Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Polarização programática na disputa do governo do Rio de Janeiro

Por Camilo Árabe

21 de outubro de 2014 : 10h00

Captura de Tela 2014-10-21 às 12.09.40


Por Theófilo Rodrigues*

É conhecida a assertiva de especialistas em processos eleitorais de que em um pleito majoritário os candidatos mais competitivos são aqueles que buscam o centro do espectro político onde está concentrada a maior parte do eleitorado. O primeiro turno da eleição para o governo do estado no Rio de Janeiro comprovou a tese. Os três candidatos mais votados – Pezão (PMDB), Crivella (PRB) e Garotinho (PR) – eram claramente candidatos que vindos da centro-direita buscaram o centrão político.

Em 5 de outubro passaram ao segundo turno Pezão com 40% e Crivella com 20% dos votos. Com 19% dos votos o ex-governador Garotinho ficou de fora da disputa por muito pouco. Apuradas as urnas, iniciou-se um novo processo: o de recomposição das alianças e do realinhamento programático.

No quesito de agregação de apoios Crivella saiu na frente. Tanto Garotinho com seus 19% quanto Lindberg Farias (PT) com seus 10% dos votos declararam apoio para o candidato da oposição no segundo turno.

Já o situacionista Pezão não conseguiu o apoio de nenhum candidato do primeiro turno para sua reeleição. Contudo, apoios individuais importantes vindos de religiosos fervorosos da direita do espectro político vieram em sua direção, como o pastor Silas Malafaia da Assembleia de Deus, o pastor Abner Ferreira, da Igreja Assembleia de Deus Madureira, e o apóstolo Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus. Outro apoio polêmico recebido por Pezão veio do deputado federal mais votado Rio, o conservador Jair Bolsonaro (PP).

Terminado o movimento de recomposição das alianças, passou-se a um processo de realinhamento programático das duas candidaturas. Se no primeiro turno a movimentação racional dos candidatos foi a busca pelo voto do centro político, no segundo turno é preciso potencializar a votação tida no primeiro expandindo para o eleitorado dos polos ideológicos. Foi o que foi feito. Num movimento concomitante, mas em sentidos opostos, Pezão acenou para a direita enquanto Crivella buscou a esquerda.

A polarização programática passou então a ser mais clara. De um lado Crivella manteve-se fielmente ao lado da candidatura presidencial de Dilma Rousseff (PT) e declarou-se publicamente contra a redução da maioridade penal e favorável à desmilitarização da polícia, à criminalização da homofobia e à legalização do aborto do ponto de vista da saúde pública. Do outro lado, Pezão viu sua base de apoio bandear-se para o lado da candidatura de Aécio Neves (PSDB), além de declarar-se publicamente contra a desmilitarização da polícia e favorável à redução da maioridade penal.

O segundo turno está contribuindo para que os eleitores do estado do Rio de Janeiro conheçam melhor os dois candidatos que disputam o pleito, bem como os dois programas bem distintos que os dois apresentam. No fim do mês saberemos qual é o projeto com o qual o carioca melhor se identifica.

*Theófilo Rodrigues é cientista político, coordenador do Barão de Itararé no Rio de Janeiro e colunista no blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Leo Oliveira

22 de outubro de 2014 às 02h12

O Rio virou uma capitânia hereditária do PMDB, desde Moreira Franco, exceto pelo Brizola, pois o Marcelo Alencar, apesar de tucano, tinha os mesmos princípios; e o Garotinho, que ganhou pelo PDT, governou filiado ao PMDB, assim como a Rosinha.

Só esquecer qualquer tipo de preconceito e optar pelo Crivella.

Até porque o Pezão, por mais boa vontade que possa vir a ter, com os custos da sua campanha, a fatura chega no dia seguinte depois de eleito, o que torna inviável qualquer mudança ou um governo mais arrojado, arejado, livre.

Apesar que dá um certo desânimo quando assistimos aos programas do Crivella na TV, pois é de um amadorismo quase que sabotador. Se o público escolher o próximo governador com base apenas no programa eleitoral televisivo, o Pezão já está eleito.

O que vai fazer o Crivella ter alguma chance é a rejeição contra o Cabral, que a campanha do Pezão, com uma competência extraordinária, tem conseguido manter distância sem parecer algo forçado.

Responder

Debora

21 de outubro de 2014 às 21h25

O Crivela merece ganhar no Rio, ele passa a imagem de bom moco, e mais nao e traidor e nao tem passado sujo.O Rio precisa de um governador assim.Chega de tanto roubo o povo nao merece.

Responder

Vitor

21 de outubro de 2014 às 15h20

Não tá fácil votar no Rio…

Responder

Fernanda D. Scherer

21 de outubro de 2014 às 14h24

Cadáver executado é encontrado em fazenda de Aécio .
https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=866578646688561&id=100000093015498

Responder

Arlene Fatima Vicente

21 de outubro de 2014 às 14h24

Miguel Do Rosario, já analisou as últimas pesquisas? O que vc acha?

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina