Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Juan Mabromata/AFP/ Direitos Reservados

Empresários alemães querem acordo UE-Mercosul agilizado

Por Redação

12 de março de 2023 : 18h48

Acordo de livre-comércio euro-sul-americano começou a ser negociado quase 24 anos atrás. De olho no novo governo Lula, empresariado vê no 39º Encontro Brasil-Alemanha, em Belo Horizonte, uma chance para a implementação.

Publicado em 12/03/2023 – 13h30

Por DW Made for minds

DW — Industriais alemães defenderam uma rápida implementação do acordo de livre-comércio entre a União Europeia e o bloco Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai), na véspera do 39º Encontro Econômico Brasil-Alemanha, em Belo Horizonte.

“A importância do Brasil para a Alemanha deveria refletir-se também nos números comerciais; o país deve figurar na lista dos 20 parceiros comerciais mais importantes; um grande avanço para uma maior cooperação seria a rápida entrada em vigor do acordo EU-Mercosul”, declarou Siegfried Russwurm, presidente da Federação das Indústrias Alemãs (BDI), citado pela agência de notícias EFE.

A reunião em Minas Gerais, nesta segunda e terça-feira (14/03), transcorre quase 24 anos após o início das negociações para o acordo comercial entre os dois blocos econômicos. Segundo o empresário alemão, isso demonstra que “é preciso mais pragmatismo na política comercial da UE”.

Russwurm sublinhou a importância de “não perder a oportunidade” de implementar com o bloco sul-americano “um dos projetos mais importantes” da agenda comercial bilateral, que “evitaria 85% das taxas sobre as exportações europeias para a região e, deste modo, vários bilhões de euros em impostos para as empresas, todos os anos”.

Aposta no governo Lula

O acordo UE-Mercosul estabelece “padrões elevados em matéria de proteção do meio ambiente e direitos dos trabalhadores, e garante a todos os países a possibilidade de aplicar eficazmente o Acordo de Paris sobre as alterações climáticas”, assegurou Siegfried Russwurm. Além disso, conteria um capítulo separado sobre a sustentabilidade, com normas sobre biodiversidade, gestão florestal sustentável e luta contra o abate ilegal de árvores.

Recentemente, o ministro alemão da Economia e do Clima, Robert Habeck, afirmou ter esperanças que o 39º encontro traga avanços em relação ao Mercosul, sobretudo considerando-se a mudança de governo no Brasil, com a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O chefe de pasta disse crer que as negociações de ratificação do acordo possam estar provisoriamente concluídas já mesmo em 2023.

Habeck representa o lado alemão na reunião bilateral na capital mineira, o lado de seu colega Cem Özdemir, do Ministério da Alimentação e Agricultura. A delegação empresarial que encabeçam visitará também a capital da Colômbia, Bogotá.

O Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai integram o Mercosul (a Venezuela está suspensa desde 1º de dezembro 2016), enquanto Chile, Peru, Colômbia, Equador, Guiana e Suriname são Estados observadores.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário