Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

A história nos ensina ou ensinamos à história?

Por Miguel do Rosário

25 de fevereiro de 2014 : 11h47

Acabo de ler, no Conversa Afiada, um artigo do Breno Altman, editor do site Opera Mundi, que me provocou algumas reflexões. É um texto interessante, e eu gostaria de comentá-lo.

O título: “O que pode aprender o PT com os comunistas italianos?” traduz nossa mania intelectual (me incluo totalmente nisso) de achar que a história pode nos ensinar alguma coisa. Ela ensina, mas em se tratando de política, num mundo cada vez mais frenético e dinâmico, somos nós, talvez, que ensinamos à história. E por uma razão lógica: as circunstâncias de um acontecimento ou conjuntura política de trinta ou quarenta anos atrás, jamais se repetem. E mesmo se se repetissem, não caberiam as mesmas soluções. A história deve ser conhecida, em detalhes, em profundidade, justamente para não ser repetida, nem em seus erros, e talvez nem em seus acertos.

Mas isso são firulas. Vamos à essência do artigo. Altman inicia o texto relatando a decisão do Partido Comunista Italiano, em 1976, quando alcançou expressiva votação nas eleições parlamentares (36% do total de votos, quase o dobro do PT hoje), de compor com a Democracia Cristã, que era a centro-direita da época, e detinha a hegemonia no parlamento.

Embora sem afirmá-lo com todas as letras, está bem claro que Altman considera esse o pecado original do PCI. A decisão partidária seria o estopim do surgimento de dissidências radicais, algumas violentas, como as Brigadas Vermelhas. Vários atentados ocorrem na Itália, e por fim as Brigadas sequestram Aldo Moro, respeitado líder da Democracia Cristã, produzindo uma grande comoção nacional, contra a violência e contra o terrorismo político.

Nas palavras de Altman: “O PCI vive, então, um impasse. Romper com a política de solidariedade nacional, defendendo a Constituição e recompondo sua influência à esquerda. Ou manter seu compromisso com a DC, abraçando as políticas repressivas. Prevalece a segunda hipótese. A Itália passa a ter juízes sem rosto, suspensão de garantias constitucionais, aceitação de culpa por presunção, repressão massiva sem ordem judicial. Com o aval comunista.”

Aí se daria o segundo grande erro do PCI, segundo Altman. Depreende-se de seu artigo que o PCI deveria ter rompido com a política de alianças. É um tanto problemático dar lições ao que um partido deveria ter feito há quarenta anos. É extremamente difícil reconstituir a atmosfera política da época, os cálculos feitos, os debates travados. Como o partido comunista italiano possuía os melhores quadros intelectuais do país, herdeiros das teorias socialistas mais modernas e democráticas do Ocidente, imaginemos que eles tenham tomado a decisão que consideravam a mais acertada, para a sobrevivência do partido e para os objetivos que se propunham.

Os trágicos acontecimentos forçam o partido a aderir a uma política de repressão que a sociedade italiana passara a desejar com aquela euforia doentia e vingativa na qual os europeus, tão civilizados, às vezes parecem mergulhar. É difícil julgar, de qualquer forma, uma sociedade que guardava ainda tantos traumas de guerra.

Mas não é tão dificíl imaginar que a violência da esquerda radical tenha despertado lembranças terríveis, do fascismo, das carnificinas, da política enquanto expressão da truculência e do arbítrio, e não mais do diálogo pacífico entre partes contrárias.

Entretanto, vamos problematizar um pouco. Vamos avaliar, apenas pelo amor ao debate, que tudo se deu ao contrário.

Imaginemos que a aliança do PCI com a democracia cristã, em 1976, tenha sido uma decisão correta, quase inevitável, um desdobramento lógico dos debates sobre o socialismo democrático, no qual a Itália havia sido uma das mais brilhantes pioneiras no mundo ocidental. A única maneira de se provar, concretamente, a adesão à doutrina democrática é fazer acordos políticos fora de seu partido, especialmente com forças ideologicamente diferentes. É muito fácil se dizer democrático e não fazer alianças. No norte da Europa, os socialistas também fizeram, na mesma época, alianças com a centro-direita e vinham se transformando, rapidamente, nos regimes mais socialmente justos do mundo.

Era uma tendência europeia, continente que abraçara a democracia com entusiasmo e alívio, depois do pesadelo fascista que levara milhões à morte e suas economias à beira da auto-destruição. Como reunir essa nova paixão democrática com o antigo amor europeu pelo socialismo?

Não era fácil porque a sociedade europeia, talvez mais que qualquer outra, era dividida entre direita e esquerda. Como conciliar os anseios por democracia e paz, tão gritantes, quase desesperados, em sociedades profundamente traumatizadas pela guerra e pela violência, com as clivagens políticas e ideológicas da realidade?

O partido comunista italiano, seguindo o exemplo de seus iguais na Escandinávia, resolveu fazer alianças. Isso não significava, necessariamente, um esvaziamento ideológico no campo de esquerda. Era democracia. A Itália havia se tornado, ao final da década de 70, um dos países com as melhores legislações trabalhistas do mundo – uma legislação que perdura, em grande parte, até hoje. Os salários haviam crescido. A Itália havia superado a terrível crise de pauperismo do pós-guerra e caminhava para se tornar uma das maiores potências industriais da Europa e do mundo.

O erro, portanto, talvez não tenha sido do PCI. O erro foi das correntes radicais, que deviam ter, como sempre tem (como tem no Brasil de hoje), seus professores, seus mestres, seus financiadores. A juventude é sempre a bucha de canhão. A violência das Brigadas Vermelhas foi uma das maiores idiotices históricas da esquerda. Tão idiota que envergonha a Itália até hoje, e o ódio irracional a Cesare Battisti é a prova disso, e pudemos ver, durante os debates sobre a tentativa de sua extradição, que a esquerda italiana é que mais o odiava, incluindo nosso querido Mino Carta.

Após a onda de repressão – que imagino ter sido causada por uma lamentável explosão emocional de uma sociedade traumatizada pela guerra e pela violência, associada à manipulação espertíssima de uma direita oportunista – o PCI consegue se recuperar. O país voltava à normalidade. Um novo pacto pela paz, ao qual o PCI não poderia deixar de aderir, sob o risco de ser massacrado, havia se firmado.

Nas palavras de Altman:

“O partido recupera um pouco de sua força. Com a morte súbita do secretário-geral, em 1984, chega aos 33% dos votos nas eleições européias e é, pela primeira vez, o partido mais votado da Itália. O “efeito Berlinguer”, no entanto, dura pouco. A decadência eleitoral e social se impõe nos anos seguintes. Uma forte corrente revisionista, forjada durante a política de solidariedade nacional, impede que se consume a guinada proposta pelo líder comunista antes de sua morte.”

A razão da vitória seria uma nova postura partidária, de confronto diante do conservadorismo, liderada por Berlinguer. E aí topamos com uma contradição: não era Enrico Berlinguer, secretário-geral do partido, justamente um dos defensores da política de alianças anunciada em 1976?

Sim.

Ora, coube ao destino que justamente o grande teórico da “concepção dialética da história” fosse um italiano, Antonio Gramsci, que propunha que os intelectuais jamais perdessem a conexão sentimental com o “povo nação” e suas “paixões elementares”. Ou seja, havia o momento de fazer alianças, havia o momento de rompê-las, de acordo com as circunstâncias que a história e a necessidade impunham.

Altman diz que o “efeito Berlinguer” dura pouco e uma “forte corrente revisionista, forjada durante a política de solidariedade nacional, impede que se consume a guinada proposta pelo líder comunista antes de sua morte”.

Pois é. Mas, repetindo, não fora justamente Berlinguer um dos teóricos da política de solidariedade?

O PCI, de fato, entra em decadência, mas tragado pelo fim do bloco socialista europeu. E aí temos uma situação quase irônica. A nova política de enfrentamento de Berlinguer não teria criado uma polarização e um tensionamento no momento errado? Berlinguer não poderia prever, claro, o súbito desmoronamento do bloco soviético. Mas quando este ocorre, a pedra que ele lançara com muita força na direção de seus adversários, voltaria com a mesma força na sua direção.

Isso faz parte, no entanto, da política. Era inevitável que o partido comunista italiano, um dos mais orgulhosos da Europa, com seus cineastas brilhantes (Ettore Scola, Visconti, Pasolini, todos comunistas), com seus escritores, as suas festas vermelhas em todo o país, sofresse profundamente com o debacle dos regimes do leste europeu e da União Soviética.

Até aí tudo normal, já que inevitável. A direita ergue-se, naquele momento, como uma força avassaladora, em todo mundo. No Brasil é diferente porque saíamos de uma ditadura de direita, e a esquerda, ao contrário, surgia como uma campeã da democracia. A esquerda brasileira que nascia do pós-ditadura, com a fundação do PT, respirava um outro ar. União Soviética e Leste Europeu eram mundos distantes. Não para a Itália, porém, vizinha do Leste Europeu. A esquerda italiana foi afetada de maneira profunda e inexorável pelo fim do comunismo europeu.

Até mesmo a mudança de nome do PCI para Partido Democrata não precisa ser condenada. Os estrategistas do PCI devem ter feito seus cálculos e entendido que, se quisessem disputar a hegemonia, precisavam mudar o nome.

O apoio ao neoliberalismo, à política norte-americana, ao conservadorismo (se é que aconteceram mesmo), esses foram possivelmente os grandes erros, que levaram o agora Partido Democrata a um papel subalterno. Inaugurava-se a era Berlusconi. O Roberto Marinho italiano era dono dos três principais canais de TV privados e, com a ascenção de seu partido, passou também a controlar os três principais canais públicos.

Felizmente, passados quase vinte anos, o pesadelo Berlusconi terminou e o Partido Democrata (ex-PCI) voltou ao poder. O novo primeiro-ministro, o jovem Matteo Renzi, substituiu há pouco outro representante do PD.

Mas deixemos a Itália com seus problemas para lá. Voltemos ao Brasil e vamos ao final do artigo de Altman.

“Mas não é o caso da esquerda brasileira e do PT aprenderem algumas lições com essa experiência? Não seria útil refletir o que acontece quando um partido de matiz socialista passa a defender os instrumentos de repressão de um Estado que segue sob hegemonia burguesa? Não seria importante pensar quais as consequências quando a esquerda abandona o papel de campeã radical da democracia para ser o partido de uma ordem que não é a sua?”

Aprender com a experiência alheia é sempre útil, mas as circunstâncias hoje são tão radicalmente distintas da Itália dos anos 70 ou 80 que não me parece o caso aqui. Sou contra a aprovação de qualquer lei que aumente a repressão a manifestações populares, mas vejo com bons olhos que se debata, por exemplo, a questão dos mascarados, porque os interpreto com uma ameaça ao próprio direito de manifestação.

Já participei de uma manifestação em que a ameaça não era a polícia. Eram os mascarados, que estavam ali precisamente para detonar o protesto. Haveria, ao final da manifestação, um debate público na Cinelândia sobre a democratização da mídia, que os black blocs impediram que fosse realizado porque iniciaram um enfrentamento – idiota e desnecessário – com a polícia e com manifestantes.

Se quisermos aprender com os erros da esquerda italiana, temos que observar que eles começaram não com a política de Berlinguer, de fazer alianças democráticas com outros partidos e outras forças, e sim, fundamentalmente, com a opção de setores radicais da esquerda pela violência política.

À esquerda contemporânea, ao menos no Brasil e redondezas, interessa a democracia e a paz. Tanto é que, na Venezuela, estamos testemunhando a quem interessa que os conflitos ideológicos e políticos se dêem em batalhas de rua. Manifestações populares são essenciais à democracia. Mas as ruas, como bem lembrou meu amigo e sócio Fernando Brito, não são a democracia. Se um milhão de pessoas saírem às ruas defendendo a ditadura, aceitaremos isso? Não. O Brasil tem 200 milhões de pessoas, e o único método confiável de estabelecer nossas diretrizes coletivas políticas fundamentais é através das urnas.

As ruas devem ser respeitadas e suas reinvindicações devem ser ouvidas, assimiladas e debatidas nas instâncias democráticas eleitas para isso. Mas jamais podem ser endeusadas. A direita começou a descobrir que, com o desgaste natural do governo, é muito mais fácil (e barato) para ela botar 1 milhão de pessoas na rua, gritando palavras de ordem contra o governo, do que obter 80 milhões de votos para eleger um presidente da república.

Se as ruas querem mudanças radicais, então que defendam o plebiscito proposto pela presidenta, de criar uma assembléia constituinte exclusiva, que elabore e vote uma reforma política. Seria uma mudança radical, e seria também um risco, porque mudanças radicais também podem ocorrer para pior, ainda mais num país cujo debate político é pautado por uma mídia extremamente concentrada em mãos de uma só família.

Se a Itália pode nos ensinar alguma coisa, aliás, é o perigo explosivo de unir poder e mídia, como foi o caso de Berlusconi. A família Marinho tem uma fortuna quase três vezes maior que a de Silvio Berlusconi, para vocês verem o perigo que estamos correndo.

Nosso combativo Altman encerra seu artigo com uma frase de efeito:

“Não seria importante pensar quais as consequências quando a esquerda abandona o papel de campeã radical da democracia para ser o partido de uma ordem que não é a sua?”

Só que não a entendi. A esquerda, historicamente, não é exatamente “campeã radical da democracia”, tanto é que a bela e antiga doutrina democrática foi esnobada, por muitas décadas, como um engodo burguês, e as Brigadas Vermelhas é um exemplo triste desse preconceito.

A esquerda latino-americana, todavia, traumatizada pela violência política e pela ditadura, abraçou a tese democrática com unhas e dentes. Não queremos saber de violências. Se a direita ganhar as eleições, aceitaremos na boa. Venceremos na próxima, como vencemos no Chile.

