Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Arthur Koblitz: Por um debate sério e responsável sobre o BNDES

Por Redação

05 de fevereiro de 2022 : 16h51

Por Arthur Koblitz

De novo o presidente Jair Bolsonaro retoma o tema do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), mais uma vez numa live acompanhado do presidente BNDES, Gustavo Montezano. Uma de suas promessas centrais de campanha era abrir a “caixa-preta” do BNDES.

No último ano de seu governo ninguém na sua base deve saber direito se ele cumpriu essa promessa. Fora da base do governo, o assunto parece despertar cada vez menos interesse.

Em declarações passadas Bolsonaro já havia se rendido às evidências, ou melhor, à confiança que deposita em Gustavo Montezano, uma espécie de sobrinho de consideração do presidente, amigo de infância de seus filhos, de que não há ilegalidades ou “caixa-preta” no BNDES.

O que a live tinha para revelar depois desse reconhecimento prévio?

Bolsonaro e Montezano comentam sobre vários dos temas favoritos das redes sociais, especialmente dos seus apoiadores. Todos comentários merecem reparos sérios, mas três foram especialmente reveladores das contradições, incompreensões e distorções intencionais do discurso bolsonarista sobre o BNDES: a tão falada “caixa-preta”, o investimento acionário na JBS e as operações de comércio exterior.

Em defesa da instituição e em prol da qualidade do debate público sobre o desenvolvimento é mandatório um posicionamento de quem conhece e entende a importância do BNDES.

A “caixa-preta”, somos informados pelo presidente do BNDES, teria sido um rótulo que foi atribuído ao BNDES em função de uma controvérsia jurídica entre o BNDES e os órgãos de controle que foi resolvido em 2015. Fixado entendimento na Justiça, reconhece Montezano, o BNDES vinha progressivamente dando completa transparência aos seus contratos e operações.

O que somos autorizados a concluir a partir disso? Não parece haver escapatória: Bolsonaro e todos que prometiam a “abertura da caixa-preta” na eleição de 2018 estavam desinformados e/ou desinformavam a população e seus eleitores com uma promessa demagógica, sem sentido.

Sobre o apoio a JBS, o presidente do BNDES esclarece, inicialmente, que “não teve nenhum tipo de perda financeira”, em seguida, reconhece que, na verdade, gerou “lucro financeiro”, para emendar apressadamente que “no final isso não importa” porque ele sabe o que foi feito com o dinheiro “além dos investimentos em si”! Se Montezano sabe que o investimento acionário do BNDES na JBS teve um destino diferente do que foi contratado com a empresa, ele deveria procurar as autoridades responsáveis.

Sobre o comércio exterior, a live foi um show de desinformação, algumas vezes contradizendo informações disponíveis no sítio de transparência do BNDES.

O presidente do BNDES poderia ter esclarecido a Bolsonaro que o BNDES nunca deixou de apoiar qualquer operação de infraestrutura em solo brasileiro por conta do seu apoio a obras de infraestrutura no exterior.

Como indicado no sítio do BNDES, de 2001 até 2016, a infraestrutura doméstica absorveu 36% de todos os desembolsos do BNDES, o apoio a obras de infraestrutura no exterior absorveu, no mesmo período, apenas 1,3%. E ainda, poderia informar que o BNDES empresta dinheiro, não dá dinheiro ou executa um orçamento, ou seja, o BNDES não pode emprestar dinheiro sem ter empresa que o requisite a fazê-lo.

Nos três anos de governo Bolsonaro, deixamos de apoiar essas exportações de serviços de engenharia e, ao mesmo tempo, apoiamos muito menos financiamentos de infraestrutura para o Brasil que no período citado acima. Poderia ter esclarecido que a questão do presidente no fundo não é uma condenação à exportação de serviços de engenharia, mas uma condenação a qualquer exportação!

Poderia ter explicado que exportar é gerar dólares, fundamental para viabilizar importações de que precisamos para girar nossa economia. Poderia explicar ainda que o BNDES não apoiava qualquer tipo de exportação, mas apenas aquelas que geram alto valor agregado como serviços e bens de engenharia produzidos no Brasil, que dependem de competências difíceis de serem consolidadas e que nem todos os países possuem.

