Coletiva de Rodrigo Maia (ao vivo) sobre medidas contra a crise

Brasil importou R$ 320 bilhões em óleo diesel nos últimos 15 anos

Por Miguel do Rosário

17 de fevereiro de 2020 : 11h24

O Brasil é um país original.

No momento em que suas exportações de petróleo batem recorde histórico, atingindo mais de US$ 30 bilhões em 2019, a nossa balança de pagamentos piora.

A razão disso, naturalmente, é o aumento da importação de manufaturados, entre os quais os derivados de petróleo tem grande participação.

O Cafezinho não cansa de bater na mesma tecla: os maiores gastos da nossa balança comercial continuam sendo derivados de petróleo, mesmo com o país possuindo toda a infraestrutura, tecnologia, matéria-prima e mão-de-obra necessárias para produzir tudo aqui.

Nos últimos 12 meses terminados em janeiro, a importação brasileira de diesel cresceu 22,5%, totalizando 11,34 milhões de toneladas, o segundo recorde histórico; o recorde ficou com o período 2017/2018, quando o país importou 11,7 milhões de toneladas de diesel.

Para os EUA, nosso principal fornecedor, foi um recorde histórico: as importações brasileiras de diesel americano totalizaram 5,6 milhões de toneladas, alta de 12% sobre o ano anterior, que já havia sido um recorde.

Para entender o que significa a importação de diesel, e apenas do diesel, para a nossa balança de pagamentos, somamos as importações de diesel dos últimos 15 anos (2006 a 2020), sempre usando o período acumulado de 12 meses que vai de fevereiro de um ano a janeiro do ano seguinte.

Resultado: nos últimos 15 anos, o Brasil importou um total de US$ 74 bilhões em óleo diesel, ou o equivalente, em moeda nacional, a R$ 320 bilhões.

Apenas para efeito de comparação, o Plano Marshall, a grande ajuda financeira do governo americano para a reconstrução da Europa, após a II Guerra, equivaleria, a valores de hoje, a cerca de US$ 100 bilhões. Ou seja, apenas a importação brasileira de diesel em 15 anos correspondeu a 74% do valor do maior plano de assistência internacional da história da humanidade.

Considerando somente as importações de diesel dos Estados Unidos, o Brasil gastou US$ 34 bilhões nos últimos 15 anos, ou R$ 147 bilhões.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

37 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Carlos Jorge Martins

17 de fevereiro de 2020 às 20h22

Na verdade não precisamos importar Diesel americano isso é mais um tratado de colonialismo.
É um Lobby forte americano sobre os políticos brasileiros.

Responder

Robert

17 de fevereiro de 2020 às 15h52

E agora, a idiotia da direita golpista, feliz da vida, celebra a venda da Petrobras sob os argumentos mais manjados da paróquia, fabricados sob medida pelos think tanks financiados por… (hahahahaha). Finalmente agora o preço da gasolina e dos demais derivados do petróleo serão baratinhos (hahahahahahaha), finalmente agora não haverá mais corrupção de nossas instituições democráticas relacionadas ao dinheiro do petróleo (hahahahahahahahaha).

E por aí segue a idiotia da direitralha.

Responder

    Sonic

    17 de fevereiro de 2020 às 16h28

    Até que enfim paramos de pagar prejuízos bilionários. Grande Dia !!

    Responder

Evandro Garcia

17 de fevereiro de 2020 às 13h17

Hà fonte melhor para arrecadaçào de impostos que gasolina e diesel…? Precisa dizer mais…?

Responder

    Alan C

    17 de fevereiro de 2020 às 13h32

    Não! Por isso que precisa produzir.

    Excelente comentário vindo de um bozotrouxa, valeu Gleisi.

    Responder

      Abdel Romenia

      17 de fevereiro de 2020 às 13h43

      Produzir sem dar prejuizo possivelmente, investir no que dà prejuizo nào, obrigado.

      Responder

        Alan C

        17 de fevereiro de 2020 às 13h46

        Agora já foi Gleisi, relaxa, o carnaval tá chegando.

        Responder

          Abdel Romenia

          17 de fevereiro de 2020 às 14h19

          Concordo, agora é tarde…já era.

    Hilux12

    17 de fevereiro de 2020 às 13h46

    Claro que não, è por isso que os combustiveis são entupidos de impostos.

    Responder

      Ivan

      17 de fevereiro de 2020 às 16h31

      Nos governos anteriores o imposto era o mesmo, não há nenhuma diferença, PIS/COFINS, ICMS e CIDE.

      Responder

        Andressa

        17 de fevereiro de 2020 às 16h54

        Em 1970 também.

        Responder

          Justiceiro

          17 de fevereiro de 2020 às 17h33

          Desde 1953 quando a empresa foi criada.

