Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Foto da entrevista coletiva, mostrando, ao centro, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, à direita, a secretária da Função Penal Originária no STF, Raquel Branquinho, e, à esquerda, o procurador-regional da República, Leonardo Cardoso de Freitas Foto: Leonardo Prado/Secom/PGR

A coletiva de Dodge sobre a prisão de Pezão

Por Miguel do Rosário

29 de novembro de 2018 : 20h55

No site da PGR

Raquel Dodge pede prisão de governador do Rio e reforça necessidade da reparação de danos causados pela corrupção

Na entrevista em que detalhou os pedidos apresentados ao STJ, a procuradora-geral defendeu o sequestro de bens até o limite de R$ 39,1 milhões

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, destacou nesta quinta-feira (29), em coletiva de imprensa, a necessidade da reparação dos danos causados ao patrimônio público por atos de corrupção cometidos por agentes públicos. Ao pedir a prisão do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), e de outras oito pessoas, Raquel Dodge solicitou também o sequestro de bens dos investigados no valor de R$ 39,1 milhões. De acordo com as investigações, o governador integra o núcleo político de uma organização criminosa que, ao longo dos últimos anos, cometeu vários crimes contra a Administração Pública, como organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção.

O montante a ser bloqueado corresponde, em valores atualizados, ao que o governador teria recebido, a título de propina, no período de 2007 a 2015 – R$ 25 milhões. “As medidas de sequestro de bens são necessárias para que haja, em tempo oportuno, o devido ressarcimento do dano. O foco da atuação não tem sido só na punição dos infratores e na paralisação das atividades criminosas, mas também de reparação do dano causado ao patrimônio público”, disse. Ao requerer a prisão preventiva dos investigados, Raquel Dodge também chamou a atenção para a gravidade dos atos cometidos pelos investigados, que continuavam praticando crimes contra a Administração Pública.

Segundo Raquel Dodge, ainda estavam em andamento, até a prisão dos investigados nesta quinta-feira, os crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro, prática utilizada para ocultar ou dissimular o dinheiro desviado. A facilidade de se ocultar valores principalmente por agentes públicos e a necessidade de localizar e devolver o montante aos cofres públicos também foram determinantes para a decretação das prisões preventivas e das buscas e apreensões. “O dinheiro desviado por atos de corrupção e escondido por atos de lavagem deve ser devolvido aos cofres públicos, porque é um dinheiro oriundo de impostos pagos em dia pela população, por isso, crimes dessa natureza são extremamente graves”, ressaltou a PGR.

Ainda sobre o tema, a procuradora-geral relembrou voto do ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso na sessão dessa quarta-feira (28) no julgamento da concessão de indulto a condenados pelo crime de corrupção, reforçando que a “corrupção é um crime violento porque desvia verbas públicas para financiar políticas públicas importantes para a população, seja na área da saúde, educação, segurança. É um crime gravíssimo”.

Além da PGR, participaram da entrevista coletiva, a secretária da Função Penal Originária no STF, Raquel Branquinho, e o procurador-regional da República, Leonardo Cardoso de Freitas. Assim como a PGR, os dois destacaram que a operação desta quinta-feira é resultado de um trabalho conjunto entre as Forças Tarefas da Lava Jato no Rio de Janeiro e em Brasília, bem como de outras instituições como a Polícia Federal e a Receita Federal. “Foi uma operação que levou seis meses de total dedicação dos colegas. A partir do acesso ao material da colaboração pela FT Lava Jato no Rio de Janeiro houve a corroboração e análise conjunta com os dados que eles já tinham e outros juntados”, resumiu Raquel Branquinho.

Já o procurador Leonardo Cardoso, enfatizou a continuidade do esquema criminoso ao longo dos últimos anos, frisando que, assim como na gestão de Sérgio Cabral, as ações passaram pelo gabinete do governador e pelas secretarias de Obras e de Governo. “A organização criminosa se reinventou nessa dança de cadeiras espúria, com a sucessão de pessoas nos postos, mesmo com a prisão de agentes que integravam a organização em um primeiro momento. Esperamos que a partir desta operação a atividade cesse”, afirmou.

Pedidos – Além do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, foram pedidas as prisões de outras oito pessoas. Também foram cumpridos 30 mandados de busca e apreensão nas cidades do Rio de Janeiro, Piraí, Juiz de Fora, Volta Redonda e Niterói. Além das prisões, o ministro do Superior Tribunal de Justiça Felix Fischer autorizou buscas e apreensões em endereços ligados a 11 pessoas físicas e jurídicas.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

otavio de melo souza

30 de novembro de 2018 às 16h27

A proprina era de R$ 150.000,00 por mes para o Pezao (POR SINAL ISSO E APELIDO E BANDIDO E NAO DE GOVERNADOR). Em dezembro tinha o 13º da proprina com duas parcelas de R$ 150.000,00. Quando vc acha que ja viu todo tipo de roubo, alguem inventa um esquema diferente

Responder

neotupi@gmail.com

30 de novembro de 2018 às 14h56

Pelo fato de Cabral ter investido tanto para Pezão sucedê-lo, acredito que ele tenha participado e continuado os esquemas.
Só lembro que o ex-governador do DF José Roberto Arruda foi preso provisoriamente em 2009 com provas muito mais robustas filmadas pelo delator, que todo o Brasil viu. Depois do “espetáculo” saiu rapidinho da cadeia e está solto até hoje, quase 10 anos depois.

Responder

ari

30 de novembro de 2018 às 12h30

O país caminha cada vez mais rapidamente para tornar-se um estado policial. Inocente ou não, o Pezão foi preso com base apenas em uma delação. Tempos bicudos virão pela frente com o Sérgio Moro no Ministério da Justiça. Nada é tão ruim que não possa piorar.

Responder

    Ulisses

    30 de novembro de 2018 às 13h00

    Tá mal informado, hein Ari.

    Responder

    Ricardo

    30 de novembro de 2018 às 13h16

    Que torne-se cada vez mais policial e que prenda cada vez mais corruptos !

    Responder

Gilberto dos Santos

30 de novembro de 2018 às 08h26

Não é Tucano e nem do dem ;o Dem com Gedel malas de dinheiro.E os Tucanos com ladrões de carterinha Aecio Neves Alkimin e Serra o dia que estiverem presos acredito na Republica do Brasil.Só predem Trombadinhas.

Gilberto

Responder

Paulo

29 de novembro de 2018 às 23h31

A pergunta que fica é: quando isso vai cessar? A continuidade dos atos delitivos, mesmo após o desmantelamento do esquema de Cabral, só demonstra o quão ousados estão os políticos corruptos. É um acinte. O RJ e o Brasil não merecem isso. Ou apoiamos agora o MPF e a Justiça Federal (já que, nos Estados, tanto o Poder Judiciário quanto o Ministério Público deixam muito a desejar), ou nos restará duas opções: o aeroporto, para aqueles que podem; ou a desilusão total e permanente…

Responder

Deixe uma resposta