Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

500 dias: a ordem que nos aprisiona matou Marielle Franco

Por Guto Alves

27 de julho de 2019 : 19h05

Há algo de bagunçado em nós quando entendemos o mundo. Há uma desordem latente no olhar que vem à tona quando descobrimos a vida, o olhar do medo e da realidade que aniquila. É uma bagunça que desorganiza tudo, inquietante, que vê, a solavancos, tudo desmoronar. Nada mais parece real e nós, nós parecemos sonsos. Tontos.

Marielle Franco bagunçava a ordem regimentada. Marielle se tornava, aos poucos, a desordem regimentada. Sentava no lugar de homens brancos e questionava o que estes faziam. Questionava porque é que teve que se bagunçar tanto, desordenar-se tanto a ponto de se transformar em estandarte de uma luta. E então, o silêncio. A ordem se impõe.


A bagunça pode até ter voz, mas nunca vez. O salutar é que fiquemos em casa, seguros com a justiça que nos deixa, em verdade, humilhados por precisarmos dela. Em casa, abrigados, fazemos da ordem o estabelecimento que nos deixa viver, enquanto morrem dentro dessa desordem que, às vezes, e só às vezes, nos permitimos fazer parte.

Enquanto vivemos esta vida de sonsos úteis, que somos, e aqui roubo as reflexões acerca do abuso e dos valores sobre a vida e sobre a morte de Clarice Lispector, digo que há muita morte lá fora. Há bagunça e desordem desdobradas de nossos entendimentos. Enquanto nos aquecemos com um chá, um livro ou nosso iPhone, há sangue escorrendo em becos de lama. Da lama que somos nós.

Quando morre Marielle, morro eu. Dentro do direito sagrado de viver, o direito justo, quando morre alguém, este alguém sou eu. Quando a um ser humano lhe é arrancado a vontade de viver em face da vontade de matar, me tiram um pouco a vontade de viver.

No fortuito destino Marielles nascem nas favelas e lhe são tirados todos os direitos a que temos por inocentemente acreditar que existe um mundo melhor, que há paz, que há justiça — sem ser a do teto que me protege. Porque este teto que me protege não protegeria aos que a vida lhes tirou no destino.

Quem és tu, Marielle Franco?

Que me rasga o peito em cada tiro que levou. Que me atira na lama em cada palavra que ouço, agora após sua morte, quando meu peito se enche de desgraça em pensar: que justiça, que teto, que ordem me acolhia que não lhe dei as mãos e fui lutar junto a ti? Talvez fosse meu o primeiro tiro. E não posso mais dizer que seus tiros são meus, porque não sei quais foram seus caminhos, Marielle. Eu estava dentro de casa, nunca cresci na favela e nas minhas redes sociais vejo pelejas sutis que te mataram antes mesmo de você morrer. De todos os tiros, talvez nenhum fosse meu. Mas talvez eu fosse um deles.

Uma das balas pode ter sido a minha inércia, a minha ordem ao enxergar a desordem, Marielle. O primeiro tiro em sua direção era um grito uníssono lhe exigindo o silêncio. Era um pisão forte em sua cabeça para que aprendesse a lição. O primeiro tiro lhe invadia o corpo carregando o peso de todos que apontam, diariamente, os dedos, Marielle. O segundo tiro foi para machucar, foi para lhe lembrar que a força dói, que a desordem tem um preço. O terceiro tiro lhe matava. No terceiro tiro você morria para lhe lembrar que a vontade de viver era uma força menor que a vontade de matar. E o quarto tiro era a própria vontade de matar, com sangue, com brutalidade, com a força de quem tem a leveza da justiça como teto. Como nós. E por fim, éramos todos um pouco de cada bala em seu corpo, Marielle. Quem mandou?

Da desordem à ordem, nos caberia agora entender e lamentar a morte de Marielle. Pois cabe ao clamor humano chorar sua perda, revoltar-nos pela brutalidade com a qual foi assassinada. E a desordem nos chama ao pavor de descobrir que vivemos em uma realidade paralela, controladora, onde a boa política nunca terá a força necessária sobre a ganância do dinheiro. Porque debaixo dos nossos tetos, estamos por ele, estamos pelo dinheiro. Quem mandou te matar, Marielle?

Ao olharmos para o lado, a ordem se faz sentir em cada olhar. Um olhar limitado, que envolve sua realidade minúscula, que não entende porque Marielle deve ser lembrada pela mulher preta que lutava. Que não entende que o silêncio de Marielle nos leva ao nosso próprio e inerte silêncio. Que trata-se de um crime político. Que trata-se de uma atentado às nossas casas, aos nossos tetos e ate mesmo a nossa ordem. Quem mandou te matar, Marielle?

Quem és tu, Marielle Franco?

Mas somente sendo doido, maluco, condenado socialmente para defender as ideias e os ideais que dentro de um corpo pode haver uma pobre alma que padece, que não teve cuidados, que não acessou o seu mais íntimo amor porque as quatro balas de Marielle lhes roubam isso desde que a vida se fez no morro. Somente sendo desordenado por dentro de nossas cabeças, e assim nos chamarão, para descobrirmos que as balas que aniquilaram Marielle voam sobre nossas casas há décadas, rasgaram sua pele e procuram pela próxima voz.

