Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

1º de abril de 1964: o dia que durou 21 anos

Por Redação

01 de abril de 2020 : 12h16

Por Thiago Risso

O sol da manhã do dia 1º de abril de 1964 demorou 21 anos para se pôr. O cair da noite, referendado por uma lei antipatriótica, tentou apagar milhares de censuras, perseguições, torturas e assassinatos.

Quando chegou o momento, o nosso sofrimento não foi cobrado com juros. Já sabíamos que esperar não era saber, mas como não enfrentamos os fantasmas, eles viveram anos à espreita. Hoje, mais fortes, tentam nos impor, novamente, o Cale-se.

O grito reprimido jamais ecoou pujante para comemorar, de fato, a superação dos anos de chumbo, do silêncio que atordoava e do pesadelo que parecia interminável. Voltar às escolas, às faculdades, ao cotidiano e a usar documento eram importantes. Mas não revisitar o passado e punir os torturadores e os assassinos pelos seus crimes, colocou a nação em uma eterna censura.

Nossa democracia não nasceu de uma derrota dos canalhas. A dita abertura lenta, gradual e “segura”, garantiu segurança apenas para os que possuíam coturnos e diversos crimes em suas fichas. Hoje pagamos o preço: toda manhã pode ser uma manhã de 1º de abril de 1964.

Um capitão do exército expulso da corporação, um filósofo sem formação e um general discípulo de Sylvio Frota lideram essa nova escalada autoritária. Talvez para dar prosseguimento ao mal sucedido golpe dentro do golpe de 1977. A falsa revolução deixou como legado a violência policial, a impunidade, a seletividade judicial e a corrupção. Alguma semelhança com os dias atuais?

A nefasta data não pode ser esquecida. Nunca! Ela serve de exemplo para o Brasil nao cometer os mesmos erros do passado. Não queremos que o dia dure 21 anos ou que ele não termine. Nunca mais!

O entendimento do que foi o golpe nos ajuda na análise dos dias atuais. Sem revisionismo ou falsas memórias.

Thiago Risso é mestrando em Política Social na Universidade Federal Fluminense (UFF).

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

chichano goncalvez

01 de abril de 2020 às 12h41

O problema são os analfabetos politicos, e como tem no Brazil,eles atrapalham e destroem um pais, com suas eleições , muitas vezes burlescas, e os mal intencionados se aproveitam disso e espalham mentiras que nem o psicopata que esta no poder, espero que nas proximas eleições o povo reaprenda ou enfie a cabeça num poço sem fundo.

Responder

Paulo

01 de abril de 2020 às 12h27

“A falsa revolução deixou como legado a violência policial, a impunidade, a seletividade judicial e a corrupção. Alguma semelhança com os dias atuais?”.

Mas tudo isso já existia antes e foi semeado em 15/11/1889…embora eu concorde que, sob os Governos petistas, a corrupção atingiu seus píncaros…

Responder

Rodenbush

01 de abril de 2020 às 12h19

Obrigado as Força Armadas Sempre !!

Responder

Deixe uma resposta