O Cafezinho

quinta-feira

7

dezembro 2017

3

COMENTÁRIOS

Argentina hoje: população se levanta contra um judiciário que serve a perseguição política

Escrito por , Postado em Tulio Ribeiro

Hoje as ruas do centro de Buenos Aires se encheram com uma marcha contra a perseguição do judiciário, ao se transformar em ferramenta de perseguição política. A manifestação convocada pela ¨ Madres de Plaza de Mayo e Ecuentro Memoria, verdad y Justicia” visa juntar todos movimentos sociais contra a política de perseguição aos opositores, que são contra os planos de ajuste e reforma trabalhista imposta pela gestão de Mauricio Macri.

A revolta popular é diante da decisão do juiz Federal Claudio Bonadio, em pedir a prisão da senadora e ex-presidente Cristina Kirchner. Demanda requerida através da solicitação de retirada do seu foro privilegiado, bem como peiddos de prisões de ex-funcionários de seu governo , dirigentes de movimentos sociais, associações classistas e políticos.

” Hoje é um dia bonito , mas o coração sente tristeza com todos retrocessos, por Milagro Sala e pelo ajuste contra os trabalhador”. declarou Rita Boitano, da associação dos familiares detidos e desparecidos por razão política.

A parlamentar portenha e advogada Myriam Bregman, resume bem a situção distorcida da justiça como perseguição a opositores, especialmente com Kirchner:

” Para saber o que passou no caso AMIA é só abrir os arquivos do Estado que Macri não faz, as medidas do juiz Bonadio são uma bomba de fumaça. Não creio que ele atue sozinho, é uma vergonha que serve a um sistema político opressor”

A argentina reverbera um judiciário é uma força política de coação a quem se opõe a banalização das condições de vida da população .

Cristina Kirchner declarou hoje que ” querem me calar e assustar, não aceitam que minha voz esteja no senado.”

Ps: Veja o vídeo com Cristina Kirchner na fanpage do cafezinho

quinta-feira

7

dezembro 2017

3

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 COMENTÁRIOS

  1. Pedro Cândido Aguarrara