História: Brizola na Unicamp em 1987

Governo saudita e a Apple disponibilizam aplicativo que controla as mulheres do país

Por Tulio Ribeiro

19 de fevereiro de 2019 : 15h56

Ao disponibilizar um aplicativo que na prática restringe a liberdade da mulher saudita, uma tempestade de críticas está caindo sobre a gigante Apple.

A loja online desta rede oferece um programa que permite que homens na Arábia Saudita controlem os movimentos das mulheres. Um senador dos EUA, ligado a grupos de direitos humanos e usuários de redes sociais pediu que a empresa suprima este requerimento acusando de facilitar a discriminação de gênero.

O governo saudita lançou o aplicativo, chamado Absher (tradução aproximada seria “sim, senhor), em 2015, para que os homens pudessem controlar as mulheres sob sua custódia, seguir os seus movimentos através de seu cartão de números de identidade ou passaporte e conceder-lhes ou não permissão para viajar.

Os homens podem até receber mensagens que os alertam toda vez que uma mulher que está sob sua vigilância entre num aeroporto. O aplicativo pode ser baixado na loja de aplicativos da Apple.

As leis de custódia sauditas dão às mulheres um status semelhante ao de menores em muitas áreas de suas vidas. Todas as mulheres, independentemente da idade, têm um tutor do sexo masculino, geralmente seu pai ou marido, mas às vezes um irmão ou filho, que tem que dar permissão para obter seu passaporte, acessar certos exames médicos ou se casar.
O senador pelo Oregon no Senado dos EUA, o democrata Ron Wyden, declarou que tinha enviado uma carta a Apple pedindo que retire plataforma do aplicativo . Declarou Wyden:

“Eles facilitam o patriarcado. É uma notícia dura que a tentativa monarquia saudita para restringir ou suprimir as mulheres sauditas, mas a empresa americana não teria que fornecer governo saudita patriarcado. Na prática tornam mais fácil para os homens sauditas possam controlar seus familiares com seus smartphones e restringir seus movimentos”.

O senador solicitou que evitasse que a empresa “fosse usada pelo governo saudita para possibilitar a abominável vigilância e controle das mulheres”.

As autoridades sauditas reagiram rápida e energicamente. Riad negou que Absher seja “uma ferramenta de controle” e apontou que oferece mais de 160 serviços para “todos os grupos da sociedade no reino, incluindo residentes estrangeiros, mulheres, adultos e pessoas com necessidades especiais”.

Os direitos humanos dos Eneges, como a Anistia Internacional (AI) e a Human Rights Watch (HRW) há anos vêm fazendo campanha para que a Arábia Saudita elimine as leis de custódia.

Compartilhe

Tulio Ribeiro

Túlio Ribeiro é graduado em Ciências econômicas pela UFBA,pós graduado em História Contemporânea pela IUPERJ,Mestre em História Social pela USS-RJ e doutorando em ¨Ciências para Desarrollo Estrategico¨ pela UBV de Caracas -Venezuela

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Era dos Boçais

20 de fevereiro de 2019 às 00h15

ante isso do que o péssimo costume de fazer a mulher dormir com uma boa dose de boa noite Cinderela para injetar um chip de rastreamento sem que a coitada fique sabendo. Um kit desse custa uns R$ 20000 nas melhores esquinas do Brasil .

Responder

Alan Cepile

19 de fevereiro de 2019 às 16h23

Cadê os pobres e direita do fórum agora pra questionar pq uma empresa ultra capitalista está fazendo negócios com ditaduras???

Pra ganhar dinheiro tudo pode, certo?

Responder

    Ultra Mario

    19 de fevereiro de 2019 às 18h03

    Engraçado, né? Quando o Brasil ganhava rios dinheiro da Venezuela não podia. Depois essa mesma gentalha vem reclamar que o Brasil não dá certo!

    Todos os países ricos tem práticas questionáveis, se o Brasil algum dia quiser ser um país rico vai ter que aprender a negociar com todo tipo de gente. Ideologia não enche a barriga de ninguém.

    Responder

      Octavio

      19 de fevereiro de 2019 às 22h58

      A diferença é que na Venezuela não há uma ditadura!! Enquanto a Arábia Saudita o é. Recentemente um dos governantes deste país mandou matar e esquartejar um repórter. Isto é típico dos governos de direita. Tal como está acontecendo no Brasil atualmente através dos grupos de extermínio, chamados de milícias. A direita é insensível!! Detesta pobres e negros!!! A direita é entreguista e adoram lamber as botas dos americanos. São vira-latas!!!!
      O Brasil do Bolsonaro está negociando muito bem com os EUA. Está entregando tudo!! Maravilha!!!
      O seu raciocínio, ou a falta dele, é ESPETACULAR!!! Trocamos uma balança positiva de 5 bilhões com a Venezuela por uma balança comercial negativa com os EUA. Isto que vc chama de negociação?!

      Responder

        Paulo

        19 de fevereiro de 2019 às 23h55

        Henry Kissinger costumava dizer que conhecia o nacionalismo dos militares brasileiros e o quão difícil era negociar com eles, durante o Regime Militar de 1964. Será que as coisas mudaram tanto assim?

        Responder

          Alan Cepile

          20 de fevereiro de 2019 às 00h45

          kkkk…. Paulo, não precisava escrever qualquer coisa só pra dizer que rebateu o comentário do Octavio rs

          Responder

Deixe uma resposta

x
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com