Live do Cafezinho (21 h): análise das eleições, pós-segundo turno

Randolfe: “Temos que nos unir em nome de um programa para o Brasil”

Por Redação

10 de outubro de 2020 : 16h35

Nesta sexta-feira, 9, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) concedeu entrevista ao canal Galãs Feios no YouTube e defendeu a formação de uma frente ampla de oposição a Jair Bolsonaro.

“Temos que ter nossa agenda, senão tivermos isso, não poderemos nos apresentar como alternativa. Se vamos ter duas ou três candidaturas em 2022, paciência. Mas eu gostaria que tivesse somente uma de frente ampla”

Além de defender candidatura única de esquerda, o congressista também disse que o campo progressista poderia se inspirar na movimentação dos Democratas norteamericanos.

“Sanders, Biden, Kamala e uma ala dos Republicanos se uniram porque a pior coisa é a reeleição de Trump. Então deveríamos nos inspirar nesse modelo”

Por fim, Randolfe defendeu um projeto em comum para o Brasil.

“Temos que nos unir em nome de um programa para o Brasil e reduzir a vaidade. Ninguém pode achar que o seu partido é a arrogância totalitária de todos os dogmas em virtude da esquerda mundial. É o puro e os outros são ruins. Ninguém, pode arvorar isso”

Assista a entrevista completa!

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sebastião

13 de outubro de 2020 às 09h07

Bolsonaro com o Renda Brasil, já está praticamente reeleito… O único que poderia ter possibilidade de vencer Bolsonaro, seria Lula. Mas, teria que melhorar a rejeição causada pela Lava-jato. E isso, dependeria da suspeição de Moro.

E Bolsonaro vencer Lula – caso não houvesse tempo de melhorar a imagem, seria o mesmo que a extrema direita está varrendo ou enterrando a esquerda, Lula e o PT.

Responder

Paulo

10 de outubro de 2020 às 22h54

Não acho que tem que haver “união das esquerdas”, tão somente. Teria que haver, isto sim, união em prol de uma candidatura democrática, muito mais ampla, portanto! Se Luís Carlos Prestes vivo fosse, propugnaria por essa tese…e Sobral Pinto subscreveria…

Responder

Alan C

10 de outubro de 2020 às 20h36

Esse papo de união já tá cansando… Vai unir em torno de quem? Lula? Ciro? Dino? Outro? Boa parte do eleitor de um não vota no outro. Desse jeito vai ter uma enxurrada de votos nulos e assim a esquerda nem estará no 2º turno. Que ideia brilhante!…

Tem que ter várias candidaturas e deixar o povo decidir. Quando era pra ter feito uma união em 2018 quando só uma condição levava o campo progressista à vitória, não quiseram fazer, então agora não encham o saco com essa historinha.

Responder

    Arthur Fonzarelli

    10 de outubro de 2020 às 22h13

    O lider do partido com mais intenções de voto costumaser a cabeça e o resto da turma vem de reboque…boa sorte. Kkkkkkk

    Responder

Deixe uma resposta