          Andressa

          17 de fevereiro de 2020 às 18h14

          Pois é…

          Qual produto nào sobe de preço no tempo… ?
          A energia custava quanto 30 anos atràs…?

          Cada Zé Ruela….

          Alan C

          17 de fevereiro de 2020 às 20h15

          Só faltou o Gleisi dizer que a energia operava com 70% da capacidade rsrsrsrsrs

          É cada bozotrouxa que pqp

        David

        17 de fevereiro de 2020 às 17h13

        A inflação fechou na casa de zero.

        Responder

Rosa

17 de fevereiro de 2020 às 13h15

Passo a palavra aos caminhoneiros.

Responder

Assis

17 de fevereiro de 2020 às 13h14

Como gostam de jogar dinheiro fora e depois querem privatizar a petrobras.
Isso tudo poderia ser comprado de refinarias da petrobras e gerar riqueza dentro do pais.

Responder

    esteban chorizo

    17 de fevereiro de 2020 às 13h23

    E’ verdade, na Abreu e Lima no Brasil e na de Pasadena là fora.

    Responder

Heitor

17 de fevereiro de 2020 às 13h12

Bolsonaro não resolve nada e só fica de fake news.

Responder

Alan C

17 de fevereiro de 2020 às 12h31

E hoje tem 30% do seu parque de refino inativo que bolsotrouxa nenhum consegue explicar…

Greve dos petroleiros para que, entre outras coisas, o Brasil pare com a medida Pedro Parente/MiShell Temer, e mantida pelo circo da bozolândia, de seguir com a cotação internacional nos postos, medida que nenhum país do mundo faz contra seu próprio povo.

Petrobrás produz um barril de óleo a $40 e “vende” no mercado interno pelo dobro. Me digam um país do mundo que faz isso, umzinho só….

O povo brasileiro está sustentando investidor estrangeiro da Petrobrás (quase todos adivinhem de onde?) desde 2016.

Responder

    sanfoneiro

    17 de fevereiro de 2020 às 12h41

    Porque nào se sustenta, produzindo ao 100% da capacidade até a vida util a Abreu e Lima da prejuizos bilionarios….que pergunta é essa ?

    Viva Chavez, Viva Lula, Viva la Revolucin !! kkkkkkkkkkkkkk

    Responder

      Alan C

      17 de fevereiro de 2020 às 13h03

      As refinarias estarem com capacidade reduzida é culpa de uma refinaria que nem existe? É isso????

      kkkkkkkk porra giilherme!! huahuauhauhauhauhauhahu

      Responder

        Wellington

        17 de fevereiro de 2020 às 16h01

        “A estatal já operou com nível de utilização superior a 90%, durante o início dos anos 2010, quando o consumo de combustíveis no Brasil registrava grande crescimento. Naquele período, porém, a área de refino da empresa apresentava prejuízos bilionários.

        Entre 2011 e 2013, as perdas foram de R$ 50,6 bilhões, resultado de uma política de represamento de preços dos combustíveis durante o primeiro governo Dilma Rousseff. Em 2014, com efeito também de baixas contábeis relacionadas a corrupção e projetos deficitários, o prejuízo do segmento foi de R$ 38,9 bilhões.”

        Responder

          Selma

          17 de fevereiro de 2020 às 16h20

          Monopólio com prejuízos não né Zé.

          Alan C

          17 de fevereiro de 2020 às 17h43

          kkkkk pois é, só faltou a Gleisi falar quanto tava o litro da gasolina em 2010.

          Andressa

          17 de fevereiro de 2020 às 18h18

          Tava mais cara que em 2000, que tava mais cara que em 1990, que tava mais cara que em 1980…

          E’ cada Zé Ruela…

          Evandro Garcia

          17 de fevereiro de 2020 às 18h21

          Refinar petroleo e dar prejuizo…deve ser uma piada mas nào é.

          Carmelo

          17 de fevereiro de 2020 às 18h25

          A gasolina é “barata” (barata a gasolina nunca foi) mas a empresa estatal dà prejuizo…fàz sentido ?

          Entra pela porta e sai pela janela…Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          Alan C

          17 de fevereiro de 2020 às 20h17

          É uma piada que a gente ri da tua cara, sacou? Não né…. rsrs

    samantha

    17 de fevereiro de 2020 às 13h01

    Os Brasileiros pagam quase 100% de impostos na gasolina. O ICMS em tudo que é produto que viaja entre os estados é um imposto desgraçado do capeta.

    A gasolina no Brasil è mais barata que na Europa ocidental onde tambem segue a cotaçào internacional obviamente (1,60 € em media x 4,70 R$ = 7,52 R$).

