Paris Café Extra: Finanças Funcionais, uma revolução copernicaniana na economia

Haddad: “Essa direita que se diz civilizada, que diz que Bolsonaro é um escândalo, na verdade é tudo a mesma coisa”

Por Redação

12 de fevereiro de 2021 : 13h03

Em entrevista a CBN hoje pela manhã, o ex-ministro Fernando Haddad, que iniciou uma rodada de entrevistas como pré-candidato do PT à presidência da república, comentou as eleições para a presidência da Câmara.

Para Haddad, fica a lição que PSDB e DEM não são partidos confiáveis, e que “na hora H, eles se juntam os bancos para aprovar sua agenda neoliberal e retirar direito dos trabalhadores”.

Outros trechos da fala de Haddad:

“O Bolsodória existe ainda. Taí a independência do Banco Central. A entrega do Banco Central aos bancos privados”.

“O PT fez um gesto pedagógico. O PT estendeu a mão para a centro direita, para conter o ímpeto bolsonarista”.

“[Foi] traição do ACM Neto, que já se assanhou a ser vice do Bolsonaro”.

“Essa direita que se diz civilizada, que diz que Bolsonaro é um escândalo, na verdade é tudo a mesma coisa”.

“Ninguém faz nada, ninguém reage, então resolvermos reagir. Vamos defender a democracia. Nós vamos defender a liberdade de imprensa, apesar de não ter nenhuma simpatia pela imprensa, nós vamos defender vocês. E vamos defender os direitos dos trabalhadores, que estão na Constituição ainda”.

Nesse fio, nós separamos esses trechos:

A íntegra pode ser vista aqui, a partir do minuto 1:36:00:

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Roan Cadmus

14 de fevereiro de 2021 às 01h36

Assim diz o poste, do alto da sua insignificância.
Ciro Gomes deve se desvencilhar dessa auto referida esquerda absurdamente egocêntrica.

Responder

Netho

13 de fevereiro de 2021 às 14h33

Do livro, A ORGANIZAÇÃO, publicado pela COMPANHIA DAS LETRAS sem nenhuma contestação dos petistas citados no livro de 639 páginas.
O contexto do trecho que será transcrito abaixo situa o primeiro encontro, na linha do tempo, entre Emílio Odebrecht e Lula da Silva, a propósito de aplacar o ânimo grevista em Camaçari.
Muito antes até da existência do PSDB, o encontro entre Lula e o Chefão da Odebrecht foi promovido por Mário Covas, em sua própria residência, à época prefeito de São Paulo. (Lula sempre negou que conhecia Emílio e que nunca estivera com ele antes de ser presidente da República).
VALE CONFERIR, PÁG. 107, IPSIS LITERIS:
“”LULA ouviu EMÍLIO com atenção e prometeu ajudar. Disse que conversaria com os sindicalistas que conhecia para tentarem chegar a um acordo. O empreiteiro deixou a casa de Covas quando já era noite, encantado com o novo amigo. ‘Ele tem uma visão muito atualizada das coisas…é um anima intuitivo’, passou a repetir ao seu time. Habituado a identificar líderes com potencial nos quais pudesse apostar, o empresário tinha certeza de ter encontrado um sujeito diferente. ‘Ele pega as coisas rápido…é um animal político”. A caminho de casa, satisfeito com a boa jogada que acabara de fazer, Emílio sorria, lembrando uma conversa com Golbery do Couto e Silva, ex-chefe da Casa Civil dos presidentes Geisel e Figueiredo. ‘Lula não tem nada de esquerda, é um bom vivant!’, dissera Golbery. O homem sabia das coisas. Emílio, porém, estava sozinho. Seus parceiros desconfiavam de Lula e do PT””.
Brizola viu com clareza meridiana, AB INITIO, quem eram Lula e o PT, à vera, sem lantejoulas, balangandãs e paetês.
Golbery havia visto bem antes e apostou no fortalecimento de Lula e do PT para aplastar os demais partidos históricos da esquerda brasileira.
DEU NO QUE DEU.
Brizola estava certa. Golbery mais certo ainda.
(O trecho do livro desmonta a narrativa de LULA e o desmascara quanto à declaração de NUNCA ter conhecido EMÍLIO antes de abraçar o Poder).
O referido encontro entre Lula e Emílio durou mais de 6 horas.
Não por acaso, o codinome de Lula na Odebrecht era “Amigo”.

