Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Imagem: Getty Images

Elias Jabbour: Covid-zero na China e a pós-verdade

Por Redação

17 de maio de 2022 : 11h51

Por Elias Jabbour

O ressurgimento com força do fascismo no ocidente, principalmente nos EUA, fez emergir uma série de fenômenos do chamado campo da subjetividade com finalidades políticas específicas.

A difusão de fake news é uma delas. Uma mentira não é somente contada mil vezes, mas milhares de vezes e espalhadas por redes sociais controladas pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos com a clara intenção de desestabilizar governos e sociedades. As fake news são parte de um fenômeno que os filósofos chamam de “pós-verdade”.

A pós-verdade é Informação que distorce deliberadamente a verdade, ou algo real, caracterizada pelo forte apelo à emoção, e que, sob forte base opiniões historicamente distorcidas, em detrimento de fatos apurados, tende a ser aceita como verdadeira, influenciando a opinião pública e comportamentos sociais. A China no ocidente é o alvo preferido dos dois fenômenos, as fake news e a “pós-verdade”. 

Nenhum país no mundo é vítima de tantas mentiras criadas por seitas de extrema-direita sediados no coração do imperialismo como a China. A política de Covid zero implementada pelo governo chinês como forma de redução máxima de danos da pandemia é um exemplo claro de pós-verdade.

Vamos imaginar uma hipótese: um país não soube lidar com a pandemia e perdeu mais de um milhão de vidas. Outro país colocou a vida humana na frente dos lucros empresariais e até agora não chegou a 5.500 mortes por conta desta pandemia.

Continuando, abrimos os jornais ocidentais e vemos uma notícia muito comum: “o fracasso da política de Covid zero na China”. Agora respondemos: Partindo deste tipo de matéria jornalística qual seria o país que não soube lidar com a pandemia e teve um milhão de mortos e o que fez o que deveria ter sido feito e calculou poucas mortes?

Evidente que no ocidente, e seu império de mentiras, as pessoas imaginam que na China milhões de pessoas “vítimas de uma ditadura” morreram por Covid-19 enquanto que nos Estados Unidos preservou-se a “liberdade individual” e assim tudo foi feito de forma correta. 

Isso é um exemplo de pós-verdade. A verdade é que enquanto o ocidente naturaliza a morte e fomenta a guerra, o socialismo salvou vidas e mesmo após certo controle da pandemia continua com uma política implacável de tolerância zero não com o vírus em si, mas contra a morte de pessoas.

A maior diferença entre socialismo e capitalismo em nossa época é que enquanto o capitalismo não demonstra o menor respeito pela vida humana e expõe pobres e minorias à morte por um vírus controlável, o socialismo em nenhum momento vacilou em quem vinha primeiro, a vida ou os lucros.

Trata-se e uma decisão soberana chinesa de manter essa política em detrimento de seus efeitos para a economia internacional. A culpa dos EUA terem se transformado em uma economia baseada na especulação financeira não é da China.

Cada país que busque soluções alternativas para seus problemas enquanto devem tentar aprender com outros países sobre as políticas certas. A “pós-verdade” impede que a humanidade tenha acesso ao que a China fez de forma exemplar durante a pandemia. O momento deveria ser de aprendizado com a China que se tivesse a mesma postura dos EUA estaria com cerca de sete milhões de mortes!

O que o mundo deveria saber é que a China, ao contrário dos Estados Unidos que negou o direito humano básico de assistência médica decente capaz de salvar vidas de pobres, negros e latinos e onde o tratamento para Covid-19 custava até US$ 25 mil, a China construiu um sistema único capaz de identificar fontes de infecções e 13,1 mil instituições médicas com capacidade de teste com 51,65 milhões diários. Algo inigualável no mundo.

O ocidente, tendo à frente os Estados Unidos, não somente se transformou em um ninho de seitas de extrema-direita, negacionistas da ciência, onde fanáticos religiosos minam esforços de profissionais médicos e que está a entregar bilhões de dólares em armas para uma “guerra infinita” da Ucrânia contra a Rússia e lança milhares de mentira diárias contra a China.

O momento é de cooperação mútua entre todos os povos e nações na busca por soluções a problemas comuns a toda humanidade. O socialismo mostra sua superioridade. O ocidente reinventa a lógica nazista de transformar uma mentira contada mil vezes em verdade.

Elias Jabbour, professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE-UERJ). Artigo produzido em colaboração com a Rádio Internacional da China.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Neuma Lopes

18 de maio de 2022 às 12h57

Gostei bastante do artigo. Com uma linguagem acessível fez uma análise das diferenças entre China e Estados Unidos.

Responder

Paulo

17 de maio de 2022 às 22h33

Pós-verdade é dizer que Lula é inocente; e Moro, culpado…

Responder

Paulo Roberto dos Santos

17 de maio de 2022 às 18h09

Concordo. Tinha uma máxima que dizia “os números não mentem”.
Pois é … agora mentem.

Responder

Fanta

17 de maio de 2022 às 13h24

E’ normal uma pessoa acordar de manhà e escrever um texto para bajular a ditadura Chinesa ?

Estes comunistoides trogloditas deveriam ficar longe kilometros das faculdades (e de qualquer outra escola).

Responder

Bandoleiro

17 de maio de 2022 às 12h16

O ressurgimento com força do fascismo no ocidente…

Parei de ler nesse ponto, quem fala de “fascismo no ocidente” no ano de 2022 nao pode ser minimamente levado a serio.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina