Sendo as únicas coisas que os prisioneiros conheciam, as sombras eram a realidade e ponto final.

Cedo ou tarde, o Brasil terá que libertar-se das correntes e sair da caverna. O presidente e sua turma seguirão olhando para as sombras.

Pedro Breier

Pedro Breier é graduado em direito pela UFRGS e colunista do blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

23 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

LUPE

13 de março de 2019 às 14h27

Caros leitores
Vamos pensar um pouco.
Mais uma vez Bolsonaro usou seu twiter oficial (presidência)
de maneira meio estranha.
O assassinato de Marielle é político (óbvio), mas, no máximo,
é um caso na esfera policial, é um caso de polícia.
Neste caso Bolsonaro devia se calar,
não se pronunciar a respeito em seu twiter presidencial,
já que a rigor nada lhe foi perguntado sobre o assunto via twiter.
Mas, ele se pronunciou no twiter, e de maneira DEFENSIVA.
Por que???????????

Responder

Jota

13 de março de 2019 às 12h31

Se o Olavo é dublê de filósofo, vc é apenas um projeto de jornalista… Como comentou o Roque, em qual caverna vc se escondeu nos últimos 16 anos?? Vai tentar a advocacia menino, deixa o jornalismo para pessoas sérias e sem comprometimento com causas partidárias. Quer uma dica? Estude mais um pouquinho e assuma o lugar do Zanin Testa Lisa como advogado do calango bebum corrupto e lavador de dinheiro, pois, este Zanin é muito fraco…

Responder

Roque

13 de março de 2019 às 12h17

Pedrinho, moleque criado pela vovó, em qual caverna vc esteve acorrentado nos últimos 16 anos???

Responder

Martins

13 de março de 2019 às 11h15

Terror em Suzano SP.
Informaçoes prelimares dois adolescentes “(cidadãos de bem)” encapulsados invadiram uma escola e atiraram contra alunos e professores. 8 mortos.

#foraBolsonaros #foraOlavetes #foraVelezRodrigues

Responder

Cláudia Oliveira

13 de março de 2019 às 09h28

Texto irretocável. Parabéns Pedro.

Responder

Arquibaldo Epaminondas

13 de março de 2019 às 08h34

O erro do ser humano, e principalmente do brasileiro, está justamente em crer que sua própria sombra, a que enxerga, é a realidade; realidade cheia de achismos e crenças em obras desse ou daquele ‘pensador’ ou idealizador de algum tipo de movimento. A conjuntura, a realidade é uma só: somos humanos e dependemos uns dos outros para viver, para seguirmos em frente. Enquanto não se pensar, partindo de uma postura individual, em sua relação com o vizinho, a sua relação com a escola dos seus filhos, em governos, administração pública e tudo mais que orienta uma sociedade, que tenha como objetivo a convergência, jamais chegaremos a algum ponto benéfico e comum. Enquanto cada um olhar pro próprio umbigo e crer que tem em sua visão ideológica (ideologia não serve pra nada, só pra devanear) a solução pra tudo e aptidão e habilitação para julgar quem presta e quem é vagabundo, viveremos em eterna, burra e inócua briga pelo nada absoluto. A relação humana tem que ser baseada na convergência, no comum, na demanda coletiva e, principalmente, no sensato, no coerente. Está chata demais essa lutinha entre ideologias, entre grupinhos de direitinha e esquerdinha, Marxsistas, Olavistas, Bolsonaristas, Lulistas – e, enquanto isso, a classe política, dos mais variados rótulos, está apenas interessada em sua vida cheia de regalias às custas dos tontos que brigam entre si mas trabalham para sobreviver e sustentarem nossa máquina administrativa que envolve os três poderes. Acordem, somos todos iguais, com as mesmas necessidades e teremos o mesmo destino: a morte.

Responder

    Batista

    13 de março de 2019 às 11h13

    Muito bom Arquibaldo, afinal, “livre pensar é só pensar”.

    Como não terem pensado nisso antes, né?

    Agora só falta criar uma igreja, entrar pro mosteiro ou terminar útil no inferno.