Algumas estatísticas do sítio do BNDES são fundamentais para colocar o tema em perspectiva. Em primeiro lugar, em 20 anos de apoio a essas exportações, o BNDES desembolsou 10,5 bilhões de dólares (desembolso feito em reais para as empresas brasileiras) e recebeu mais 12,5 bilhões em retorno.

Ou seja, essas operações geraram um retorno positivo para o Brasil. Menos de um bilhão desse retorno do BNDES (873 milhões) veio de indenizações do FGE (Fundo de Garantia à Exportação), um fundo de garantia criado pelo governo no final dos anos de 1990 para oferecer seguro para operações que envolviam riscos de comércio exterior (basicamente, risco de que os países ou empresas situadas em outros países não honrassem com seus compromissos).

O FGE possuía uma governança sólida, as decisões de concessão de garantia eram aprovadas num conselho, CAMEX, formados por ministros de estado (inclusive ministro da Fazenda e das relações exteriores) e contavam com o assessoramento de uma agência especializada para determinar prêmios e limites de seguro por país. O BNDES não votava nesses conselhos.

Até 2016, nenhuma operação de exportação de serviços precisou ser indenizada pelo FGE, várias pagaram prêmios substanciais. De forma geral, em todas as operações que apoiou, o FGE recebeu de prêmio de seguro (taxa paga pelos países que tomaram empréstimo com o Brasil) 1,5 bilhão de dólares e pagou em indenizações 1,36 bilhão. Ou seja, o substancial patrimônio do FGE permaneceu intacto (de fato cresceu com aplicações).

Bolsonaro e Montezano se divertem ao comentar as garantias que teriam sido exigidas de Cuba (a história dos charutos). Na verdade, confundem a opinião pública ao não esclarecer uma coisa simples: para conceder um empréstimo cobra-se um prêmio de risco associados a probabilidade do devedor não arcar com seu compromisso no futuro. Era função do FGE fornecer seguro e determinar o prêmio cobrado por ele (como faz qualquer seguradora).

Algumas vezes esse prêmio pode ser reduzido se o devedor apresenta garantias. No caso de Cuba, se a descrição da garantia feita por Montezano é correta, o FGE deve ter determinado o prêmio baseando-se exclusivamente no risco soberano de Cuba, ou seja, sem contar com garantias que mitigassem esse risco.

A decisão de correr o risco de Cuba veio da estratégia que conduzia a política externa nesse período. São os formuladores dessa estratégia, e não o BNDES, que precisam explicá-la.

Bolsonaro e Montezano têm todo direito de criticar essa estratégia de política externa do passado. Mas o que o “trabalhador brasileiro” quer principalmente saber hoje desses dois não é o que eles acham dessa política, não são candidatos a alguma eleição, são representantes do atual governo brasileiro!

O que está sob a responsabilidade dos dois e o que queremos saber é: o que fizeram até agora para renegociar com Cuba e a Venezuela? Afinal de contas, não importa qual estratégia levou à concessão do crédito, inadimplências ocorrem. Esses países já procuraram o governo brasileiro para renegociar suas dívidas?

É razoável supor que ambos não tem interesse nenhum em ficar endividados com o Brasil, são países próximos com quem mantemos antigas relações diplomáticas e econômicas. O governo de Bolsonaro agiu de forma condizente com quem quer renegociar com esses devedores?

Olhando de fora, vemos que durante o atual governo, os médicos cubanos foram expulsos do país e que o Brasil deu sinais favoráveis a uma invasão da Venezuela. Essas decisões parecem refletir a prioridade do interesse nacional orientando a política externa?

Ou será que os inadimplementos de Cuba e Venezuela são no fundo comemorados por confirmar antipatias ideológicas?

