Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Ombudsman da Folha denuncia golpismo vazador do próprio jornal

Por Miguel do Rosário

17 de janeiro de 2016 : 14h07

Nem a ombudsman da Folha suporta o jogo sujo da Folha…

***

No blog Conversa Afiada.

Nem a ombudsman da Fel-lha aguenta o odor de seus vazamentos

É um lixo

De Vera Magalhães, na Fel-lha:

Falação premiada

Informação de depoimento oficial é bem diferente de conversas vagas destinadas a atrair acordo de delação

1. Domingo (10): “Ex-deputado que negocia delação cita Wagner e Aécio enunciava a principal reportagem de “Poder”. O texto relatava que o ex-deputado Pedro Corrêa adiantara informações capazes de comprometer cerca de cem políticos –entre eles o senador Aécio Neves e os ministros Aldo Rebelo (Defesa) e Jaques Wagner (Casa Civil).

“Não há nenhuma informação consistente sobre o contexto, tão somente se destacam nomes supostamente mencionados, sem nenhuma prova, indício ou suspeita”, reclamou, com razão, a assessoria do ministro da Defesa (leia abaixo, nota ao fim deste texto).

A inconsistência já havia sido apontada na crítica interna: a afirmação não foi feita em depoimento oficial, mas em negociação na qual o ex-deputado tenta há seis meses, sem sucesso, fechar um acordo de delação premiada. A razão, segundo a reportagem: “Investigadores disseram que Pedro Corrêa até agora não entregou provas convincentes para boa parte dos episódios relatados. A defesa sabe que, para o acordo vingar, os termos precisam ser taxativos e concretos”.

Carece perguntar então: se assim é, por que o jornal deu tanto espaço e destaque à narrativa? Por que os nomes dos políticos foram parar no título e no subtítulo, enquanto a ressalva sobre a confiabilidade da história foi relegada ao fim do texto?

(…)

3. Sexta (15): “Lobista reconhece assessor de Palocci que teria recebido R$ 2 mi, tasca a Folha em título interno. O lobista em questão é Fernando Baiano, que, em acareação, identificou Charles Capella como “o interlocutor” que estava em uma casa de Brasília onde ele se reuniu para acertar a doação ao caixa dois da campanha de Dilma (2010). No parágrafo seguinte, porém, Baiano diz que Capella não participou da reunião –ou seja, não “interlocutou” coisíssima alguma.

Em outra acareação no mesmo dia, Alberto Youssef não reconheceu Capella como o recebedor da propina –que, por sinal, foi o próprio doleiro que entregou. Como o jornal pode ignorar isso e escrever em título que Capella teria recebido o dinheiro? “Não acho que uma versão invalide a outra, e as duas estão registradas”, responde Fábio Zanini. Meu ponto não são versões conflitantes, mas a conclusão indevida: o título uniu o que a acareação separou.

(…)

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Enio

18 de janeiro de 2016 às 11h14

Essa elite tem MEDO do povo brasileiro.

Responder

Hell Back

17 de janeiro de 2016 às 19h15

Não entendo porque não há comentários. Será que é porque o próprio ombudsman do PIG faz o “mea culpa” e diz que o PIG é mentiroso?

Responder

Deixe um comentário