    Responder

Ferdinando

13 de março de 2019 às 04h57

Querer associar os Bolsonaros ao assassinato de Marielle é ajudar a manter impunes os verdadeiros mandantes. Já leram o artigo de LEONARDO SAKAMOTO no UOL ? Ele dá pistas preciosas sobre quem seriam os mandantes. Jair Bolsonaro não é um assassino. Se fosse, mandaria matar o Jean Wyllys ou o Cesare Battisti, alvo fácil em Cananéia, litoral sul de São Paulo, e não uma até então obscura e desconhecida vereadora carioca, não acham ? Que importância tinha Marielle Franco na vida dos Bolsonaros, além de NENHUMA ???

Responder

    Nostradamus ( porrete nestes facistas )

    13 de março de 2019 às 10h15

    Para miliciano a vida dela não tem valor algum. Nem a nossa. Eis aí exatamente a chave do enigma: para a sociedade ela tinha um valor imenso!

    Responder

    Carcará

    13 de março de 2019 às 10h25

    Resumo da tragédia brasileira: povo na rua, FORA BOLSONARO!!!
    &
    lula livre !!! LULA LIVRE !!! lula livre !!!

    Responder

LUPE

12 de março de 2019 às 23h13

Bossalnaro
Ninja do Mal………………….

Responder

E. Santos

12 de março de 2019 às 20h13

Bolzonazi é uma fraude gigantesca. Seus eleitores fanáticos são um bando de iludidos. Tudo que bozonazi fala é mentira, mas os militontos bozonazistas não estão nem ai. O que é gravíssimo. Bolzonazi não é religioso, muito menos defensor da família e muito menos ainda defensor de soldados e policiais. Seus amigos e amigos de amigos são bandidos e marginais que matam pessoas. Que matam inclusive os policiais de bem que tentam combater o crime organizado. Hoje veio a tona mais uma notícia estarrecedora. Apreenderam na casa do amigo do amigo do bolsonaro 117 fuzis. Muito provalmente armas que seriam utilizados por criminosos para matar o verdadeiro cidadão de bem e os policiais de bem. Bozonazi quer dar armas ao povo que ele julga de bem , mas o amigo do amigo dele tinhma 117 fuzis em casa. Bozonazi é uma fraude, um verme fascista a serviço da lutocracia fascista. Bozonazi ilude seus seguidores com mentiras e ondas de ódios. Esta família bozonazi deve ter as mãos suja com muito sangue.

Responder

    Paulo

    12 de março de 2019 às 21h57

    Santos, tudo o que temos, até aqui, é a prisão de dois possíveis milicianos suspeitos de envolvimento no assassinato de Marielle e seu motorista. Mas, ainda que houvesse a mão dos Bolsonaros, nessa questão das milícias, suas mãos ainda estariam com pequenos respingos de sangue, perto dos próceres comunistas que você, provavelmente, louva de pés juntos, e que tanta infelicidade e tragédias pessoais trouxeram aos povos que governaram…com isso não quero desdenhar do assassinato de Marielle, que espero ver esclarecido “in totum”…

    Responder

      lucio

      12 de março de 2019 às 23h06

      ah sim… é culpa dos revolucionarios de 1848… alias, dos tribunos da plebe da republica romana de 2300 anos atras. kkkk

      Responder

      Batista

      13 de março de 2019 às 02h30

      Tu pensa ser profundo, Paulo, mas raso, é hilário.

      “Tudo o que [não] temos, até aqui, é a prisão de dois possíveis milicianos suspeitos de envolvimento no assassinato de Marielle e seu motorista”, pelo simples fato que são dois ex-policiais ACUSADOS pela justiça de envolvimento na execução de Marielle e Anderson.

      Quanto a possíveis, milicianos e ligações com bolsonaros, é como a estória que, tem pé de porco, toucinho de porco, feijão preto, paio, orelha de porco, costela de porco, etc., mas não é feijoada.

      Vejamos os fatos: o acusado pela execução é vizinho de rua no condomínio, do Bolso pai, que vem a ser o atual presidente da república, e o acusado de ser o motorista na execução, o Queiroz 02, exibe em seu face foto abraçado com o Bolso pai, cujo filho Bolso 04 namora(ou) a filha do vizinho acusado de ser o executor, que por sua vez, junto com a mulher possuí(u) uma academia em Rio das Pedras, aquele lugar sabidamente sob domínio de milicianos, coincidentemente escolhido, por Queiroz 01, motorista, companheiro de pesca e faz tudo da Bolso família, para esconder-se, enquanto desaparecido para não depor à justiça sobre, o laranjal envolvendo o Bolso 01 e depósitos feitos na conta da mulher do bolso pai, e pelos acusados pela execução, como ponto de partida do Cobalt Prata rumo a rua dos Inválidos, em 14 de março de 2018.

      Rio das Pedras, até as pedras sabem estar sob domínio do miliciano e ex-capitão do Bope Adriano Nóbrega, foragido da polícia, acusado de pertencer ao Sindicato do Crime e cujas, mãe e filha, eram lotadas no gabinete do Bolso 01, que o homenageou em diversas ocasiões, na assembléia do Rio de Janeiro, evidentemente, como a feijoada na estória, mesmo com tantos fatos comprováveis na cumbuca, não passando de meras coincidências ou coisas do Queiroz 01, né, hilário?

      Responder

maria do carmo

12 de março de 2019 às 19h27

Os brasileiros nao aguentam mais a degradacao humana desse Bolsonaro bronco, filhos, guru e seguidores com esse vocabulario escatologico pervertido nas declaracoes a imprensa e redes sociais como se estivessem em suas casas com seus familiares, a midia do planeta esta horrorizada com o baixo nivel desse louco destrambelhado filhos guru e apoiadores e uma VERGONHA!!!

Responder

Paulo

12 de março de 2019 às 18h31

Olavo de Carvalho tem o mérito de ter sido um dos primeiros a denunciar o “marxismo cultural”, a “hegemonia gramsciana” e as políticas identitárias nocivas da esquerda, que estavam nos conduzindo a um desastre civilizacional, a uma fragmentação do tecido social, a um beco sem saída para o nosso futuro. Não que isso fosse um programa adrede concebido por um esquerdopata de hábitos cerebrinos e moral subalterna, barbudo e com livre trânsito pela academia, confinado num gabinete, comendo caviar e tomando uísque (ou pão com mortadela e groselha, dependendo do grau de refinamento social), por dias ou anos a fio, de forma meticulosa, a fim de implementar políticas supremacistas, visando à tomada do poder. Não, essa agenda é quase, por assim dizer, auto-implementável por osmose, pela reiteração sistêmica, na mídia, academia e escolas, a partir dos vasos comunicantes representados pelos inocentes úteis “ideologizados” pela cartilha simples esquerdista, com a falsa percepção de que, assim agindo, fazem o bem e colaboram para a evolução social e humanística da sociedade (por isso se autoproclamam “progressistas”)…mas, em que medida Bolsonaro e filhos têm plena consciência desse processo e agem deliberadamente para interrompê-lo, eu realmente não sei, ainda. Temo que não saibam, e ajam, à semelhança dos esquerdistas, como inocentes úteis a serviço de uma ideia, só que com viés ideológico trocado…

Responder

    lucio

    12 de março de 2019 às 19h33

    #fraldageriatricaparaolavo

    Responder

      Paulo

      12 de março de 2019 às 19h48

      O “serviço” que tinha pra fazer, já fez…

      Responder

        lucio

        12 de março de 2019 às 23h08

        cagar e mijar, kkkk

        Responder

Bozo & Andrade Artigos para Festas Infantis

12 de março de 2019 às 18h18

Na verdade, Sr. Pedro, Oráculo de Virgínia e Capitão Cueca representam A SOMBRA…

Responder

Embaixador Auto Proclamado

12 de março de 2019 às 17h12

Parlamento britânico rejeita acordo para o Brexit, Corbyn pede eleição geral.

Bozonaro transforma Brazl em subcolonia americana.

Bye bye Brazil

Responder

Zé Maconha

12 de março de 2019 às 17h07

Acredito que Bolsonaro é louco ao ponto de acreditar que o que faz é certo e que os crimes que comete e apóia são justificáveis.
As convicções são maiores inimigas da vedade do que as mentiras.
Nietzche

Responder

Deixe uma resposta