Audiência de Glenn na Câmara dos Deputados (ao vivo)

100 dias de Witzel: servidor e aposentado do Estado prepare-se para ficar sem receber

Por Leonardo Giordano

11 de abril de 2019 : 10h59

Os problemas do Estado do Rio são muitos, e agudos. Em um contexto extremamente difícil, tem passado despercebida a apagada atuação do Governador. Talvez pelas estridentes polêmicas do Bolsonarismo – de seus “Golden Showers” às diárias revisões de ditos e desditos, ou talvez por uma adoção da sabedoria de Maurice Switzer, onde “é melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do que falar e acabar com a dúvida” – até aqui a marca da gestão Witzel tem sido um silêncio lacônico, à beira do precipício, para os temas decisivos ao futuro do Rio.

Chamo atenção, por exemplo, para a crise fiscal que foi tema central do período Pezão. O Estado quebrou, a paralisia dos serviços públicos matou gente e maltratou o funcionalismo e aposentados. Inventou-se o tal “regime de recuperação fiscal”, mero paliativo, que desde o nascimento jamais se propôs a recuperar coisa alguma. Sendo simples suspensão dos pagamentos ao Governo Federal com juros (duros) adiados por três anos e com possibilidade de extensão por outros três, ao fim esta dívida gigantesca voltará na cabeça do povo do Rio, toda de uma vez. Não precisa ser astrólogo, filósofo ou guru espiritual de teorias conspiracionistas para profetizar: se o governador não se mexer muito mais, o Estado vai quebrar. De novo.

Antes de qualquer dúvida sobre a origem ideológica dessa afirmação, vinda de “um comunista que disputou eleições contra Witzel”, é necessário reivindicar o caráter implacável da matemática. Ela, a matemática, tem essa inconveniência de importar-se muito pouco com ideologias.

Em recente entrevista para o jornal Valor Econômico, é o próprio Secretário Estadual de Fazenda, Luiz Cláudio de Carvalho, quem diz que a dívida do Rio com o Governo Federal é “impagável” e que o Rio está num leito de morte. Esta dívida está caminhando para 237% da Receita Corrente Líquida (RCL). O Governo Federal já avisou: não vai renovar o acordo, nem estender a mão. Com Paulo Guedes obcecado em economizar um trilhão na Deforma da Previdência e pouco sensível a qualquer tragédia social que isto represente, poderá ser acusado de tudo, menos de incoerência. Os interesses são antagônicos. Vai dar ruim.

Não há saída para o Rio sem revisão do pacto federativo. O Governador deve se colocar em defesa do Estado, de forma pública e muito firme. É urgente. Enquanto isso não acontece é muito importante avisar ao funcionalismo, aposentados e fornecedores do Rio: poupem e preparem-se, aproxima-se uma nova – e imerecida – tragédia social sobre todos nós.

Leonardo Giordano é vereador pelo PCdoB em Niterói e foi candidato a Vice-Governador na chapa encabeçada por Márcia Tiburi nas últimas eleições.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

JAIR DE FREITAS JUNIOR

12 de abril de 2019 às 13h15

Quando um candidato que se elege com a unica plataforma de resolver o problema de seguranca publica matando e com atirador de elite.
Como vc espera que ele resolva, se resolver, os outros problemas?
É razoavel pensar que se ele tem um problema com os funcionarios aposentados por exemplo. De que maneira vc acha que ele trataria esse problema?
Lembra que ele não tinha plantaforma alguma senão a do tal atirador de elite…
Pensa aê…

Responder

    lucio

    12 de abril de 2019 às 13h30

    nem o problema da segurança vai resolver, pelo simples motivo que no brasil SEMPRE E SÓ se tentou resolve-lo na bala… e se nao foi resolvido até agora…

    Responder

Paulo

11 de abril de 2019 às 18h23

Até que ponto a crise do Rio pode ser debitada à “maldição do petróleo”?

Responder

Justiceiro

11 de abril de 2019 às 18h06

É muita canalhice!

Esse sujeito quer que o governador conserte o que os aliados de Lula destruíram nos últimos 16 anos?

É igual a nível federal. Todo dia tem petista na Câmara reclamando dos 13 milhões de desempregados, do crescimento de 1% do PIB, da falta de dinheiro nos Estados e Municípios…

Cala a boca, magda.

Responder

Alan C

11 de abril de 2019 às 13h31

Projetinho de Hitler.

Responder

Sergio Araujo

11 de abril de 2019 às 12h11

A farra e a robalheira sem limites com o dinheiro publico foram o marco do Brasil dos ultimos 15/20 anos, Rio infelizmente representa isso perfeitamente.

Todo mundo a partir de quem fèz campanha pessoalmente para eleger o Cabral sabia perfeitamente do que acontecia no Rio.

Rio de Janeiro jà era.

Responder

    Ricardo

    11 de abril de 2019 às 20h02

    “Todo mundo a partir de quem fèz campanha pessoalmente”. Se está falando de Lula e Dilma, você está mentindo. Esses dois nunca sabiam de nada ! kkkkkkkk

    Responder

Renato

11 de abril de 2019 às 11h59

“Ela, a matemática, tem essa inconveniência de importar-se muito pouco com ideologias.”. Ué e desde quando comunista/petista se preocupa com matemática ? Afinal, como dizia nossa “Incompetenta Presidenta”….Gasto Público é vida , meu filho !

Responder

Renato

11 de abril de 2019 às 11h55

Enquanto Lula , Dilma , Cabral e Eduardo Paes queimavam dinheiro público com olimpiadas , copa do mundo e com a corrupção , o Pacto Federativo funcionava muito bem, né !

Responder

    Ultra Mario

    12 de abril de 2019 às 02h31

    “m-mas e o petê??!1”

    muda o disco

    Responder

Renato

11 de abril de 2019 às 11h51

“Não há saída para o Rio sem revisão do pacto federativo”. Durante os dezesseis anos de (des) governo do Petê, não lembro do vereador ter cobrado a tal revisão do pacto federativo. Por que só agora, vereador ??

Responder

Deixe uma resposta

x
WP2FB Auto Publish Powered By : XYZScripts.com