Arthur Koblitz – Economista e presidente da Associação dos Funcionários do BNDES (AFBNDES); membro do conselho de administração do BNDES

Texto publicado originalmente pelo Correio Braziliense

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Francisco*

06 de fevereiro de 2022 às 19h57

Nesse tempo em que vivemos o Brasil desgovernado, o problema não é o cidadão ser medíocre, mesmo que continuadamente formado ignorante, mas, sendo medíocre, descobrir-se e acreditar, após livrar-se do filtro da modéstia ao entrar na ‘Academia do Whatsapp & Correlatos’ e fechar-se em ambiente sem contraditório e sem a menor noção que toda unanimidade é burra, ser uma sumidade polivalente, capacitada a despejar imbecilidades a granel e em todas as direções, como sendo o tratado da teoria da relatividade, sem ater que pensar, só, nem pensar, sair da caixinha, nem imaginar, pensar o pronto e pronto, fiat lux e dá-lhe replicar besteiras em forma de narrativa por aí, pensando-se sumidade e, obviamente, permanecendo medíocre.

Isso posto, não o Ipiranga, embora a trajetória do Ipiranga se devidamente pensada, só (por medíocres do viés do miliciano, noves fora por medíocres do viés do egocêntrico e do viés da classe dominante), pode liberta-lo do sonho da narrativa e devolve-lo à realidade dos fatos, ao filtro da modéstia e a mediocridade inerente aquele cidadão, de volta onde era feliz e não sabia enquanto infeliz sumidade polivalente, replicante, com a imposição da realidade que tarda mas não falha.

Responder

carlos

06 de fevereiro de 2022 às 14h11

Vocês acham mesmo , que um analfabeto funcional, que discute com seus pilotos pq quer ir pra paulo Afonso em Alagoas e picanhas em Sergipe? É mesmo um culto, Vocês acham mesmo em um analfabeto que diz que padre Cícero é Pernambuco quando na verdade é em Pernambuco?

Responder

    carlos

    06 de fevereiro de 2022 às 14h14

    Piranhas é em Alagoas e Paulo Afonso é na Bahia.

    Responder

Paulo

05 de fevereiro de 2022 às 23h28

Pode não haver ilegalidades formais nos empréstimos do BNDES, do que eu já tenho dúvidas. Mas arranjos políticos que viciaram esses atos com a pecha da imoralidade – vício que inquina de ilegal o ato administrativo, registre-se – têm aos montes, seja em qual governo for. A diferença, nos governos petistas, é que havia um plano maior, por trás. Aliás, desde Celso Daniel havia…

Responder

Nando

05 de fevereiro de 2022 às 22h41

O paredão que Fidel Castro e Che Na Vara reservaram aos desafetos deles para os vermes do Foro de São Paulo teria resolvido metade dos problemas do Brasil.

Responder

EdsonLuiz.

05 de fevereiro de 2022 às 21h30

No BNDES nunca existiu uma “Caixa Preta”!

Nas políticas econômicas do PT o que não faltaram foram “Caixas Pretas”, mas no BNDES nunca existiu “Caixa Preta” a ser desvendada.

O BNDES é uma instituição extremamente profissionalizada, com Conselhos e governança que não possibilitam que trapaças financeiras ou políticas aconteçam dentro do banco.. A qualidade dos funcionários do BNDES garantem a lisura de suas operações. Auditorias repetidas, inclusive auditorias internacionais independentes contratadas pela economista Maria Sílvia Bastos Marques durante o governo Michel Temer – imagine: Maria Sílvia! – nunca descobriram nenhuma corrupção feita dentro do BNDES.

Corrupção nos governos do PT foram feitas em escala industrial e mede-se em toneladas essa corrupção, mas não dentro do BNDES.

O que o PT fez usando o BNDES foi implementar uma política de financiamento a empresas aliadas do PT com volumes brutais de dinheiro subsidiado, emprestado para empresas-amigas de Lula. O mecanismo mais grave desta política foi os governos PT emitirem títulos públicos pagando 11,5% de juros, na média, e emprestarem esse dinheiro grosso a seus amigos, para obras no Brasil e no exterior, em geral para ditaduras ou regimes autoritários e corruptos de países africanos ou latino-americanos ligados ao PT.

O dinheiro captado por venda de título públicos a 11,5% era emprestado às empresas amigas do PT via BNDES com juros de 6%. Nós, brasileiros, pegávamos dinheiro a 11,5% para entregarmos a essas empresas amigas do Lula com juros de 6%!

Esse subsídio dado pelo PT às empresas do Grupo X, de Ike Batista, às empreiteiras de obras OAS, de Léo Pinheiro, Oderbrecht e outras, à BRF e às empresas de Joerlei Batista significaram, só em 2015, subsídios no valor de R$57.000.000.000,00 (cinquenta e sete bilhões de reais).

Para se ter uma ideia, o Programa Bolsa Família (Bolsa Escola; Auxílio Brasil, como queiram), que em 2015 atendia aproximadamente 53 milhões de brasileiros, custava aproximadamente 29 milhões de reais.

O mais grave é que todas essas empresas que o Lula e o PT ajudavam com muito dinheiro barato eram empresas já grandes, fortes, com muito crédito no mercado e muita facilidade de tomar financiamento nos bancos privados, sem precisarem meter a mão no nosso dinheiro via bancos públicos, cujo dinheiro serviria para ajudar os mais fravpcos. E as consequências econômicas desse monte de dinheiro, que poderiam ser proveitosas, se mostraram uma imensa desindustrialização do Brasil, que já vinha mesmo se desindustrializando.

Os governos do PT, ao contrário do que o PT narra, foram uma tragédia econômica. No final, acabaram iniciando a tragédia social em que estamos até hoje.

Edson Luiz Pianca.

Responder

    EdsonLuiz.

    05 de fevereiro de 2022 às 23h04

    Correção: o Programa Bolsa Família em 2015 custava aproximadamente 29 bilhões de reais.

    Responder

Saulo

05 de fevereiro de 2022 às 19h30

Qual País não gostaria de emprestar dinheiro para Cuba e Venezuela, deve ter fila…? Kkkkkkkk

Isso é o resultado de ideologias podres.

Responder

William

05 de fevereiro de 2022 às 19h28

“Esses países já procuraram o governo brasileiro para renegociar suas dívidas…?”

Já procuraram sim, Cuba vai dar charutos e a Venezuela papel igienico.

Como uma pessoa consegue escrever tamanha imbecilidade e ainda achando que tá escrevendo algo de serio ?

Responder

Tony

05 de fevereiro de 2022 às 19h21

Só mongolóides emprestam dinheiro dos outros para Cuba, Venezuela, Moçambique e ditaduras amigas do Foro de São Paulo.

São os mesmos que levaram uma rasteira de Chavez na construção da Abreu e Lima, os mesmos que compraram a refinaria de Pasadena, os mesmos do mensalão, do petrolão, são os mesmos que foram pluricondenados por lavagem de dinheiro, corrupção…o resultado é a tragédia brasileira.

Os animais que fizeram isso com o dinheiro de quem mal tem o que comer deveriam ser enforcados em praça pública.

Responder

Batata Tavares

05 de fevereiro de 2022 às 18h19

O mau uso do BNDES pelos desgovernos da PT é coisa que Jamais deverá se repetir. Centenas de Bilhões de Reais dos nossos impostos foram Jogados no Lixo da CanaLhice da Extrema Esquerda, causando Danos a todos os brasileiros.
2022 é ano de repetir o PT Nunca Mais. 22.

Responder

Kleiton

05 de fevereiro de 2022 às 17h22

Emprestar dinheiro dos brasileiros que acordam as 5 da manhã para ganhar dois salários num pais onde falta tudo para financiar ditaduras amigas de 4 bandidos como Lula, Dirceu Franklin Martins e comparsas é uma coisa de retardados mentais, de merdas humanas ambulantes.

Quem fiscaliza onde esse dinheiro vai parar uma vez que chega em Cuba ou na Venezuela…? Qual a transparência dessas aberrações de países ?

Coisas de vomitar e nada mais.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro