Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Barroso é desmascarado por outro acadêmico

Por Miguel do Rosário

23 de junho de 2017 : 10h42

Outro acadêmico, outro jurista, denuncia, sem esconder a perplexidade, a inacreditável desonestidade do ministro Luis Roberto Barroso, do STF, ao apresentar números inteiramente falsos sobre a justiça trabalhista do Brasil, durante seminário do qual participou, em Londres.

Barroso usou duas fontes: Flavio Rocha, dono das lojas Riachuelo, um cafajeste reacionário que já foi condenado por trabalho escravo e comemorou o impeachment de Dilma como “fim do bolivarianismo”; e José Pastore, um mercenário de ultra-direita que Globo e Estadão estão sempre entrevistando, quando querem atacar os sindicatos e as leis do trabalho (ou seja, sempre).

Mais uma vez, é de se perguntar: a troco de que Barroso resolveu se arvorar porta-voz de uma reforma trabalhista da qual não entende absolutamente nada?

Não poderia limitar suas participações públicas – as quais, em última instância, são pagas com nosso dinheiro – para fazer análises de problemas de ordem jurídica? Não é essa a sua especialização? Se a Constituição proíbe que juízes exerçam atividade político-partidária, não seria um tanto perigoso, para um ministro do Supremo, sair por aí a defender reformas tão profundamente mal vistas pela sociedade?

Outro dia, Barroso disse numa palestra que “não há como não ter vergonha do Brasil”. Sim, com juízes como ele, que falam pelos cotovelos sobre assuntos que desconhecem, que se acovardam tão facilmente às pressões do dinheiro, da vaidade, dos holofotes, que não criticam os absurdos privilégios pecuniários de que gozam os próprios juízes, num país com tantos problemas sociais e tanto desemprego, como o nosso, com juízes assim, dá muita vergonha mesmo do Brasil!

Sobre o elogio de Barroso, de que Joaquim Barbosa era um “negro de primeira linha”, a perplexidade me permite fazer apenas um comentário: uma frase tão grotesca me parece forte indício de que a vaidade e a covardia já consumiram inteiramente o cérebro e o espírito do ministro.

Barroso virou um Gilmar de gravatinha borboleta e bons modos.

Pois bem, a última patacoada do nosso Luis Roberto “Gilmar” Barroso foi afirmar, em Londres (!), que o Brasil concentrava 98% (!) dos processos trabalhistas do mundo inteiro, o que é uma mentira grotesca, um exagero insano sem base em qualquer estatística séria.

O Brasil tem 12 processos trabalhistas por mil habitantes, contra 36 processos por mil habitantes na Espanha. França e Alemanha tem 2 e 4 processos por mil habitantes, respectivamente.

Com uma ressalva importante: França e Alemanha tem sistemas de proteção ao trabalhador infinitamente mais sólidos do que o Brasil.

Em meio a um desemprego que atinge mais de 14 milhões de brasileiros, pintar o Brasil como o “paraíso paternalista” do trabalhador, como fez Barroso, é quase um atentado terrorista. Em Londres, ainda por cima!

Pode até existir um excesso de burocracia, mas que precisa ser resolvido aumentando a proteção da classe trabalhadora, e não o contrário!

É evidente que a justiça trabalhista não pode ser injusta com empregadores e patrões. É evidente que é preciso simplificar, modernizar e agilizar os processos, de maneira a reduzir os custos econômicos, para o Estado, para o empregador e para o empregado.

No entanto, fazer tudo isso sem a mediação da classe trabalhadora organizada (via sindicatos), sem ouvir a população, sem discutir essas ideias em eleições presidenciais, impondo reformas de maneira brutal, insensível, num momento em que a população não tem qualquer confiança no governo ou no congresso, meses após um impeachment que muitos chamam de golpe, levar adiante tais reformas me parece um simples ato de violência antidemocrática.

É inacreditável que o ministro Barroso se posicione em favor desse método, que tem gerado hostilidade e desconfiança cada vez maiores da população. Hostilidade e desconfiança que alimentam ainda mais a crise política e, portanto, geram mais instabilidade e desemprego.

Ora, o governo está cortando investimentos em educação, em saúde, em ciência e tecnologia, está sabotando o BNDES, o Banco do Brasil, a Caixa, a Petrobrás, e não tem nenhuma proposta para gerar empregos: e o ministro Barroso vai a Londres, apresenta dados falsos sobre a justiça trabalhista, e defende a reforma trabalhista de Michel Temer?

Abaixo, o artigo de Valentini sobre Barroso.

***

A era da “pós verdade” para tentar liquidar o Direito e a Justiça do Trabalho

Por Rômulo Valentini *

Nos últimos dias, recebi várias perguntas de alunos, amigos e colegas de trabalho sobre a veracidade da alegação impactante do Min. Luis Roberto Barroso de que 98% dos processos trabalhistas de todo o planeta estão no Brasil.

Respondi que não tinha como averiguar a veracidade desses dados e que seria necessário realizar uma ampla pesquisa nas fontes primárias para se confirmar a estatística alegada.

Hoje, tive notícia que já saíram os primeiros estudos sobre o tema proposto. E, não surpreendentemente, revelou-se falsa a estatística apresentada pelo Ministro, a qual aparentemente foi embasada em afirmações do sociólogo José Pastore, datadas de 2009.

Conforme pesquisa de Rodrigo Carelli ( Disponível em https://jota.info/artigos/barroso-negros-de-primeira-linha-e-a-reforma-trabalhista-21062017), no ano 2015, o Brasil teve 2.619.867 casos novos na Justiça do Trabalho. No mesmo ano, a França teve 184.196 novos casos trabalhistas a Alemanha teve 361.816 novas ações e, somente a Espanha, 1.669.083 novos casos. Os números foram extraídos de repositório de dados dos Poderes Judiciários dos referidos países.

Apenas considerando os dados desses três países, já se constata que a afirmação de que o Brasil concentra 98%, 90% ou 80% (cada hora é apresentado um quantitativo diferente) dos processos trabalhistas de todo o planeta não se encontra respaldada por evidências, pesquisas e nem mesmo nos cálculos elementares da matemática.

Mas a realidade se revela ainda mais prejudicial à alegação do Ministro.

Conforme dados do IBGE (http://paises.ibge.gov.br/#/pt) o Brasil possui 204.450.649 habitantes. A Alemanha possui 80.688.545 habitantes. A França possui 64.395.345 habitantes. E a Espanha possui 46.121.699 habitantes.

Desse modo, o Brasil apresenta uma relação de 0,012 processos trabalhistas por habitante (12 processos a cada mil habitantes)

França e Alemanha, países que possuem legislações trabalhistas mais protetivas ao trabalhador do que a atual legislação brasileira, possuem, respectivamente, 0,002 e 0,004 processos trabalhistas por habitante (2 e 4 processos a cada mil habitantes)

Já a Espanha, país no qual já foram realizadas diversas reformas trabalhistas para a retirada de direitos dos trabalhadores, apresenta uma relação de 0,036 processos trabalhistas por habitante (36 processos a cada mil habitantes).

Portanto, além de constatar a falsidade a alegação de que o Brasil concentra 98% dos processos trabalhistas de todo o planeta, a pesquisa revela que também existem elementos para se constatar que o Brasil não apresenta o maior índice de processos trabalhistas per capita e que alguns países que possuem um maior grau aos proteção aos direitos trabalhistas possuem um índice de processos trabalhistas per capita inferior ao de países nos quais os trabalhadores possuem menos garantias.

Infelizmente, argumentar com base dados e evidências científicas (e aqui estamos falando de estatística básica, e não de Direito) normalmente não é uma tarefa fácil no Brasil. Com frequência, até mesmo a parcela mais instruída da população prefere se apegar aos argumentos de autoridade que se adequam com uma visão ou pré-disposição ideológica sobre um tema.

É o que os pesquisadores tem denominado de era da “pós verdade”, na qual a divulgação de informações bombásticas e a repercussão da notícia tem mais importância do que a veracidade das alegações. Fenômeno que nós, enquanto sociedade, devemos constantemente combater, sobretudo quando estão relacionadas aos debates políticos ou aos projetos de lei de interesse de toda a população.

Infelizmente, não tenho um meme engraçado, um gráfico vistoso ou uma frase de impacto para rebater a afirmação e “viralizar” esta mensagem. Tenho apenas argumentos, com base nos fatos relatados.

* Rômulo Valentini é mestre e doutorando em direito pela UFMG.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

73 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Raul Capablanca

06 de maio de 2018 às 23h15

os comentários estão muito aquém do que nós leitores podemos expresssar.
Barroso está a serviço dos patrões errados e prestando um grande desserviço à nação brasileira, extrapola totalmente as funções para as quais foi nomeado, passível de processo condenação e pena imposta. Mas a ppena é apenas se aposentar com seus salários e penduricalhos.

Responder

Eliane Pereira

25 de junho de 2017 às 12h52

Mais um idiota togado!!

Responder

Divalice Abreu

24 de junho de 2017 às 23h50

Mas não se salva um naquele puteiro?

Responder

Adnan El Kadri

24 de junho de 2017 às 19h43

Esse Barroso é um pavão de pés imundos. Esse é o ministro malandro tergiversador, fala do que JAMAIS entendeu, que é o Direito do Trabalho, além de outras baboseiras que profere por aí. Ao mentir em Londres, além de denegrir o Brasil, como todo portador do complexo de vira latas, mostra também a ignorância e irresponsabilidade. Esse ministreco calou-se, depois que sites da direita começaram denunciar a mulher dele que tem empresa “off shore”, trata-se também de um covarde. Aliás, ele foi um dos que liderou o STF para não julgar o mérito do impitimam. O cara mesmo é um vacilão.

Responder

Marcelia Cartaxo Cartaxo

24 de junho de 2017 às 22h38

O STF É UMA FARSA!… ESTÃO TODOS DE RABO CHEIO DE PROPINAS E ESTÃO
BRINCANDO DE TRABALHAR!… E ENGANAMDO O POVO IDIOTA QUE PAGA A CONTA!… ESSES BANDIDOS ESTÃO BRINCANDO DE DEUS!… NO BRASIL!…

Responder

Jonathan Ferreira

24 de junho de 2017 às 21h54

Socorro…

Responder

Zilar Missias

24 de junho de 2017 às 15h29

Gilmar Mendes é único na bandidagem

Responder

Rene Nunes da Silva

24 de junho de 2017 às 14h58

Quem nomeou esse ministro????

Responder

Carlos Alberto F. Lpoes

24 de junho de 2017 às 13h58

Francisco Gentile

Responder

Carlos Alberto F. Lpoes

24 de junho de 2017 às 13h58

Marcos Lima

Responder

Carlos Alberto F. Lpoes

24 de junho de 2017 às 13h57

Marcos Maia

Responder

Carlos Alberto F. Lpoes

24 de junho de 2017 às 13h57

Daniele Mediano

Responder

Carlos Alberto F. Lpoes

24 de junho de 2017 às 13h57

Angelica Abreu

Responder

Carlos Alberto F. Lpoes

24 de junho de 2017 às 13h53

Manu Castrum

Responder

Anônimo

24 de junho de 2017 às 10h42

Barroso é um branco de segunda linha.

Responder

    Ana Lucia

    24 de junho de 2017 às 19h35

    Boa!

    Responder

Luiz Fernando Souza Lima

24 de junho de 2017 às 11h08

Esse cara tá doente.

Responder

Tania Lucia

24 de junho de 2017 às 08h32

Tás é louco….a cara de pau dessa gente é assombrosa

Responder

Ana Oliveira de Lima

24 de junho de 2017 às 05h13

Vergonhoso!

