Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Em SP, mais de 10 mil mulheres vão às ruas contra a cultura do estupro; assista

Por Miguel do Rosário

02 de junho de 2016 : 14h51

Foto: Mídia NINJA

Ato contra cultura do estupro reúne mais de 10 mil em SP

No Brasil de Fato

Mesmo sob chuva, mais de 10 mil pessoas, em sua maioria jovens mulheres, saíram às ruas do centro de São Paulo (SP) para se manifestar contra a cultura do estupro na noite desta quarta-feira (1º).

 

O ato faz parte de uma iniciativa nacional chamada “Por Todas Elas”, que está levantado o debate sobre o machismo e como ele influencia a ocorrência de casos de violência contra a mulher, como o estupro coletivo da adolescente de 16 anos, no Rio de Janeiro. Também foram registrados protestos em Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), Florianópolis (SC) e outras capitais.

 

Nas faixas, algumas manifestantes se posicionaram contra a nomeação da ex-deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP) como secretária de Política para Mulheres. Presidente do núcleo feminino do PMDB, ela já afirmou ser contra “bandeiras contrárias aos valores bíblicos”, como o aborto e constituição livre da família.

 

“Não basta ser mulher, tem que defender os direitos das mulheres. Tem que combater o machismo o patriarcado e esse cultura que humilha q estupra e que mata as mulheres no Brasil. O Estado precisa ser laico, a educação precisa ser laica. Por isso, achamos fundamental debater gênero na escola, na universidade”, afirmou Maria Neves, da União Brasileira de Mulheres (UBM). “Por isso, nós queremos repudiar esse governo, a secretária e toda essa proposta golpista que se apresenta ao nosso país”.

Liberdade

A pauta predominante, porém, foi a luta por igualdade e contra o machismo. “O machismo atinge as mulheres desde a roupa que elas colocam até o percurso que elas fazem. O machismo mata todo dia. Aos poucos”, afirmou a estudante Silvia Murgel.

 

Junto a outras mulheres, ela carregava uma grande faixa onde estava escrito: “Ele pode viajar o mundo de carona. Eu não”.

Trajeto

A concentração começou às 16h no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, mas o ato saiu somente às 18h. Isso porque, no mesmo momento, estava o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MTST) ocupava o Gabinete Regional da Presidência da República em São Paulo, na mesma via.

Por conta de um cordão de isolamento da Polícia Militar na altura da Rua Augusta, as mulheres não puderam se solidarizar aos sem-teto. O ato foi encerrado na Praça Roosevelt.

Parada

O trajeto fez uma parada na Rua Augusta em frente à casa de shows Comedians, que pertence aos comediantes Rafinha Bastos e Danilo Gentili. Palavras de ordem foram entoadas contra os sócios do local, ambos autores de declarações machistas na TV aberta.

Próxima atividade

As organizadora divulgaram que a próxima atividade será uma aula pública neste domingo (5), em frente ao prédio da Gazeta, também na Avenida Paulista, às 13h.

Já está confirmada a participação da secretária-adjunta de Direitos Humanos do município de São Paulo, Djamila Ribeiro.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

johony

02 de junho de 2016 às 21h31

As mulheres do grelo duro? estão lá!!!

Responder

Luna Araujo

02 de junho de 2016 às 17h29

Marta Suplicy, a nova golpista, ausente.

Responder

Alexandre Moreira

02 de junho de 2016 às 16h13

Marcela Temer? Ausente!

Responder

Deixe um comentário