Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Aprovação pessoal de Dilma se mantém estável em 55%

Por Miguel do Rosário

21 de fevereiro de 2014 : 19h33

A pesquisa Ibope divulgada nesta tarde serve de alerta para o governo e para os partidos que apoiam a presidente Dilma: eleição não se ganha de véspera. A direita tem a mídia, que é na verdade o principal partido de oposição. E, além de ser um partido, a mídia ainda controla os institutos de pesquisa.

A aprovação do governo caiu 4 pontos, de 43% para 39%, interrompendo uma sucessão de altas desde agosto, após o profundo baque registrado em julho, quando caiu de 55% para 31%.

A aprovação pessoal da presidente, contudo, se manteve relativamente alta e estável, em 55%. Em dezembro, ela tinha 56% e setembro, 54%.

Para efeito de comparação, a aprovação da conduta pessoal de Obama, em pesquisa da CNN divulgada ao final de janeiro último, estava em 44%. Outros 51% responderam desaprovar o presidente americano. E isso após a recuperação econômica nos EUA.

Um detalhe curioso é que o Estadão publicou a notícia com um parágrafo contendo os números da aprovação pessoal. Minutos depois, cortou o parágrafo, para não haver nenhuma “mácula” positiva na matéria. Curioso e sintomático.

Talvez pela mesma razão, o jornal não tenha divulgado ainda a confiança pessoal na presidente.

Íntegra da matéria do Estadão (que eu gravei antes de mutilarem-na).

PS: O trecho voltou.

*

Ibope/Estadão: Taxa de aprovação ao governo Dilma cai de 43% para 39%

É a primeira queda desde a melhora verificada em agosto, após a onda de protestos de junho
21 de fevereiro de 2014 | 17h 43

Daniel Bramatti e José Roberto de Toledo – Estadão Dados

São Paulo – A taxa de aprovação ao governo Dilma Rousseff caiu de 43% para 39% desde o início de dezembro, segundo pesquisa Ibope/Estadão feita entre os dias 13 e 17 deste mês. Após a onda de protestos de junho, o porcentual dos que consideram o governo ótimo ou bom caiu de 55% para 31% (julho), subiu para 38% (agosto), oscilou entre 37% e 39% (setembro a novembro), voltou a subir para 43% (dezembro) e agora baixou quatro pontos porcentuais.

O governo tem taxas mais baixas de aprovação entre o eleitorado com menos de 24 anos (35%), escolaridade superior (26%) e renda superior a cinco salários mínimos (34%). Em termos regionais, sua pior avaliação se concentra no Sudeste (33% de ótimo e bom) e no Norte/Centro Oeste (32%).

A aprovação é maior nos segmentos com mais de 55 anos (45%), escolaridade até a quarta série (50%) e renda de até um salário mínimo (49%). No Nordeste, a taxa chega a 51%.

Além de avaliar o governo como um todo, o Ibope pesquisou também a opinião dos brasileiros sobre o desempenho pessoal de Dilma na Presidência. Sua conduta é aprovada por 55% e desaprovada por 41%. Em dezembro, a taxa de aprovação era de 56% – ou seja, nesse caso, houve apenas uma oscilação negativa, dentro da margem de erro da pesquisa, que é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

O Ibope ouviu 2.002 eleitores em 141 municípios.

dilma

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Anchieta Vidal

22 de fevereiro de 2014 às 14h09

pesquisa feita pelo ibope ,é louco o diretor do ibope amigão do aécio nem pensar em acreditar neste instituto podre ,manipulado.

Responder

Walber Leandro

22 de fevereiro de 2014 às 01h33

A PESQUISA É DA FALHA DE SÃO PAULO, ENTÃO Ñ ACREDITO…

Responder

Luiz da Silva

21 de fevereiro de 2014 às 22h27

Se perder a Copa então, TO FODIDA!

Responder

Ésio Borges

22 de fevereiro de 2014 às 00h30

E tem um tal de Luis Inácio no banco!

Responder

Maria Meneses

21 de fevereiro de 2014 às 23h25

Precisamos estar espertos.

Responder

José Holanda Padilha

21 de fevereiro de 2014 às 22h42

Ótimo assim,que ela chegue “perigando” nas eleições,vai encará-las com mais determinação!

Responder

Fabrício Santana Santos

21 de fevereiro de 2014 às 22h39

se ganhar a Copa, chega a 300%.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?