Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Imagem: Manu Dias / Governo da Bahia

As movimentações do PP na Bahia após a desistência de Jaques Wagner

Por Gabriel Barbosa

09 de março de 2022 : 12h22

Com a desistência de Jaques Wagner (PT-BA) na disputa pelo Palácio de Ondina, a cúpula do Partido Progressista (PP), que atualmente é aliada do PT no estado, já realiza seus movimentos para buscar uma “saída honrosa” do imbróglio causado pelo grupo governista.

O fato é que o anúncio de que o governador Rui Costa (PT) ficará no governo do estado até dezembro deixou um clima de frustração e fúria no PP baiano, especialmente no vice-governador João Leão (PP) e o seu filho, deputado federal Cacá Leão (PP-BA).

Com isso, o grupo pepista já ensaia uma leve aproximação com o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (UB), pré-candidato ao governo estadual. Vale lembrar que quantitativamente, o PP possui relevo no que diz respeito ao número de prefeituras e deputados no legislativo.

Os movimentos indicam que Leão e o próprio Neto devem analisar a situação juntamente com o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI), manda chuva nacional da sigla. Outra possibilidade, mais remota, seria de João Leão lançar candidatura própria ao governo.

Por outro lado, se concretizada a aliança com Neto, a candidatura governista entraria na disputa com limitações no que diz respeito as alianças políticas, podendo gerar um enfraquecimento. É bom ressaltar que, na base aliada, também existe o risco de debandada pelo lado do PSD, importante legenda na Bahia.

Outro ponto a se observar é que o possível acordo do PP com o grupo de oposição também isolaria a pré-candidatura de João Roma (Republicanos), que em tese seria o candidato de Jair Bolsonaro (PL) no estado. A maioria do seu próprio partido defende aliança com Neto, no 1° turno.

Na Bahia, é consenso entre as lideranças que o cálculo equivocado de Rui em ter lançado, de forma unilateral, sua candidatura ao Senado e a desistência de Jaques deixaram um vácuo que pode resultar na implosão da base aliada.

Na semana passada, Rui e o senador Otto Alencar (PSD-BA) chegaram a fazer um acordo sobre uma candidatura do pessedista ao Palácio de Ondina, tendo o petista como seu principal fiador, mas a dupla enfrentou fortes resistências por parte do PT da Bahia.

Além disso, o próprio Otto não conseguiu convencer a maioria das outras lideranças da base. Diante do racha iminente, Alencar desistiu de investir na candidatura ao executivo baiano e vai tentar a reeleição para o Senado.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM. Pós-graduando em Comunicação e Marketing Político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Maranhão O Xadrez para Governador do Rio Grande do Sul O Xadrez para Governador da Bahia O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro