Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Manifestações contra o aumento da tarifa de transporte ocorrem em SP, RJ e BH nesta sexta

Por Redação

06 de janeiro de 2016 : 19h06

Movimento Passe Livre (MPL) retoma mobilizações contra reajuste tarifário e espera contar com apoio dos estudantes secundaristas na capital paulista

no Rede Brasil Atual

O aumento da tarifa de Metrô, trem e ônibus, da capital paulista (de R$ 3,50 para R$ 3,80), e dos ônibus do Rio de Janeiro (R$ 3,80) e de Belo Horizonte (MG) (R$ 3,70) serão alvo de manifestações na próxima sexta-feira (8). O Movimento Passe Livre (MPL) convocou os atos e deve contar com apoio dos estudantes secundaristas que derrubaram a reorganização escolar que o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) pretendia realizar neste ano, fechando, pelo menos, 94 escolas, transferindo milhares de alunos e demitindo professores.

Em São Paulo, o reajuste de R$ 3,50 para R$ 3,80 passa a valer no próximo sábado (9). A tarifa com integração entre ônibus e trilhos aumentou de R$ 5,45 para R$ 5,92. A prefeitura e o governo estadual argumentam que o reajuste (8,57%) será abaixo da inflação medida pela Fipe (10,49%).

Além disso, o Bilhete Único Mensal não será reajustado, mantendo os atuais valores de R$ 140 para o modelo simples e R$ 230 para o modelo integração. Na capital paulista, o ato está marcado para as 17h, em frente ao Teatro Municipal, no centro da cidade.

No Rio de janeiro, a tarifa subiu de R$ 3,40 para R$ 3,80, um aumento de 11,7%. O valor está valendo desde o último sábado (2). Na capital fluminense, o protesto será na Cinelândia, às 117h. Em Belo Horizonte, a tarifa registra o terceiro aumento em um ano. No final de 2014, a passagem custava R$ 2,80. E desde o último domingo (3), subiu de R$ 3,40 para R$ 3,70, aumento de 8,82%. O ato será às 18h na Praça Sete, no centro da capital mineira.

“Como sempre, aparecem os argumentos de que ‘é a crise’ e ‘pelo menos o aumento está abaixo da inflação’. Mas quantos aumentos acima dela a população já aguentou até que a passagem chegasse ao preço exorbitante atual? Por que somos nós quem tem que tapar o buraco das ‘perdas’ nos ganhos dos empresários? E por que parece natural, em um momento de crise, que a saída seja tornar ainda mais excludente um sistema que já deixa muita gente de fora pra garantir que quem já ganha muito continue ganhando?”, questiona o MPL na convocatória do ato.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcos

07 de janeiro de 2016 às 19h50

Em São Paulo ônibus e metrô aumentam a passagem. O valor é o mesmo. Mas o movimento mais coxinha do Brasil, esse tal de “Passe Livre” vai mesmo é bater no prefeito e, quem sabe, desta vez consegue invadir a prefeitura e tacar fogo em tudo por lá. Em 2013 quase conseguiram.

O trensalão, nada. Os passeios da 1ª dama, nada. A (falta de) construção do metrô pelo (des)governo do estado, nada. O governador, nada. Manifestação no Palácio dos Bandeirantes? Ah, é muito longe … As 3 mafiosas famiglias do transporte urbano de SP, nada.

Dúvida:
seriam os coxinhas do mpl financiados pelos tucanos ou pelas 3 famiglias?
ou seriam os mpl coxinhas apenas trouxinhas?

Responder

Mauricio Gomes

06 de janeiro de 2016 às 19h37

Lá vem esse movimento ordinário querendo tumultuar novamente, aposto que a maioria deles nem pega ônibus. Foi esse movimento e as malfadadas “jornadas de junho de 2013” que destampou o bueiro do fascismo no Brasil. Na melhor das hipóteses, são idiotas úteis.

Responder

Deixe um comentário