Quanto à expressão “uma ordem que não é a sua”, aí mora o perigo. Confusões semânticas já causaram guerras. De que “ordem” falamos? Se for a ordem democrática, então esta é sim, a ordem da esquerda e de seus partidos. Se como “ordem” entendemos o desejo conservador de manter as coisas como estão, imutáveis, então não é esta ordem que queremos.

Entretanto, as coisas estão paradas no Brasil? O salário mínimo tem se mantido estagnado nos últimos dez anos? Os programas sociais deixaram de crescer? O financiamento à agricultura familiar foi reduzido ou parou de aumentar? Não há obras de infra-estrutura em andamento?

Ora, as coisas estão mudando sim. Precisam mudar mais e mais rápido, e por isso precisamos trabalhar para construir uma efetiva hegemonia de esquerda no Congresso Nacional e no Senado.

A economia de qualquer país, contudo, é um ecossistema delicado, que precisa de ordem, paz, equilíbrio. Por isso a democracia é vencedora, porque ela é o único sistema que permite que as clivagens ideológicas lutem entre si de maneira pacífica, sem atrapalhar o cultivo do feijão e a produção de talheres, sem causar grandes transtornos, enfim, à economia real, que é o que põe a comida na mesa dos trabalhadores. Não é por outra razão que as revoluções só acontecem em momentos de terrível ruptura econômica, quando o povo, faminto, desesperado, desesperançado, não tem mais nada a perder.

Não é o caso do Brasil.

E ninguém me convencerá que chutar orelhões, destruir pontos de ônibus e “pressionar barras contra a estrutura do Itamaraty” constituem o prelúdio de uma revolução.

Então vamos trabalhar duro, que o povo quer ver resultados.

Temos, por exemplo, que organizar uma belíssima Copa do Mundo, para atrair muitos turistas e fazer muitos negócios, para que mais impostos sejam gerados e o Estado possa aumentar os investimentos em Saúde e Educação.

download

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ricardo

26 de fevereiro de 2014 às 21h21

Pelego, és tu?

Responder

Flavio de Oliveira Lima

26 de fevereiro de 2014 às 08h23

Miguel, simplesmente brilhante seu artigo. Respeitando o Breno, que merece respeito mesmo, você colocou tudo o que senti quando li o artigo dele, e mais um montão de informações e reflexões que não tinha conseguido fazer. Muito bom!

Responder

O Cafezinho

25 de fevereiro de 2014 às 16h30

quanto ao rompimento da aliança entre PT e PMDB no Rio, talvez as manifestações tenham influenciado sim. E daí? Inclusive temos que esperar pra ver se o PT não vai fazer um governo pior do que o de Cabral…

Responder

O Cafezinho

25 de fevereiro de 2014 às 16h29

Foi mesmo, Guilherme Preger.? Vou perguntar ao professor wanderley. Não acredito nessas verdades fáceis. De qq forma, não justifica nada. A capitulação, conforme eu penso, veio na sequência do fim do comunismo no leste europeu, que deve ter sido uma bomba atômica no colo do PCI italiano.

Responder

Guilherme Preger

25 de fevereiro de 2014 às 16h02

uma coisa que o Breno não diz (aliás, parece que ninguém por aqui admite) é que no Rio de Janeiro, o PT rompeu a aliança histórica com o PMDB graças à erosão da candidatura Cabral-Pezão devido às “violentas” ou mesmo “terroristas” manifestações. Duvido que esse rompimento teria ocorrido se a popularidade de Cabral estivesse na casa dos 70%, como estava há 8 meses atrás. Esse fato histórico ainda precisa ser melhor analisado, mas falta autocrítica ao “governismo-bloc”…

Responder

Guilherme Preger

25 de fevereiro de 2014 às 15h58

A aliança do PCI com a Democracia Cristã foi um momento trágico na história das esquerdas e foi realmente o principal motivo do extremismo das Brigadas. Além do mais, foi contraproducente: o próprio PCI acabou capitulando e se dissolvendo num infame “Partido Democrata” abrindo o caminho para o neoliberalismo e os anos Berlusconni. Valeu a pena? Pela lógica do artigo do Breno, se o PT não romper a aliança com o “Centrismo expandido” , acabará por se tornar um partido democrata desses. Infelizmente, no Brasil, já existe um partido dos democratas…

Responder

Marcos Morcerf

25 de fevereiro de 2014 às 15h46

Reassisti o filme La Prima Linea semana passada e estava justamente refletindo sobre isto e os equívocos das ações descoladas de apoio de alguns grupos atualmente ( ainda não percebidas pelos próprios )

Responder

rildoferreiradossantos@gmail.com

25 de fevereiro de 2014 às 12h33

Putzzz!!! Dizer o que? Viva a democracia!

Responder

Deixe um comentário