Live do Cafezinho (19h): que segurança pública que queremos?

Adalberto Cardoso: “Esta eleição reinaugura a disputa política”

Por Miguel do Rosário

07 de junho de 2014 : 10h48

Não é difícil entender porque a mídia, mesmo com todo o dinheiro do mundo, tem dificuldade para encontrar nomes novos.

Elegem-se alguns especialistas e os jornalões todos passam a falar apenas com estes.Lembro-me que, durante um bom tempo, Roberto Romano, professor de Ética na universidade de Campinas, era a figurinha mais fácil da imprensa: só dava ele, nos jornais, na rádio, na tv, como se fosse a única pessoa que entendesse de “ética” e “corrupção” no Brasil. A razão era simples: Romano fora treinado para falar mal do PT.

Entre os profissionais, o incesto é diário e crescente. Colunistas da Folha se tornaram âncoras da Globonews. Um blogueiro da Veja ganhou mais um trabalho na TV Cultura, mais que nunca aparelhada pelo PSDB, e outro se tornou comentarista da Jovem Pan, rádio que integra o sistema midiático tucano. Repartem-se os mesmos colunistas, como Gaspari, Marco Villa, Demetrio Magnoli, Reinaldo Azevedo, como se não houvesse outros. Está tudo dominado.

Quando a imprensa decide sair um pouco da “casinha” e entrevistar nomes diferentes, perde-se o controle. A gente vê isso de vez em quando em programas de entrevista na Globonews.

Aconteceu isso agora com essa entrevista da Folha com Adalberto Moreira Cardoso, um sociólogo da UERJ. A análise dele é primorosa e a gente fica a pensar: onde estava esse cara antes? Por que tão raramente entrevistam pessoas assim?

Cardoso analisa a conjuntura política, fazendo comentários francos sobre todos os candidatos.

Sobre o Aécio: “(…) Essa eleição reinaugura a disputa política propriamente dita. O PSDB, que agia de maneira errática nas últimas três eleições, está claramente com um projeto mais definido, mais conservador, mais à direita, definindo um eixo de retomada de um projeto que foi bem-sucedido no primeiro mandato de FHC. Mas que fracassou no segundo mandato. O que o Aécio tem afirmando é o projeto do segundo mandato de FHC.

(…)É de voltar às políticas de FHC. Seu possível ministro da Fazenda é Armínio Fraga, um dos responsáveis pela grande fragilidade do Brasil no segundo mandato do FHC. Ele colocou o Brasil numa rota de dolarização da economia num momento em que a dolarização já tinha destruído a economia da Argentina. Ele está fazendo o programa do PSDB, baseado nas políticas neoliberais de financeirização da economia.”

Sobre Campos: “(…) É uma oposição que saiu do governo, uma candidatura de oportunidade. Com a saída de Lula da disputa, ele se sentiu livre para, entre aspas, trair o seu aliado principal. Entre aspas porque a lealdade dele era em relação à pessoa de Lula, não ao partido. Uma aliança típica das oligarquias no Brasil. Ele, como filho de oligarca, agiu como tal. É perfeitamente legitimo. Foi um movimento oportunista, assim como foi oportunista a aliança com Marina Silva, com quem ele não tem a menor afinidade ideológica.”

O cientista identificou um movimento que temos notado por aqui, a ruptura crescente entre Aécio e Campos, motivada pela disputa pela vaga no segundo turno.

“Eduardo Campos sabe que a única possibilidade de ir para o segundo turno é destruir Aécio. O inimigo de Campos não é Dilma; é Aécio.”

Eu só discordo de Cardoso num ponto. Ele acha, por exemplo, que no segundo turno, Campos tenderá a apoiar mais Dilma do que Aécio. Acho difícil que isso ocorra, até por conta da pressão da mídia. Qualquer lua de mel entre Campos e mídia será desfeita imediatamente se o ex-governador aderir novamente ao PT. Pipocarão escândalos diariamente contra sua gestão em Pernambuco.

(Atualização: notinha publicada na coluna do Jorge Bastos Moreno vai na mesma linha da opinião de Adalberto. Diz a nota que “Lula mandou o PT amenizar suas críticas ao candidato Eduardo Campos para facilitar o apoio dos socialistas, na eventualidade de segundo turno. É que, ao enfatizar suas diferenças com Aécio Neves, Campos tem reafirmado também que qualquer aliança no segundo turno será dentro do seu quadrado. E o seu quadrado é o PT.”)

Cardoso expôs, na entrevista, uma teoria interessante sobre os juros. Não sei até onde ele está certo, mas me parece bastante plausível.

Trecho sobre os juros: “Quando a taxa de juros chegou num patamar que todos, inclusive a Fiesp, saudaram como uma taxa civilizada, juros reais de 2%, todo mundo começou a aumentar preço. Porque o empresariado no Brasil deixou de investir quando a taxa de juros ficou muito baixa, ao contrário do que acontece no mundo inteiro. No mundo inteiro, quando a taxa de juros está muito alta, os empresários não investem. No Brasil é o contrário: os empresários investem com taxa de juros alta, porque ela reduz o risco do investimento. Por incrível que pareça! Quem financia o investimento no Brasil é o BNDES, o investimento é com juros subsidiados. Com taxa de juros alta, os empresários podem ganhar no mercado financeiro. O que ajuda a segurar preço não é o fato de que a demanda é contida pelos juros altos. Porque os empresários compensam os preços das mercadorias ganhando no mercado financeiro. Não é preciso aumentar preço: eles estão ganhando em outro lugar. Quando a taxa de juros cai, a primeira atitude do empresário que começa a perder dinheiro no mercado financeiro é aumentar preço ”

1hh7ek.jpg

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Josue Castilho

08 de junho de 2014 às 01h18

Otrebor Roberto até hoje vi pouquíssimos com tanto conhecimento sobre Campos.
Show esse comentário.

Responder

Otrebor Roberto

07 de junho de 2014 às 16h03

Só tem um problema (grave) na “análise” que é quando ele diz que Campos é parte de “oligarquia”. Termos não são pra ser distorcidos por conta de campanha, Campos (o traíra) não é parte de oligarquia, só fala isso quem não conhece a política de PE a não ser estereótipo do Plim-Plim. Oligarquia são famílias ricas ou partidos políticos se perpetuando no poder (caso do PSDB em SP, sendo que o PMDB era o pré-PSDB) e os Sarney no Maranhão (ou quem sabe os Marinho no Rio). Campos saiu da classe média, mesmo abastada, não é de oligarquia, Arraes não era oligarquia e ganhou 3 vezes de forma espaçada (nos anos 60, em 85 e em 94), a alternância de poder em PE é constante e as forças de esquerda são bem definidas (como em alguns estados). A análise dele nesse ponto foi manca pois credita algo a ele que não existe, continuam tratando esse cara como grande coisa quando o adversário de fato de Dilma é o Aécio. A esquerda, centro e até parte da direita (mais bairrista, que vota contra candidatos que representam a elite das duas cidades que concentram o poder do país hoje) de PE votará em Dilma com o apoio de Lula, a esquerda em peso votará contra Campos restando a ele votos de ex-inimigos históricos sendo que tem direitista que não vota em nada que remonte Arraes em hipótese alguma, o que mina a base política dele e tornando o cara um proscrito.

O mesmo pode ocorrer com Aécio em Minas, se o PT vencer lá. Ao desconhecer esses contornos políticos locais o cara da análise ignorou fortemente esses pontos que pesam em campanha (contra as figuras que eu citei), apesar da baixaria virtual de Aécio/PSDB.

Responder

Deixe uma resposta