    E’ o investidor estrangeiro que està sustentando a Petrobras (como qualquer outra empresa cotata nas bolsas internacionais) pois se depender dos brasileiros jà estava falida hà decadas. Sem contar que quando “alguem” colocou o bico no preço da gasolina quase quebra de vèz.

    A conta da Abreu e Lima, da ladroagem desgraçada, do petrolao, dos contratos falsos do PT em troca de propina e de quem sabe quantas porcarias imundas estào embutidas no preço da gasolina.

    O estado brasieliro é de longe um dos mais ricos do mundo e os brasileiros sào entre os mais pobres, o resto é ideologia.

    Responder

Andressa

17 de fevereiro de 2020 às 11h34

Histórico da obra

Em 2005, foi anunciado que a Refinaria Abreu e Lima sairia por US$ 2,4 bilhões e seria construída pela Petrobrás e pela estatal de petróleo da Venezuela PDVSA. Em dezembro daquele ano, os então presidentes Lula e Hugo Chavez lançaram a pedra fundamental do empreendimento. Dois anos depois, mesmo sem ter chegado nenhum dinheiro da Venezuela, Hugo Chavez reclamou do atraso no cronograma.

Em setembro de 2007, Lula veio acompanhar a terraplenagem. Naquela época, a previsão era inaugurar em agosto de 2010. Em 2009, a Petrobras disse que havia um erro nos cálculos do valor da refinaria e que o custo real seria de US$ 13,4 bilhões, ou seja, cinco vezes mais alto. No mesmo ano, Dilma Rousseff, que era ministra-chefe da Casa Civil, visitou o canteiro de obras. Uma nova data foi anunciada: ficaria tudo pronto no primeiro semestre de 2011.

Porém, em 2010, o Tribunal de Contas da União recomendou a paralisação dos serviços, porque havia indícios de sobrepreço. A Petrobras informou que os gastos não eram abusivos. Em 2013, a Venezuela desistiu da parceira e o Brasil teve que arcar com os custos. No final daquele ano, a presidente Dilma Rousseff veio a Pernambuco e garantiu a conclusão dos trabalhos em 2014.

Além de óleo diesel, seriam produzidos gás de cozinha e coque de asfalto. Mas, em março de 2014, a Operação Lava Jato começou a expor um esquema de corrupção na Petrobras, o que atingiu as obras, que chegaram a empregar 45 mil pessoas. As construtoras atrasaram os salários dos operários, houve protestos e vieram as demissões. Até que, em dezembro de 2014, a Refinaria Abreu e Lima começou a funcionar, mas parcialmente: das duas unidades de refino, chamadas de trens, cada uma com capacidade de processar 115 mil barris de petróleo por dia, apenas uma ficou pronta e iniciou a produção diária de 73 mil barris.

Após a obtenção de uma licença ambiental, em janeiro deste ano, foi possível aumentar a quantidade para 100 mil barris de petróleo por dia, mas apenas na Unidade I. Denúncias envolvendo as empreiteiras que construíram a Refinaria Abreu e Lima deixaram a situação mais complicada, pois os pagamentos às construtoras foram suspensos. Em maio de 2015, deputados da CPI da Petrobrás vieram a Pernambuco.

Responder

    Evandro Garcia

    17 de fevereiro de 2020 às 11h36

    “Dois anos depois, mesmo sem ter chegado nenhum dinheiro da Venezuela, Hugo Chavez reclamou do atraso no cronograma”.

    Estou morrendo de rir aqui sozinho:
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder

    David

    17 de fevereiro de 2020 às 17h03

    “Em 2013, a Venezuela desistiu da parceira e o Brasil teve que arcar com os custos. No final daquele ano, a presidente Dilma Rousseff veio a Pernambuco e garantiu a conclusão dos trabalhos em 2014.”

    Chavez, Lula e Dilma na fita já pode saber…Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder

    Votin Rabah

    18 de fevereiro de 2020 às 08h43

    pqp o cara já é um troouxa e escreve 8465 linhas e quer que eu leia

    Responder

Evandro Garcia

17 de fevereiro de 2020 às 11h32

http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2016/04/refinaria-abreu-e-lima-nao-esta-pronta-apos-mais-de-8-anos-de-obras.html

66,5 bilhoes…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

    Andressa

    17 de fevereiro de 2020 às 11h43

    O Templo Sagrado da Desraça esquerdista…o que fizeram com a Abreu e Lima é o mesmo que fizeram com o Brasil em escala maior, nada mais.

    Deascanse em Paz.

    Responder

      Alan C

      17 de fevereiro de 2020 às 20h18

      Calminha gleisi, ta nervoso??? Vai cheirar 39 Kg com a bozofamily pra desestressar rsrs

      Responder

Deixe uma resposta