E em mim, ainda que morto, alguma coisa acende quando morre Marielle. Quando sinto o silêncio obscuro pela morte de Marielle. Quando pergunto: quem mandou matar Marielle? Quando vejo o escárnio e o desleixo no modo como conduzem os seus discursos aqueles que matam marielles. Essa coisa é uma coisa que faz de fato se entender. É a mesma coisa que fez Lispector se estarrecer com a morte de Mineirinho a treze tiros pela polícia, porque a primeira bala pode até acender uma segurança, mas as outras doze eram a brutal fome de desmentir nossa mais pura verdade, aquilo que vemos de nós no outro, era a mais pura e bruta vontade de matar. E que somos incapazes de nos sensibilizarmos. Afinal, quem mandou matar?

Quem eras tu, Marielle Franco?

Era por isso que Marielle existia. Marielle interpelava as 13 balas de Mineirinho. Marielle tinha este algo dentro dela que bagunçava tudo, que colocava em desordem toda essa ordem. E Mineirinho, o bandido de Lispector que por certo seria defendido por ela, lhe emprestou quatro balas. Quatro balas cheias de vontade de matar, da monstruosidade, de desesperança, de entrega, de desistência.

Marielle é a que se deu conta que há que se levantar e gritar contra a justiça, contra o teto, contra a casa que nos aprisiona. Marielle não queria esta casa. Marielle não queria viver ali, padecida. Marielle não ficava muda diante da morte. Marielle viu que éramos todos escuros, tristes, apodrecidos.

Marielle via vida na morte dessas pessoas abandonadas. E Marielle foi morta. Na tentativa de nos salvarmos de nossos crimes particulares, quatro tiros a levaram. E na certeza de que Marielle significou e significa tanto e tantos nesta vida, hoje eu morro um pouco também, mas planto a desordem em mim.

Mesmo atordoado, permanecerei atento.

500 dias sem Marielle e ainda não sabemos quem mandou matar e por qual razão a mataram.

A morte de Marielle representa um divisor de águas na política recente: só recuperaremos nosso futuro se esclarecermos nosso passado.

É fundamental saber quem mandou matar Marielle Franco


Guto Alves

Guto Alves, 27, é jornalista e produtor no Rio de Janeiro Twitter: @gutoalvesp

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

19 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Henrique

28 de julho de 2019 às 18h35

Eita defunta dificil de morrer. Deixem a defunta em paz. Cuidem dos vivos e deixem esse cadáver apodrecer em paz !

Responder

    Carlos Marighella

    29 de julho de 2019 às 12h51

    Item primeiro da lista de desejos da direita.

    Responder

    Marcio

    29 de julho de 2019 às 13h09

    Atè cadaver conseguem explorar politicamente, lixo puro.

    Responder

João Ferreira Bastos

28 de julho de 2019 às 11h09

Quem pagou 200 mil pro vizinho do miliciano assassinar a Marielle ?

Será que os 200 mil que o vizinho recebeu da jbs, foram os mesmos entregues para assassinar a Marielle ?

tudo indica que sim

Responder

    Marcio

    28 de julho de 2019 às 11h18

    Eu.

    Sim, foram esses mesmo, confirmado.

    Kkkkkk

    Responder

    Alan C

    28 de julho de 2019 às 13h37

    Os 200 mil que em qq lugar do planeta se chama lavagem de dinheiro, menos na bozolândia, rs.

    Responder

Paulo

28 de julho de 2019 às 10h51

Quem matou Toninho do PT?

Responder

Marcio

28 de julho de 2019 às 10h42

Quem matou o Homem Aranha…?

Responder

Renato

28 de julho de 2019 às 10h20

Meu Deus; ainda esse mimimi de Marielle? Marielle está morta. Deixem a defunta em paz. Vamos cuidar dos vivos !

Responder

Bozonaro

28 de julho de 2019 às 10h12

Quem matou Wladimir Herzog?

Responder

Ivan

28 de julho de 2019 às 08h21

Quem matou Teori?

Responder

Fernando

28 de julho de 2019 às 07h54

Quem matou Celso Daniel?

Responder

Alan C

27 de julho de 2019 às 22h23

Quem matou Marielle?
Cadê o Queiróz?

Responder

    Renato

    28 de julho de 2019 às 10h18

    Queiroz eu não sei ; mas Lula está preso; babaca ! kkkkkkkkkkkkkkk

    Responder

      Alan C

      28 de julho de 2019 às 16h28

      “Queiroz eu não sei” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder

    Marcio

    28 de julho de 2019 às 11h19

    Queiroaz tà na casa dele assando carne.

    Responder

Marcio

27 de julho de 2019 às 22h10

Quem é Mariele Franco ?

Responder

    Alan C

    28 de julho de 2019 às 16h30

    Uma inocente que a bozolândia/milícia assassinou.

    Responder

Paulo

27 de julho de 2019 às 22h04

Eu posso estar enganado – sempre podemos -, mas, para mim, o assassinato da Marielle foi um crime comum. Só pode ser havido como crime político na medida em que ela era uma parlamentar no exercício do mandato. Mas a motivação, parece-me, encontra raiz mais profunda no crime organizado, de traficantes ou milicianos…

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?