O Cafezinho

quinta-feira

9

novembro 2017

739

COMENTÁRIOS

O racismo da Globo e os arbítrios de um judiciário de sociopatas

Escrito por , Postado em Arpeggio, Miguel do Rosário

Peço desculpas pela dificuldade de acesso ao blog nos últimos dias, mas desta vez tivemos um motivo nobre. Mudamos de servidor. Limpamos nosso banco de dados. A partir de agora, o Cafezinho estará bem mais leve, estável e seguro. Estamos também iniciando algumas mudanças no layout do blog. Esperamos que até o início de dezembro, estaremos de casa nova. Mas não se preocupem: as mudanças serão para deixar o blog mais simples, leve e elegante. O que poderá mudar mesmo é que daremos um destaque maior aos vídeos, que serão posicionados numa área à parte do blog.

Dito isto, passemos às novidades do dia. É tanta coisa! No Cafezinho no Almoço, que começa 12:00, vamos falar sobre tudo isso com mais profundidade. Neste post, vamos fazer apenas alguns registros, até mesmo para organizar nossa cabeça.

O Cafezinho no Almoço poderá ser visto no vídeo abaixo:

Assuntos:

1) O racismo de William Waack.

Aqui temos dois ou três pontos a destacar. O primeiro é que é inacreditável pensar quem racista deste jaez comandou um dos principais telejornais de país majoritariamente negro por tantos anos. Que babaca! Que cretino! E imaginar que ele faz aquela observação rodeado de jornalistas, sem nenhum pudor, sem nenhum receio!

O segundo ponto é que não podemos deixar isso barato. O racismo é da Globo. A Globo, além de reacionária, golpista, é também racista. E o pior: a Globo manda no Brasil hoje. A Globo está recebendo mais de 50% da publicidade federal. Devora a publicidade institucional de todos os estados e municípios do Brasil. Devora recursos de educação, igualmente do país todo, de todas as entidades federativas. Recebe dinheiro da Lei Rouanet. Recebe verbas públicas destinadas ao audiovisual. A Globo é praticamente uma estatal, cujo dinheiro, no entanto, vai todo para o bolso dos três irmãos Marinho. Três racistas, herdeiros de um grande racista. E que empregam racistas. Evidentemente, Waack não estava ali sozinho. Ou alguém que Alexandre Garcia, apresentador do Bom Dia Brasil e ex-porta-voz da ditadura, não seja também um racista?

O terceiro ponto é uma justiça poética. Vocês viram quem estava ao lado de Waack no vídeo? Sim, ele mesmo: Paulo Sotero, diretor do Brazil Institute, do Wilson Center, aquele think tank do qual falamos tanto por aqui no Cafezinho, que foi um dos principais articuladores do golpe de Estado de 2016. O Brazil Institute é presidido por Anthony Harrington, que por “coincidência” é também CEO da Albright Stonebridge, uma das mais sinistras firmas de lobby dos Estados Unidos, com prestação de serviços ao governo americano e a corporações interessadas em comprar um Brasil vulnerável e desamparado após o impeachment criminoso de uma presidente eleita com 54 milhões de votos. Harrington é também ex-advogado sênior, e sócio, da Hogan and Lovells, outra firma de lobby, que presta serviço as petroleiras americanas, além de estar ganhando milhões de dólares prestando serviços de “auditoria” para estatais como Eletrobrás – provavelmente ajudando no processo de sua futura privatização.

2) A decisão de Moro de processar Lula por se “beneficiar” de uma reforma de cozinha.

É mais uma decisão grotesca de Sergio Moro. Sem provar que o sítio é de Lula, o juiz Sergio Moro agora quer condenar Lula por ter se beneficiado de uma reforma de cozinha… Não sei bem o que comentar sobre isso. Só queria deixar registrado. Quer dizer que depois daquele Powerpoint do Dallagnol apontando o Lula como “comandante máximo” do “petrolão”, tudo que se aponta contra Lula é isso: o “desfrute” de uma reforma de cozinha num sítio fulero, numa região pouco valorizada do interior de São Paulo?

Tanto a imprensa quanto o nosso sistema de justiça perderam completamente o senso do ridículo, e vão pagar caro por isso.

3) O aumento da pena de João Vaccari no TRF4, para 24 anos.

Também não quero me estender sobre isso. É mais um crime cometido pelo sistema de justiça. O próprio TRF4 havia concluído, em decisão anterior, que não havia provas contra Vaccari. Na decisão, não se aponta nenhuma prova. Vaccari é um homem inocente. Um preso político. O aumento da pena para 24 anos é uma decisão cruel, desumana, injusta, mas coerente com o regime de exceção vigente no país, cujo principal fiador é o sistema de justiça. João Santana e sua esposa tiveram sua pena mantida em 8 anos. A mão do regime golpista só pesa para aqueles que resistiram às torturas do MPF e embarcaram no jogo sujo do regime, delatando seus companheiros. A matéria da assessoria de imprensa do TRF4, mais a íntegra da decisão podem ser lidas aqui.

4) TRF4 chancela arapongagem ilegal de Moro em advogados de Lula.

É inacreditável. Aqui o link com matéria da assessoria de imprensa do próprio TRF4, seguida do link com a decisão. É um registro histórico do arbítrio. Esse é o Brasil do golpe.

5) A entrevista do Almirante Othon à Folha. Eu escrevi alguns comentários sobre essa entrevista na fanpage do Cafezinho, que reproduzo aqui, seguidos da íntegra do texto publicado na Folha.

Leiam a entrevista. O judiciário brasileiro se converteu no foco principal do fascismo. Condenaram até a filha do almirante, que não tem nada a ver com a história.

O juiz Marcelo Bretas é tão psicopata quanto Sergio Moro.

As “provas” contra o almirante são completamente surreais. Bretas é tão fascista que aumentou a pena do almirante por causa do seu “passado ilibado”. Sim, é isso mesmo. O fato de ter sido honesto a vida inteira foi considerado um “agravante”.

***

A entrevista do almirante Othon Pinheiro é uma bomba atômica!

Se algum brasileiro ler essa entrevista e não se indignar com a injustiça, não é um brasileiro, não é um cidadão, não é um ser humano!

Se algum brasileiro, depois dessa entrevista, ainda acreditar na operação Lava Jato, é um idiota e um fascista irremediável!

O pai da energia nuclear no Brasil foi humilhado, agredido, preso e condenado sem absolutamente nenhuma culpa.

A imprensa, criminosa, apenas após o calvário vivido pelo militar, se decide a publicar uma entrevista com ele!

É revoltante!

Quem deveriam ser presos são o juiz, os procuradores, os delegados da PF e todos envolvidos com essa barbárie!

O juiz Marcelo Bretas, um sub-Moro fascista do Rio, aplicou-lhe uma condenação sem pé nem cabeça, em que até o passado ilibado de Pinheiro foi considerado agravante!

Espero que nenhum artista alienado, depois dessa entrevista, volte a defender esse juiz incompetente e vendido à Globo!

No dia em que o Brasil voltar a ser uma democracia, construiremos uma estátua em sua homenagem, almirante, e condenaremos seus algozes!

Perdão, almirante, perdão!
***

Na Folha

Militar condenado na Lava Jato diz que foi preso por interesse internacional

MÔNICA BERGAMO
COLUNISTA DA FOLHA
07/11/2017 02h00

Acusado de receber propina de R$ 4,5 milhões de empreiteiras que tinham obras em Angra 3, o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva ficou preso por dois anos e recebeu uma das maiores condenações da Lava Jato: 43 anos de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa.

Considerado um dos mais importantes cientistas brasileiros e o pai do programa nuclear do país, o almirante Othon, 78, como é conhecido, ficou isolado em uma cela e diz que aprendeu a comer com as mãos. Solto no mês passado, ele pouco sai às ruas e chora com frequência.

Nesta entrevista à Folha, o militar, que se recupera de um câncer de pele, alega inocência e diz ter um “forte sentimento” de que sua prisão foi feita sob os auspícios de “interesses internacionais”.

