Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Índices da FGV sinalizam recuo da inflação

Por Redação

14 de janeiro de 2016 : 20h59

IGP-M recua na primeira prévia de janeiro

no portal da FGV

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou variação de 0,41%, na apuração referente ao primeiro decêndio de janeiro. No mesmo período de apuração do mês anterior, a variação foi de 0,44%. A apuração referente ao primeiro decêndio do IGP-M de janeiro compreendeu o intervalo entre os dias 21 e 31 do mês de dezembro.
O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) registrou variação de 0,35%, no primeiro decêndio de janeiro. No mesmo período do mês de dezembro, o índice variou 0,37%. A taxa de variação do índice referente a Bens Finais passou de 1,19% para 0,89%. Contribuiu para este movimento o subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 1,75% para 0,44%. O índice correspondente aos Bens Intermediários variou 0,23%, ante 0,36%, no mês anterior. A principal contribuição para este recuo partiu do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção que passou de 0,57% para -0,51%.
O índice referente a Matérias-Primas Brutas registrou variação de -0,15%. No mês anterior, a taxa foi de -0,60%. Entre os itens com taxas em trajetória crescente, destacam-se: soja (em grão) (-2,83% para 0,88%), minério de ferro    (-7,17% para -5,28%) e milho (em grão) (0,05% para 3,83%). Em sentido oposto, vale mencionar: cana-de-açúcar (2,50% para -0,10%), aves (2,01% para -1,40%) e mandioca (aipim) (8,97% para 3,45%).
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou, em janeiro, a mesma variação do mês anterior, 0,73%. A principal contribuição em sentindo ascendente partiu do grupoAlimentação (0,94% para 1,56%). Nesta classe de despesa, vale destacar o comportamento do item alimentação fora, cuja taxa passou de 0,45% para 0,91%.
Também apresentaram acréscimos em suas taxas de variação os grupos: Vestuário (0,02% para 1,44%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,51% para 0,65%) e Despesas Diversas (0,20% para 0,45%). Nestas classes de despesa, destacam-se os itens: roupas (-0,20% para 1,57%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,05% para 0,78%) e tarifa postal (0,00% para 7,68%), respectivamente.
Já em sentido descendente, a principal influência partiu do grupo Transportes (1,11% para 0,42%). Nesta classe de despesa, a maior contribuição para este movimento partiu do item etanol (9,10% para 0,31%).
Os grupos Habitação (0,53% para 0,24%), Educação, Leitura e Recreação (1,20% para 0,40%) eComunicação (0,29% para 0,02%) também apresentaram decréscimos em suas taxas de variação.  Para cada uma dessas classes de despesa, vale mencionar o comportamento dos itens: tarifa de eletricidade residencial (1,40% para 0,00%), passagem aérea (24,46% para 1,55%) e tarifa de telefone residencial (0,62% para 0,00%), respectivamente.
O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, no primeiro decêndio de janeiro, taxa de variação de 0,05%, abaixo do resultado do mês anterior, de 0,22%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,10%. No mês anterior, a taxa foi de 0,46%. O índice que representa o custo da Mão de Obra não apresentou variação, pelo quinto mês consecutivo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário