Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Futura presidiária num eventual governo Campos.

O conservadorismo antimaconha de Eduardo Campos

Por Miguel do Rosário

01 de maio de 2014 : 13h07

O título é sarcástico. Você o entenderá lendo o post e, sobretudo, assistindo ao vídeo com o depoimento de um sociólogo sobre os hábitos da assessoria de Marina Silva, a vice de Campos.

Em sua entrevista para Folha, o ex-governador de Pernambuco e agora candidato do PSB à presidência da república, revela-se um conservador de quatro costados, e do tipo autoritário.

Campos fala sobre vários temas, como inflação, tarifas de luz, banco central, reforma política, aborto, maconha e maioridade penal. Não emite uma mísera opinião progressista sobre nada. Entretanto, o pior não é isso. Campos sequer dá uma abertura para o debate. Em tudo, afirma categoricamente que deve ser assim e assado. Não fala em discutir com o congresso, patrocinar um debate com a sociedade ou consultar o povo.

Banco Central? Diz que deve ter independência e autonomia administrativa, com mandato de 3 anos sem poder ser demitido. Ora, o BC já tem bastante autonomia. Amarrá-la, contudo, seria vender um pedaço da soberania popular sobre o que há de mais importante para o país: sua política econômica.

Reforma política? Campos quer mandato de cinco anos e coincidência nos mandatos. Errado de novo. O Brasil não pode ficar mudando toda a hora as regras sobre eleição para presidente. E uma eleição a cada 2 anos é salutar para permitir à sociedade dar sua opinião sobre o andamento dos governos.

Sarney? Campos diz que “vai tirar de lá aquelas figurinhas”. Muito bem, Campos. E substituí-las pelos Bornhausen? Por Heráclito Fortes? Ora, quem tira Sarney do poder é o povo. E que eu saiba, o seu governo teve o apoio do PMDB e de mais dezenas de partidos.

Aborto? Campos responde quase rispidamente que “temos que cumprir as regras [sem ampliá-las]”. Resposta absolutamente desrespeitosa em relação a um dos problemas de saúde mais graves no país. Entendo que é o tema mais complicado para campanhas majoritárias, mas os candidatos responsáveis que possuam uma gota de sangue progressista sempre lembram, nesse ponto, que essa é uma questão de saúde pública e, portanto, não pode ficar apenas dependente do debate político eleitoral. Vários estados nos EUA, uma das democracias mais conservadoras do ocidente, já legalizarm o aborto; em quase toda a Europa, há legislações muito mais avançadas que no Brasil. Se o Brasil quiser sair do terceiro mundo cultural terá que rever suas leis nesse terreno também.

Maconha? Campos se posiciona contra a “descriminalização da maconha”. Ahá! Agora o socialista caiu no ridículo. Recentemente o sociólogo Mateus Prado revelou que “boa parte da assessoria de Marina Silva puxa um baseado”.

Assista ao vídeo de Prado afirmando isso aqui:

Ora, a gente sabe que, no Brasil, a proibição da maconha vale apenas para o pobre de regiões violentas da periferia, que muitas vezes é preso ou assassinado pela polícia ou esquadrões da morte porque está está fumando um “beck” nalgum cantinho ermo. Os ricos fumam maconha livremente, em shows de rock, em festas, em suas casas de campo e de praia. Não defender a descriminalização da maconha, no momento onde Uruguai e EUA estão legalizando plantio, produção e venda de maconha, me parece a opinião de uma pessoa totalmente desconectada de seu tempo. Vá ao cinema, governador. Observe a quantidade de personagens fumando maconha em contexto social positivo. Proibir a maconha é um contrassenso, porque o jovem assiste aos filmes americanos, onde Leonardo de Caprio e Jennifer Lopez fumam um baseado socialmente. Por causa dessa legislação, ficamos sabendo que um tetraplégico ficou preso na Papuda porque a polícia encontrou uma pequena quantidade de maconha em seu quarto. Boa parte da lotação de nossos presídios se deve ao fato de termos milhares de jovens presos por tráfico de pequenas quantidades de maconha.

Espanta-me, sobretudo, que num tema tão polêmico, Campos novamente não deixe uma brecha para debate maior sobre o assunto. E associe a maconha à violência e considere que a saída é apenas “o enfrentamento do tráfico”. Acho que nem o Tea Party seria tão reacionário neste tema. Além disso, Campos agrediu estupidamente os “sonháticos” de Marina Silva, os quais, com todo o respeito, e sem preconceito nenhum de minha parte (até porque eu sou totalmente a favor da legalização da maconha), quase todos devem puxar um baseado…

Inflação? Campos diz que vai reduzir a meta para 3%. Ok, maravilha. Todo mundo quer inflação baixa. Entretanto, dar independência ao BC e estabelecer metas draconianas, forçadas, de inflação, me parece a fórmula certa para voltarmos à política da recessão, quando presidentes do BC, numa canetada, elevavam os juros a mais de 40% ao ano, provendo os rentistas com lucros bilionários e prejudicando empresas produtivas e trabalhadores.

Enfim, esse Campos não tem nada de novo. É a velha política demagógica, conservadora e autoritária de sempre.

 

Futura presidiária num eventual governo Campos.

Futura presidiária num eventual governo Campos.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Pó & fumo

02 de maio de 2014 às 19h37

Esquenta não. Pelo que dizem, a assessoria de Marina dá conta da maconha e aécio dá conta do pó. No final da anovela, em lugar de liberar a maconha, vão liberar carga dos pórrelas :o)

Responder

Mauro

02 de maio de 2014 às 16h41

Será que ele sabe que a maconha tem relação com doenças mentais, e inclusive aumenta em 3 vezes a chance do usuário desenvolver esquizofrenia?Tenho parente e amigo que desenvolveram esquizofrenia pelo uso da maconha.
Antes de qualquer atitude é preciso muito debate e estudo, coisa que não há.As pessoas precisam saber.Não ficar dando opinião por puro achismo.

Responder

    Mauro

    02 de maio de 2014 às 16h42

    Eu me refiro ao cara do video.

    Responder

Thiago Teixeira

02 de maio de 2014 às 09h08

Gente, esperar o que do Dudu? Esperar o que da Folha? Perdas de tempo parar e refletir sobre os pensamentos cheirosos dessa dupla.

Responder

Everaldo

01 de maio de 2014 às 23h25

É Miguel, os três cavaleiros são realmente do apocalipse… E existem na atualidade brasileira: o PLAYBOY, o TRAÍRA e o BATMAN. O Playboy gosta de um goró/pó. O Traíra tá doidão. O Batman precisa de um psiquiatra…

Responder

nilo walter

01 de maio de 2014 às 16h56

Com todo respeito aos religiosos , mas a ecológicca não é evangélica ?

Esqueci que a mesma não sabe de nada .

Língua afiada para falar dos outros .

Responder

sergio m pinto

01 de maio de 2014 às 13h19

E precisa comentar?

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?