Economistas discutem a desindustrialização no Brasil

China e União Europeia encaminham tratado de investimentos para 2020

Por Tulio Ribeiro

09 de abril de 2019 : 19h53

A União Europeia em seu seu discurso há algumas semanas tinha denominado a China como “rival sistêmico de Bruxelas(UE). Mas a verdade é que com a chegada de Donald Trump a presidência, o gigante asiático se tornou uma enorme alternativa para o continente.

Nesta terça-feira, Bruxelas e Pequim conseguiram deixar de lado suas muitas diferenças após o compromisso do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, de garantir “tratamento igualitário” às empresas europeias na China, como lidar com os subsídios industriais no âmbito do programa, reforma da OMC e tentar fechar um acordo sobre investimentos em 2020.

“As negociações foram difíceis, mas frutíferas”, resumiu o presidente da UE, Donald Tusk, após a vigésima primeira cúpula bilateral. Segundo grupos europeus, a assinatura da declaração estava no ar até segunda-feira, quando os negociadores chineses cederam e concordaram em incluir a questão dos subsídios industriais. “É um avanço” porque “pela primeira vez a China aceita comprometer-se com a UE sobre esta prioridade-chave para a reforma da OMC”, valorizou o polonês.

A cúpula também serviu para reforçar o compromisso de ambos os blocos de concluir um tratado de investimento em 2020 (que eles vêm negociando há seis anos) para facilitar o acesso europeu ao mercado chinês. “É um bom passo, mas precisamos encontrar um melhor equilíbrio e nível de reciprocidade”, disse o presidente da Comissão Européia, Jean-Claude Juncker. Este acordo deve garantir uma abertura em ambos os sentidos e evitar “uma transferência forçada de tecnologias”.

Além das relações comerciais, a reunião também serviu para abordar a situação dos direitos humanos porque “eles são tão importantes”, como interesses econômicos “, disse Tusk. Mas ter evitado entrar em detalhes sobre os riscos de espionagem relacionadas empresas 5G. Premier chinês pediu tratar seu país de forma justa e respeito com “presunção de inocência” e assegurou que seu governo nunca pediu empresas chinesas para roubar dados pessoais ou infringir segredos comerciais.

Tulio Ribeiro

Túlio Ribeiro é graduado em Ciências econômicas pela UFBA,pós graduado em História Contemporânea pela IUPERJ,Mestre em História Social pela USS-RJ e doutorando em ¨Ciências para Desarrollo Estrategico¨ pela UBV de Caracas -Venezuela

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

JOÃO LUIZ GARRUCINO

10 de abril de 2019 às 11h31

Europa aos poucos vai caindo fora do muro americano mas falta ainda derrubar este muro pior ainda, nao físico, o da OTAN para se libertar…Li outro dia que França e Alemanha também são favoráveis a um mundo multilateral conforme ou incluindo também a Rússia e China, diferente dos EUA que tentam impor pela força e militarismo o unilateralismo deles é claro ou do seu império sem aceitar mais império algum inclusive da Europa social democrata e pelo visto apostam no fracasso da UE pois sabemos que foi a extrema direita americana que acabou influenciando o resultado do Brexit que esta enfraquecendo a Inglaterra antes mesmo de começar, embora demorem para sair deste chove e não molha e voltarem para a EU e isto pode custar caro aos ingleses. O Plano dos EUA e da CIA e NSA certamente era enfraquecer também a UE com a Inglaterra continuando colonia americana na Europa ou posto avançado como Israel patrulhando o mundo, mantendo a guerra fria com a OTAN acuando a Russia e China mas furou…afunda….

Responder

Alan C

09 de abril de 2019 às 23h06

Tá todo mundo se arrumando, a China com os EUA na questão da soja, agora a China com a UE, só quem não consegue nada e ainda faz “acordos” que só beneficiam o outro é a mula do bozo.

Vai braZil

Responder

Admar

09 de abril de 2019 às 21h03

Por aqui o JegueNalro nos colocou de 4 diante dos ianques!

Responder

Paulo

09 de abril de 2019 às 20h10

Direitos humanos? Na China? Acho que isso ainda vai demorar um pouco. Isso é coisa da civilização ocidental, não entra no ideário oriental, mais coletivista e menos individualista…porém, a UE fará vistas grossas, olhos de mercador, para a questão…

Responder

    lucio

    09 de abril de 2019 às 23h38

    só no rio em 2018 mil pessoas mortas por policiais açogueiros… direitos umanos ocidentais, kkkkkk

    Responder

Deixe uma resposta