Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Depoimento de Emílio Odebrecht, patriarca do grupo que a Lava Jato fez tudo para destruir

Exclusivo: Lava Jato tinha “delação financiada” que procuradores consideravam “calcanhar de Aquiles”

Por Miguel do Rosário

17 de novembro de 2021 : 18h49

No dia 18 de abril de 2019, o procurador federal de Curitiba, Orlando Martello, que assina as denúncias contra Lula nos processos do triplex e Atibaia (ambos já anulados), dispara mensagens nervosas para seus colegas.

“Delação financiada”, diz ele, dando em seguida o link para uma reportagem com esse título, publicada na revista Piauí. 

“Tem que tomar cuidado com isso! Pode ser outro calcanhar de Aquiles”, adverte.

A mensagem é inédita e foi obtida com exclusividade pelos portais DCM e Cafezinho, que tiveram acesso ao arquivo da Spoofing, operação da Polícia Federal que investigou o vazamento de diálogos de procuradores da Lava Jato e do juiz Sergio Moro em grupos de Telegram. 

Você pode ler mais reportagens desta série aqui: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9.

Martello tinha razão. Dentre as inumeráveis distorções e irregularidades observadas em toda a Lava Jato, a remuneração financeira aos delatores é uma das mais escandalosas e com isso pode ser considerada, seguramente, “outro calcanhar de Aquiles”, ou ponto-fraco, da operação. 

Mas por isso mesmo também é uma das mais reveladoras de como a Lava Jato transformou o instituto da delação premiada numa arma de destruição em massa de empresas, empregos e… governos democráticos.  

Para cumprir a agenda política dos procuradores, as delações foram alteradas, inventadas, copiadas, vendidas, usadas como chantagem, vazadas seletivamente, sempre de olho na repercussão midiática, no clima político do país, e no calendário eleitoral.

A reportagem citada por Martello menciona o caso da CCR, empresa de concessão de rodovias, aeroportos e barcas, controlada pelos grupos Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa. 

O que aconteceu ali? 

Sob a pressão da Lava Jato, que mantinha a empresa asfixiada, sem poder continuar obras já empenhadas ou participar de novas licitações, seus controladores decidiram transformar seus executivos em delatores remunerados. Elaborou-se um contrato prevendo que os delatores receberiam, por cinco anos, 78 mil reais por mês. E sem trabalhar, porque deveriam se desligar da companhia. 

O que eles tinham de fazer? Apenas assinar uma delação inteiramente combinada entre os advogados da empresa e os procuradores. Com isso, a empresa receberia o aval para um acordo de leniência e poderia voltar ao mercado, participando de licitações públicas. 

A reportagem informa que a CCR separou R$ 71 milhões para o pagamento dos delatores.  

“Bagunça! Esquizofrenia!”, assim o advogado Walfrido Warde, autor de um livro sobre o impacto da Lava Jato sobre a economia brasileira (que citaremos novamente ao final da reportagem), descreve os métodos usados pela operação para arrancar acordos de leniência das empresas. 

Quase todas as empreiteiras investigadas pela Lava Jato usaram o mesmo artifício da CCR, de comprar e combinar delações.

Um executivo da OAS, por exemplo, a empresa cujo principal sócio, Leo Pinheiro, foi o delator mais importante na condenação do ex-presidente Lula no processo do triplex, denunciou que os delatores do grupo receberam até R$ 6 milhões, por cabeça, para “ajustar os depoimentos”. 

Ajustar, naturalmente, conforme os interesses combinados entre empresa e… Lava Jato. 

O caso Odebrecht, que empregava 175 mil funcionários, pode ser mais um, dentre tantos, “calcanhar de Aquiles” da Lava Jato. 

Segundo informações do jornal Valor Econômico, a empresa pagou R$ 1,5 bilhão para 77 delatores apresentarem depoimentos combinados previamente com advogados e procuradores. 

O acordo de delação da Odebrecht foi assinado ao final de 2016. 

As leis da dialética de Engels, neste caso, não funcionaram, e a quantidade não se converteu em qualidade. Das 286 frentes de investigação abertas a partir das delações da Odebrecht, quase todas foram arquivadas por falta de provas, segundo reportagem do Intercept de maio deste ano, intitulada sugestivamente “O fiasco do fim do mundo”.  

Elas serviram muito bem, todavia, à agenda política da Lava Jato, de dar a impressão de grandeza, alimentando a atmosfera de criminalização da política que desembocaria na eleição de Jair Bolsonaro em 2018. 

Nos primeiros meses de 2017, no entanto, os procuradores da Lava Jato ainda estavam insatisfeitos, sobretudo com o depoimento de Emílio Odebrecht, patriarca do grupo, porque ele não havia apresentado nada concreto contra o alvo principal dos procuradores, o ex-presidente Lula. 

Em 14 de março de 2017, Laura Tessler, procuradora do “núcleo duro” da Lava Jato de Curitiba, e que também assina as denúncias do triplex e Atibaia contra o ex-presidente Lula, continuava no encalço de Emílio. 

Tessler defende pressionar Pedro Novis, um ex-executivo da Odebrecht que estava mentalmente fragilizado pelo Mal de Parkinson, uma doença neurológica degenerativa que ataca especialmente as faculdades mentais como raciocínio e memória. 

Em outra mensagem obtida com exclusividade pela reportagem, Laura conversa com um colega procurador sobre como “colocar Emílio em cheque”. 

A estratégia era simples: pressionar Novis para ele “detonar o velho Emílio”.

O diálogo é de 14 de março de 2017. 

Novis vinha sendo pressionado pela Lava Jato desde novembro de 2016. 

A propósito, os procuradores já sabiam que Novis tinha Mal de Parkinson, e faziam troça disso, conforme revelado por Kiko Nogueira, num dos capítulos da série iniciada pelo DCM, também com base em mensagens inéditas da operação Spoofing.

Todos esses movimentos da Lava Jato tinham o objetivo de apertar o cerco contra o ex-presidente Lula. 

Outros diálogos de procuradores obtidos no âmbito da operação Spoofing ajudam a entender o contexto.

Voltemos um pouco, para o dia 5 de março de 2016, um pouco mais de um mês antes do impeachment da presidenta Dilma e no dia seguinte à ilegal condução coercitiva do ex-presidente Lula. 

Neste dia, uma procuradora da força-tarefa da Lava Jato junto à Procuradoria Geral da República explica que o objetivo central das delações extraídas da Odebrecht era “atingir Lula na cabeça”.

A procuradora Anna Carolina Resende Maria Garcia enfatiza que o segundo alvo mais relevante seria o senador Renan Calheiros, que na época ocupava o cargo de presidente do Senado. Ela ainda menciona estratégias espúrias de pressão e chantagem contra ministros do STF e STJ, dizendo que “está de bom tamanho, na minha visão, atingirmos nesse momento o ministro mais novo do STJ”.

Em 29 de novembro de 2016, a mesma Anna Carolina, num chat com seus colegas de Curitiba, informa que terminou a “análise” da delação de Emílio Odebrecht e a considerou muito ruim, porque não trazia provas, apenas “agendas”. 

A expectativa dela (e de outros procuradores, como revelam diversos diálogos) é que a delação de Emílio seria “decisiva para lascar Lula”. 

Carolina reclama que as  “declarações [de Emílio Odebrecht] estão uma m…”, apesar de considerar que os “documentos” seriam suficientes para “ferrar Lula com força”. 

As duas mensagens acima foram publicadas em reportagem do Intercept, assinada por Rafael Neves, no dia 25 de maio de 2021. 

Em seu livro “O Espetáculo da Corrupção: como um sistema corrupto e o modo de combatê-lo estão destruindo o país”, o advogado Walfrido Warde denuncia que os métodos usados pela Lava Jato fizeram a Odebrecht demitir 95 mil funcionários, a Andrade Gutierrez, 90 mil, a OAS, 80 mil, a UTC, 20,3 mil, a Engevix, 17 mil, a Queiroz Galvão, 13 mil, para citar apenas as principais. 

A Petrobras, por sua vez, lembra o autor, demitiu quase 260 mil trabalhadores. 

As perdas provocadas pela Lava Jato na economia brasileira, segundo estudo da consultora GO, mencionado no livro de Warde, foram da ordem de R$ 187,2 bilhões, ou 3,4% do PIB. 

“Foi um banho de sangue, no mesmo estilo de Sarajevo”, resume o advogado. 

No afã de “ferrar Lula com força”, a Lava Jato ferrou a economia brasileira, destruindo milhões de empregos, além de desestabilizar o regime democrático, o que abriu espaço para a ascensão ao poder de um grupo fascista, do qual fez parte, como ministro da Justiça, o próprio juiz que coordenou a operação em Curitiba.  

Encerramos a reportagem com um trecho do livro de Warde:

“A morte da empresa é duplamente desastrosa. É odiosa porque mata um núcleo gerador de riqueza, de renda, de emprego e de receitas estatais, por meio de impostos a que a empresa se submete, mas também porque põe fim a qualquer chance de ressarcimento da Administração Pública. 

Matar a empresa aplaca um desejo compreensível de vingança, mas leva a uma imolação individual e coletiva, cujos efeitos adversos, em muitos casos, superam aqueles impostos pela corrupção”. 

Outro lado

Desde o início da série, temos entrado em contato com todos os procuradores ou ex-procuradores citados, mas suas assessorias responderam que, no momento, eles têm preferido se manter em silêncio. 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Rosinei Brandão

17 de novembro de 2021 às 21h51

Comentar o quê? Vc não aceita nenhum comentário meu. Vou continuar vendo seu blog pois o acho lúcido. Além disso nada mais . Boa a sorte.Tchau.

Responder

EdsonLuiz.

17 de novembro de 2021 às 20h17

Não sei se devo fazer esse comentário, mas…essa matéria…?

O que eu acompanhei no jornal Valor pelos tempos afora foram as empreiteiras enroladas com a corrupção industrial dessa ėpoca assumindo o passivo do que era delatado. O que eu vi de destruiçåo da economia brasileira
nos últimos tempos foi um temporal, mas a tempestade foi se formando com o tempo, a partir do fim do governo Lula I. Há dados mais que suficientes para a verificação. Há também as narrativas negacionistas de tudo, e depois, as repetidas tentativas de transferir a culpa para quem não tem.

Eu penso que, na falta de tempo e material para o estudo das causas, das consequências e dos causadores de quase tudo, se alguém quiser ser racional ė suficiente pensar que em 2013.

Em 2013 o Brasil entrou em quase convulsão social.
Olha que o Brasil já assistiu o silēncio das ruas mais de uma vez, sob a botina de golpes militares, mas o que vimos em 2013 foi o contrário do silêncio. O que aconteceu nas ruas brasileiras em 2013 só seria possível em um quadro social e econômico bem drástico. Em 2013 nem se falava em Operação Lava Jato. Então, se houve destruiçåo da economia, isso aconteceu antes da Lava Jato.

No caso da Oderbrechts e outras empresas corruptas enroladas, por que uma empresa assume o custo de delações de funcionários? Não é porque o corruptor direto ė a empresa?

Peço desculpas, mas essa matéria parece aquelas coisas assim, por exemplo: Edson Luiz Pianca ė traficante, mas ainda vão apurar se ele ė mesmo. Foram encontrados 40 kg de maconha em uma bolsa que estava a 3 metros dele, segundo uma conversa gravada que vazou da operaçåo não sei qual. Na verdade também falam que o material encontrado eram folhas de mamona seca, outros dizem que eram folhas de mangueira misturadas com mel…

E esse tipo de matėria vai por aí. Depois, foda-se o cidadão que foi queimado. O objetivo da matéria, ao ser lida por quem está interessado na confirmação de suas crenças já se deu e o objetivo de queimar tambėm, sem se importar com consequências mais sérias.

Estou apenas fazendo minha observação. Não estou desmentindo, nåo estou afirmando.

Tenho um grande respeito e simpatia por este pequeno jornal. Tanto que nunca chamo ‘ocafezinho.com’ de blog! Tenho mais respeito ainda pelo jornalista responsável!

Minha intenção com as observações que faço é chamar atenção para esses formatos de matėrias que vão amontoando frases, indicando links, observando que saiu aqui, saiu ali, sugestionando…

Ė como ler as coisas da intercept, do Brasil247 e outros canais 171. Eu não queria mesmo que este formato vingasse aqui.

Não concordo quase nunca com as matėrias que são publicadas aqui, mas não preciso concordar para conservar o respeito que tenho. Algumas matérias me desagradam profundamente, mas…e daí? O desagradado sou eu. Por que um jornal tem que me agradar? Mas essa matéria deste post especificamente, este formato, o amontoado que, lendo, sugere tudo e não mostra nada. É um daqueles formatos que fisga e confirma o viés que se quer confirmar, sem precisar corresponder a fatos necessariamente.

Me desculpe! Estou desarmado! Mas senti necessidade de exprimir minha impressão!

Responder

Alexandre Neres

17 de novembro de 2021 às 19h23

Pô Miguel, quanta implicância! Só porque a República de Curitiba se juntou e formou a Liga da Justiça para prender bandidos, ainda que ao arrepio do ordenamento jurídico pátrio?

Com efeito, os fins justificam os meios. Temos que prender os meliantes nem que seja por meio de mutreta. Tudo bem, sabemos que a peça contra Lula não se sustentava, como disse o Delta, mas o PowerPoint foi show! Se a delação do Palocci não tinha nada de importante, naquela altura do campeonato, às vésperas das eleições, foi fundamental no sentido de eleger o capitão para acabar com essa corrupção aí. Além do mais, os procuradores não tinham muito tempo…

Vamo deixar de mi-mi-mi. Temos um longo histórico de desrespeito sistemático aos direitos humanos e fundamentais desde a época da ditadura, o Fleury veio dos esquadrões da morte pô, agora vamo entrar nessa de defender a Contituição para proteger bandido e esquerdopata, que no fundo é tudo a mesma coisa? Sem chance.

Até porque a mídia chamada profissional está tentando naturalizar a conduta desses cidadãos de bem de Curitiba, tratando como pequenos deslizes e vícios processuais, e essa tese frágil tá emplacando entre os discípulos do Torquemada. Aliás, essa turma da força-tarefa foi bem esperta ao procrastinar os feitos abertos contra eles próprios.

Enfim, tu vai entrar nessa de defender o devido processo legal e o estado democrático de direito no Brasil onde jovens negros ficam presos sem julgamento durante anos a fio? Ora bolas, como não tem jeito de consertar essa bagaça, vamos então estender essas ilegalidades também pra terroristas e comunistas! Já estamos acostumados com a instrumentalização da Justiça para perseguir adversários políticos mesmo.

Não se pode negar que a República de Curitiba agiu com maestria ao adotar o direito penal do inimigo por meio do processo penal do espetáculo. Tem hora pra tudo, não dá, direitos humanos e garantias fundamentais só pra homens direitos!

Responder

Deixe um comentário