Responder

Leandro Castro

24 de junho de 2017 às 02h45

Um Togado disfarçado de certinho, #STFvergonhabrasileira

Responder

Mari P S Miranda

24 de junho de 2017 às 02h00

????

Responder

Cida Lopes

24 de junho de 2017 às 01h36

Derrubar esse 3° poder dominado por criminosos

Responder

Ana Lucia Elizabeth Rodrigues

24 de junho de 2017 às 00h23

Excelente texto!

Responder

Meiry Bitarelli

24 de junho de 2017 às 00h11

SÓ LENDO !!! O ARTIGO DO CAFEZINHO É UMA DENÚNCIA !!!!

Responder

Denize Brum Camargo

23 de junho de 2017 às 23h48

É vergonhoso

Responder

José Leandro Majó Pierini

23 de junho de 2017 às 20h42

Esta em curso uma, não tão velada assim, campanha para extinguir a trabalhista. É o presidente da Câmara, é o então deputado federal Marchezan, quem, por suas falas, deixam isso muito claro. O atual “gestor” de Porto Alegre, inclusive, chegou a elencar “números” para mostrar que o “custo/benefício da JT nâo justificava sua existência. Como se uma simples equação, única e meramente comercial, pudesse ser usada para qualquer tipo de análise em relação aos direitos protegidos pelo jurisdição trabalhista. E, agora, é do próprio Supremo, através de um de seus integrantes, que evidencia-se, com sórdidos mentiras, a trama? Ou a classe trabalhadora acorda e revida, à altura da agressão, ou vamos tirar os grilhões dos museus…

Responder

Luiz Parussolo

23 de junho de 2017 às 19h12

Ele não deveria ter se metido em ramo que não milita e que dois terços dos trabalhadores não ajuízam ações mesmo usados pelos empregadores.
Deveria ele falar sobre a judicialização no país onde mais de 100 milhões de processos tramitam, isto é, um para cada dois habitantes, e é o último lugar para ser procurado é o judiciário, salvo o tribunal trabalhista.
Mais da metade dos trâmites de processos são forçados pelo poder público e pelas estatais contra direito expresso e o Poder Judiciário e advogados são cúmplices dos poderes.
Juízes julgam contra direito expresso e quando não juízes ordinários (os quais são despachantes judiciais) nas execuções roubam os autores, quando não o advogado nem propõe a execução.
O Poder Judiciário no Brasil é tão é tão corrupto quanto os demais poderes. O único que sobra é o tribunal trabalhista e eles detestam porque defende os trabalhadores, a parte mais fraca da relação.
O Ministro Barroso não possui moral para julgar os tribunais trabalhistas, deveria enfiar o rabo debaixo das pernas e envergonhar-se.

Responder

Mario Neto

23 de junho de 2017 às 22h02

Indicação da Dilma para o STF. Os 8 que o PT indicou só fuderam com o país

Responder

    Rene Nunes da Silva

    24 de junho de 2017 às 15h01

    Militantes partidários não poderiam ser ministro do STF. Quando a política entra no tribunal pela porta, a justiça sai pela janela.

    Responder

Maria Graça Rêgo

23 de junho de 2017 às 21h54

Uns acovardados!!!!

Responder

Pedro Junior

23 de junho de 2017 às 20h24

Dilma errou feio na nomeação, ao invés de nomear amigos como todos fazem, vai dar um cargo para quem ela só conheço o histórico, já não bastasse o Joaquim Barbosa e o Fux. O PT só aprendeu o quê não fazer quando não tem mais poder, alguns ainda nem com isso.

Responder

Valéria Lemos

23 de junho de 2017 às 20h15

Afffff

Responder

Mário Alves Ferreira Jr.

23 de junho de 2017 às 19h45

Justiça mais imunda da galáxia

Responder

Myriam Andréa

23 de junho de 2017 às 19h20

canalha! como #GMBandidoTucanoTogado ou, na mais baixa instância, o também vendilhão e traidor da pátria, #MoroBandidoTucanoTogado. isso é o PJ (puteiro judiciário) brasileiro. que nojo!

Responder

Mauro Maciel

23 de junho de 2017 às 19h19

Vergonhoso.

Responder

Nadir Coelho

23 de junho de 2017 às 18h29

Na Alemanha o empregado só perde o emprego por justa causa.

Responder

Anna Cardoso

23 de junho de 2017 às 18h24

Só posso dizer, curioso essa materia no dia seguinte que o Ministro Barroso deu uma lição no Gilmar. Acho no seu total o STF acovardado, mas comparar o Barroso com o Gilmar Mendes é covardia.

Responder

    Rafael Foschini Trindade

    23 de junho de 2017 às 22h31

    Joaquim Barbosa também deu lição no Gilmar, mas isso é obrigação de todo juiz do supremo. O Gilmar é desvairado, perdeu totalmente os limites. Se salvar alguém no STF, é um ou dois. Enquanto não se exigir que só aqueles que há anos recebem abaixo do teto possam ser ministros do STF, vamos ter pessoas desumanas no comando do judiciário. Aliás, esse critério poderia ser adotado pra qualquer ascensão no judiciário.

    Responder

    Eneida da Rosa

    23 de junho de 2017 às 23h59

    Bateu no cara que qualquer um bateria.

    Responder

    Simone Dos Santos

    24 de junho de 2017 às 05h33

    São farinha do mesmo saco

    Responder

Talita Gonçalves

23 de junho de 2017 às 17h19

Tadeu Porto vc sabe quem colocou o título? O texto é do meu amigo

Responder

    Tadeu Porto

    23 de junho de 2017 às 17h35

    Não fui eu… Mas posso falar lá na redação para alterar, se for desejo dele!

    Responder

Roberto Dos Santos Lima Lima

23 de junho de 2017 às 17h10

O ministro e um homem de carater e tem moral certo

Responder

Merielem Frasson

23 de junho de 2017 às 17h05

O Brasil não para de passar vergonha

Responder

Luiz Scardone

23 de junho de 2017 às 16h25

Supremo fora da lei , acima da lei!

Responder

Fabricio Bastos

23 de junho de 2017 às 16h16

Barroso tem sido um ministro de conduta exemplar. O fato desse site não concordar na plenitude com as suas ideias não deveria ser suficiente para chamá-lo de desonesto. Esse tipo de postura fala muito mais de quem acusa do que do acusado. É lamentável, pois me considero de esquerda e fico perplexo ao perceber que conseguimos ser tão fascistas quanto os direitosos. Fui.

Responder

    Aline Choucair

    23 de junho de 2017 às 16h45

    Concordo plenamente com vc!

    Responder

    Aline Choucair

    23 de junho de 2017 às 16h46

    Tb fui!

    Responder

    Ermeneghildo Ghil

    23 de junho de 2017 às 17h38

    Barroso aderiu ao populismo jurídico. É outro JB. Acorda.

    Responder

    Márcia Corrêa

    23 de junho de 2017 às 17h46

    Fabrício… Ele é fraco. Sou da esquerda e acho que não temos nenhuma representação de respeito nesta atual composição do STF.

    Responder

    O Cafezinho

    23 de junho de 2017 às 19h33

    Conduta exemplar? Um juiz do STF que vai a Londres defender a reforma trabalhista (a troco de que, meu Deus?) com dados falsos?

    Responder

    Mário Alves Ferreira Jr.

    23 de junho de 2017 às 19h46

    depois que foi grampeado xaaeeeera… ta na mão de ladrão pq deve

    Responder

    Mário Alves Ferreira Jr.

    23 de junho de 2017 às 19h48

    igual a TODOS do STF… sem exceções

    Responder

    Ronaldo Pedro

    23 de junho de 2017 às 22h57

    O Cafezinho Veja o que ele falou do Joaquim Barbosa com a pretensão de estar elogiando. Esse sujeito é um cretino.

    Responder

    Eneida da Rosa

    23 de junho de 2017 às 23h58

    Mário Alves Ferreira Jr. , tens razão. Depois que foi grampeado só o vi descendo ladeira abaixo. Já gostei muito dos textos dele, mas esse que tá no STF parece ser outra pessoa.

    Responder

    Ana Lucia Elizabeth Rodrigues

    24 de junho de 2017 às 00h24

    Acorda, Fabricio!!

    Responder

    Rodrigo Pereira

    24 de junho de 2017 às 02h54

    Os negros de segunda linha discordam !

    Responder

    Simone Dos Santos

    24 de junho de 2017 às 05h32

    conta a piada do papagaio ???

    Responder

    Lucy Wagner

    24 de junho de 2017 às 08h58

    Ai Fabrico, data vênia né!

    Responder

    Fabio Gatt

    26 de junho de 2017 às 12h39

    Pior, vai a Londres defender uma reforma que fere tratados internacionais firmados pelo Brasil junto a OIT e que já fomos avisados que seremos punidos. A punição virá para o povo e a culpa no futuro bem próximo será do PT, o culpado de tudo.

    Responder

    Rodrigo Kwiek

    27 de junho de 2017 às 01h40

    Ô querido fabricio, quando você nos presenteia com tanta coerência no comentário afirmando ser de esquerda, lembro de gente que gosta de mpb e tem TUDO do jorge vercilo e da maria gadu.
    Ele não citou o dallangol, mas citou o bosta da riachuelo.
    E pode ir.
    Volte não.
    Faz favor.

    Responder

Wilson Guerra

23 de junho de 2017 às 16h00

Aos poucos temos certeza dos que tem mau carater.

Responder

Dilke Fonseca

23 de junho de 2017 às 15h30

” meses após um impeachment que muitos chamam de golpe”, diz o texto. Nossa, há ainda alguma dúvida que foi golpe?!

Responder

Tomaz Pires De Albuquerque Sarto

23 de junho de 2017 às 15h21

Responder

Antonio Spaulo

23 de junho de 2017 às 14h45

Esperar o que de um Supremo que deixa solto um Senador que diz que “manda matar” e que além de comprovadamente corrupto é narcotraficante.

Responder

Lobo

23 de junho de 2017 às 11h38

Na hora de povo sair nas ruas e radicalizar mesmo com essa falsa elite que odeia próprio povo…

Responder

Mirtes

23 de junho de 2017 às 11h30

E é contra a autonomia da UFRJ. Tem que renovar o STF. É como Lula disse.

Responder

    Mirtes

    23 de junho de 2017 às 13h44

    Mas, tem que fazer uso do que ele disse de bom no momento.

    Responder

Paulo Sergio

23 de junho de 2017 às 14h19

stf é uma latrina. só envergonha.

Responder

José Ferreira

23 de junho de 2017 às 14h18

O problema das ações trabalhistas no Brasil, são a legislação a proteger o patrão e a postergar indevidamente o resultado das mesmas.

Responder

Danilo Dantes

23 de junho de 2017 às 11h10

Mais uma nova aquisição do STF, Terrorista de Toga? Ja temos: Coronel de togas (P$DB-MT), PCC de Togas, Omisso de Togas, Cagão de Togas e Bruxa de Togas. Falta mais o que?

Responder

    Atreio

    23 de junho de 2017 às 11h56

    tivemos um goleiro bruno de toga tb faz pouco tempo….não se falou mais dos desdobraments disso…
    mas qndo eu fui de camiseta no forum tive q voltar em casa, botar uma blusa e ir outra vez…mas parece q os privilegio pessoasi por ali afloram… ainda mais se for pra favorecer assassino, estuprador e ladrão de milhoes..aí, é :
    liberou o maço: carimbaço!

    Responder

Ricardo Teixeira

23 de junho de 2017 às 13h57

Estes caras só andam fazendo merda

Responder

Deixe uma resposta