Responder

dcruz

12 de fevereiro de 2021 às 23h37

Verdade absoluta. Direita é direita, seja lá como se apresenta pintada, tudo farinha do mesmo saco. Agora a moda é esculhambar o bozo, que eles colocaram lá.Noutro dia aquele tal de Mainardi do fundo dos seus complexos que Freud nenhum consegue tirar, comparou Lula com o bozo. O ódio cega e a gente fica sem saber se é ódio elevado ao seu estado mais puro ou se é burrice mesmo. Vai ver que são os dois. Pior ainda é que as esquerdas não sabem tirar proveito dessa estupidez paralisante e vivem batendo suas cabeas cheias de teorias que não passam de clichês cansativos. Enquanto isso o bozo e seus bovídeos continuam cada vez mais duros em seus imutáveis núcleos.

Responder

Paulo

12 de fevereiro de 2021 às 19h02

Essa aí a que ele se refere é tudo a mesma coisa mesmo…Não vamos misturar as coisas…

Responder

Alan C

12 de fevereiro de 2021 às 14h22

A direita civilizada acha a mesma coisa que vc, que o BC deve ser independente.

O poste já pode comemorar.

Responder

    Luiz Alberto

    13 de fevereiro de 2021 às 09h07

    O trabalho de rotular, que a direita gosta, tem seus seguidores.

    Responder

      Alan C

      13 de fevereiro de 2021 às 21h07

      O PT247 é campeão nisso.

      Responder

Netho

12 de fevereiro de 2021 às 13h46

Haddad só esqueceu do que Brizola já percebera desde priscas eras no nascedouro do partido da estrela:
“O PT é a esquerda que a direita gosta”.
Jamais houve síntese melhor e precisa a respeito do PT, de Lula e, obviamente, do poste ”acadêmico” de Lula, que ensina no INSPER que nada mais é do que uma sucursal da XP Investimentos.
O ex-braço direito de Palocci no ministério da fazenda, Marcos Lisboa, é o diretor-presidente do INSPER e representava no coração da política econômica do primeiro mandato de Lula o ”neoliberalismo de esquerda” que consagrou a ruína dos governos Lula e Dilma, cujo obituário foi escrito por um ministro da fazenda que já houvera quebrado as finanças do RJ e estagiado no FMI: Joaquim Levi.
Ninguém da suposta esquerda que a direita não gosta seria convidado para o programa de Lucas Mendes. Só um exemplar da suposta esquerda que a direita gosta seria autorizado a pisar lá.
Haddad só confirmou a tese de Brizola.
O PT representado por Haddad continua sendo a esquerda que a direita (mais) gosta!

Responder

    Francisco*

    13 de fevereiro de 2021 às 10h59

    O sabido graduado analfanetho político está coberto de razão.

    Certamente por isso que a direita que representa a classe dominante, persegue seletivamente, desde sempre, sem tréguas e na base do vale-tudo, os ‘trabalhistas’ PDT e Ciro, para destruí-los, atentando que, mesmo lavando-se a língua, melhor deixar ‘Briza’ fora dessa desvairada fixação, caso contrário, qualquer hora baixa por aqui e joga além do alambrado o sabichão da vez.

    Que tempo esse, de ócio mental dominante e narrativas delirantemente falsas e/ou fora do contexto.

    Quanto mais a gente se espanta, mais espantos brotam do nada, com tudo.

    Saravá, meu pai!

    Responder

    Adevir

    13 de fevereiro de 2021 às 11h18

    Olha q engracado: enqto Marcos Liboa e Alexandre Schwartzamnn estiveram no governo, a coisa até que ia bem. Depois q entrou Guido Mantega e a heterodoxia econômica degringolou tudo. Isso explica muita coisa.

    Responder

    Alexandre Neres

    13 de fevereiro de 2021 às 14h52

    Prezado Netho, como já te disse de outras vezes, tu é um analfabeto político, jurídico e também histórico. No fundo, no fundo, tu é um direitista enrustido que tem dificuldade em sair do armário. Em pleno desgoverno Bolsonero, sua obsessão com o PT e seu silêncio ensurdecedor sobre a Lava Jato são reveladores do que inconscientemente quer ocultar.

    Seu encantamento atual com o PDT tem a ver com o fetiche que tem por líderes autoritários, por clãs políticos originários das capitanias hereditárias e da casa-grande. Vou replicar um texto de um trabalhista histórico para você se certificar que não é está sua praia. Um abraço

    https://www.viomundo.com.br/voce-escreve/vivaldo-barbosa-o-paralelo-entre-vargas-dilma-e-lula.html

    Responder

Deixe uma resposta