Incêndios na Amazonia mobilizam governos do mundo inteiro

Lei Kandir: pacto ou pânico federativo?

Por Theo Rodrigues

26 de outubro de 2017 : 15h48

Por Waldeck Carneiro

Em vigor desde 1996, a Lei Kandir desonerou o ICMS incidente sobre exportações de produtos primários e industrializados semielaborados, prejudicando as contas de estados e seus municípios. É mais um exemplo de desequilíbrio na relação entre a União e os entes subnacionais, que desmonta a ideia de “pacto federativo”. A rigor, tem-se, no Brasil, forte submissão dos estados e municípios à União, que concentra a maior parte da arrecadação de tributos e ainda pode emitir moeda.

O Rio de Janeiro, que se encontra em situação falimentar ou calamitosa, segundo seu próprio governador, acumulou, nos 20 anos de vigência da Lei Kandir, perdas da ordem de R$ 60 bilhões. Aliás, não apenas o Estado, mas seus 92 municípios também perderam, pois têm direito a 25% do ICMS recolhido no RJ. Assim, nos últimos 20 anos, nossas municipalidades perderam R$ 15 bilhões, enquanto acumulavam mais responsabilidades em áreas como educação, saúde e assistência social: flagrante caso de injustiça tributária.

Por decisão do STF, o Congresso Nacional tem até 30/11/17 para aprovar matéria que regulamente as chamadas compensações da Lei Kandir para estados e municípios. No Congresso, foi instituída Comissão Mista Especial para estudar o tema e aprovar texto compatível com o desafio. Preocupa o fato de que o RJ, um dos estados mais prejudicados, tenha apenas dois membros na Comissão (Lindbergh Farias e Hugo Leal), contra oito do Mato Grosso e sete do Pará, por exemplo.

Duas questões fundamentais devem ser enfrentadas pela Comissão: a compensação das perdas acumuladas nos últimos 20 anos e a interrupção da sangria, com a transferência periódica, por parte da União, a estados e municípios, dos recursos equivalentes às perdas estimadas em suas receitas, decorrentes da aplicação da Lei Kandir, a partir da vigência do novo texto legal.

A segunda questão depende apenas de alteração na Lei atual, fixando-se a periodicidade e os critérios para a efetivação, doravante, das aludidas transferências. A segunda questão é mais complicada, pois depende de cálculos verossímeis das perdas acumuladas em 20 anos, estado por estado. O Tribunal de Contas da União alega dificuldades por não dispor de informações detalhadas sobre o comportamento da receita dos estados desde 1997. Mas isso pode ser resolvido, se forem envolvidos, no cálculo das perdas, Tribunais de Contas e Secretarias de Fazenda dos próprios estados.

O Congresso não pode faltar aos estados e municípios brasileiros, que vêm sendo prejudicados há dois decênios. As mudanças na Lei Kandir devem fixar a transferência semestral ou anual das compensações daqui pra frente. Disso não se pode abrir mão! E mesmo que o novo texto legal não preveja, de imediato, o detalhamento das compensações pelas perdas dos últimos 20 anos, que ao menos estabeleça, em disposição transitória, prazo para que o Congresso, com auxílio de órgãos especializados, calcule as perdas e proponha uma fórmula para a compensação gradual aos estados e municípios, ainda nesta legislatura.

No RJ, que vive profunda crise de receita, o governo estadual, em vez de se endividar mais,  vender a CEDAE, arrochar o servidor público e destruir o parque científico estadual, deveria, isto sim, lutar por receitas novas duradouras, como é o caso das compensações da Lei Kandir.   
    
*Waldeck Carneiro é Deputado Estadual (PT-RJ) e Professor da UFF

Theo Rodrigues

Theo Rodrigues é sociólogo e cientista político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Mr Surumim

27 de outubro de 2017 às 11h04

A lei foi aprovado e previa institucionalização da compensação em até 180 dias smj. Hoje os estados produtores estão com a corda no pescoço tendo que assinar uma lei de Regime de Recuperação Fiscal para refinanciar as dívidas com a União, ficando mais uma vez de joelhos. Com certeza, o mais justo seria que a dívida dos estados junto a União fossem compensadas com os valores a indenizar não pagos nos últimos 20 anos. Precisamos falar de Pacto Federativo.

Responder

Vania Santos

27 de outubro de 2017 às 10h12

Muito pertienre sua reflexão Deputado e muito esclarecedira também principalmente para mim que desconhecia o conteúdo da LEI KANDIR

Responder

Manoel

26 de outubro de 2017 às 19h37

Se eu muito me engano essa lei foi aprovada pelas duas câmaras do legislativo, onde estão os representantes de todos os estados . Então pra que tanto mimim ?

Responder

    Roberto

    01 de novembro de 2017 às 00h52

    Porque alguns estado tem mais deputados do que a a soma de vários outros estados do país

    Responder

Deixe uma resposta