*

Folha – Como o senhor se aproximou da empreiteira Andrade Gutierrez?
Almirante Othon – Em 1994, quando fui para a reserva, a primeira coisa que fiz foi prestar um concurso para o Instituto de Pesquisas Nucleares da Cnen (Comissão Nacional de Energia Nuclear).

Havia duas vagas para pesquisador. Concorri com 16 doutores e tirei primeiro lugar.

Mas nós estávamos em 1994, numa fase de muita globalização. E eu não fui chamado. A minha cara é nacionalista. E eu sou mesmo.

Como não deu certo, montei uma empresa de consultoria, a Aratec. No início de 2004, um camarada da Andrade Gutierrez, o senhor Marcos Teixeira, apareceu lá.

E o que ele queria?

Ele disse: “Nós [construtora] temos um contrato de 1982 [para as obras civis da usina nuclear de Angra 3]. Mal começamos a mexer na fundação e ele foi interrompido”.

Eles achavam que eu poderia ajudar [na retomada das obras], por ter influência militar. Eu disse “não tenho mais, saí [da Marinha] faz tempo”. Aí veio a ideia de fazer um estudo para eles.

Eu não estava no governo e nem imaginava que ia voltar [Othon foi convidado para presidir a Eletronuclear um ano depois, em 2005].

O Ministério Público Federal considerou que o estudo assinado pelo senhor para a Andrade Gutierrez era simplório e entendeu que ele é fictício.

É um desconhecimento total ou uma vontade de não querer reconhecer [a importância do trabalho]. São anos de pensamento sobre o Brasil.

O que ocorreu no país, e sobre o que falava no meu estudo? O consumo de energia cresceu e o estoque de água das hidrelétricas estacionou na década de 80. Antes disso, o Brasil poderia passar por vários anos “secos” porque tinha estoque de água. Mas isso mudou e veio o apagão.

O Brasil agora precisa de energia térmica de base.

Termelétricas têm que ser [movidas a] carvão ou [energia] nuclear. E nuclear é melhor para nós porque temos reservas [de urânio] correspondentes a 50% do pré-sal.

Nós temos que aproveitar o que a natureza nos dá.

Ah, se eu tivesse mais [usinas] nucleares. O custo do investimento é maior mas o do combustível é menor [do que o de outras alternativas].

No caso da hidrelétrica, o custo [do combustível, a água] é quase zero. E no caso da nuclear, é pequeno.

Se eu tiver a energia nuclear, eu economizo água e não chego nessa situação [de apagão]. A energia nuclear não compete com a hidrelétrica. Ela complementa. Era isso o que o estudo mostrava.

Depois o senhor foi para o governo e a obra de Angra 3 foi retomada.

Em julho [de 2005], eu soube que tinha uma lista [no governo Lula] para escolher o presidente da Eletronuclear. Eu não queria.

Mas aí eu fiz a grande bobagem da minha vida. Fui convidado. Bateu a vaidade e eu aceitei. Em outubro de 2005, assumi o cargo.

E como passou a receber dinheiro da empreiteira?

Tudo o que eu fazia na época [em que prestava consultoria] era na base do sucesso.

E coincidiu que fui para o governo e houve a decisão [de retomar Angra 3].

Quem decidiu foi o Conselho Nacional de Política Energética, do qual eu não fazia parte. Como presidente, eu apenas executei as diretrizes.

Mas passei a fazer jus [à remuneração] do trabalho [estudo para a Andrade] que eu fiz antes.

Quanto passou a receber?

Eu cobrei R$ 3 milhões, em valores de dezembro de 2004 [a Polícia Federal diz que o almirante recebeu R$ 4,5 milhões em valores atualizados].

Comecei a receber depois que houve a decisão da retomada das obras.

Como era um troço completamente diferente, eles falaram “vamos pagar através de outras empresas”. Aí virou outro crime.

Se fosse hoje, eu exigiria deles [Andrade] um contrato de confissão de dívida para que me pagassem só depois que eu saísse. Eu não receberia no cargo.

Eu tinha direito, foi um trabalho que eu fiz antes. Não era imoral nem ilegal. Apenas com a experiência de hoje eu teria feito diferente.

O Ministério Público Federal e a Justiça consideraram que era propina.

Não era propina, não foi mesmo. Eu achava que tinha direito de receber. Agora, tive o cuidado de não tomar nenhuma decisão [que beneficiasse a empreiteira], não tem nenhum ato de ofício assinado por mim.

Tivemos [ele e a Andrade]inclusive um atrito inicial, porque eu exigi que o TCU aprovasse os detalhes do aditivo [para o pagamento do serviço nas obras de Angra 3].

Eles ficaram irritadíssimos. Fui uma decepção para eles. Houve outras divergências, chegaram a parar as obras.

Oras, se eu tivesse ligação com eles, isso teria ocorrido?

Delatores da empresa afirmaram que o senhor, na verdade, cobrava percentual sobre os contratos de Angra 3.

A Andrade já tinha um ressentimento em relação a mim. E delação premiada é um processo muito danado. O cara acha que agrada [os investigadores] e senta a pua. Ele não tem compromisso.

O senhor diz que sua prisão interessa ao sistema internacional. Que evidência tem disso?

Como começou tudo isso?

Num depoimento que o presidente de uma empreiteira fazia sobre um contrato com a Petrobras. Ele mencionou que ouviu dizer algo sobre o presidente da Eletronuclear estar de acordo com um cartel.

Isso serviu de pretexto para os camaradas vasculharem a minha vida desde garoto. Havia um direcionamento.

Mas haveria um comando externo nas investigações?

Não comando, mas influência forte, ideológica. Não posso provar mas tenho um sentimento muito forte. Houve interesse internacional.

E por que haveria interesse internacional em sua prisão?

Porque tudo o que eu fiz [na área nuclear] desagradou. Qual o maior noticiário que tem hoje? A Coreia do Norte e suas atividades nucleares. A parte nuclear gera rejeição na comunidade internacional.

E o Brasil ser potência nuclear desagrada. Disso eu não tenho a menor dúvida.

Há setores que acreditam que o Brasil deveria desenvolver a bomba atômica. O país fez bem em abrir mão dela?

Eu acho que fez. O artefato nuclear é arma de destruição de massa e inibidora de concentração de força. Mas, no nosso caso, se tivéssemos a bomba, desbalancearíamos a América Latina, suscitando apreensões.

E a última coisa que a gente precisa na América Latina é de um embate.

O país, no entanto, não abriu mão da tecnologia. Se necessário, em quanto tempo faríamos uma bomba?

Em uns quatro meses. Com a tecnologia de enriquecimento que nós usamos, podemos fazer a bomba com o plutônio, como a de Nagasaki, ou com o urânio, que foi a de Hiroshima. Temos os dois porque quem tem urânio enriquecido pode ter o plutônio também.

Voltando às investigações, o senhor foi acusado de contribuir para a desvalorização da Eletronuclear.

Quando assumi, ela era chamada de vaga-lume. Em poucos anos, passou a figurar entre as centrais de melhor desempenho do mundo.

As ações se valorizaram. Como então eu contribuí para desvalorizar as ações? Nada disso foi levado em conta no meu julgamento.

O meu passado serviu como agravante. Eu peguei cinco anos de cadeia a mais porque, se eu tinha aquele passado, eu tinha que ter um comportamento [exemplar]. É a primeira vez que antecedente virou agravante. Vida pregressa ilibada virou agravante.

Tá lá, escrito [na sentença]. É só ler. Eu li. Me deu uma revolta tão grande… [levanta da mesa, chora].

Como foi a história de sua tentativa de suicídio?

Como foi isso? [Chora mais. Toma água]. Eu estava preso e vi pela televisão que fui condenado a 43 anos de prisão.

Pensei “os caras ficaram loucos”. E mais 14 anos para a minha filha [Ana Cristina]. E ela não fez nada.

Tive um desespero… não é desespero. É revolta. Uma profunda revolta. Eu queria chamar a atenção. E pensei “vou fazer um ato de revolta”.

Eu reuni os cadarços do calção e com eles eu ia me enforcar. Pela câmara, a oficial viu e [impediu]. Mais 15 minutos ela não pegava mais.

Na hora eu fiquei pau da vida. Mas depois eu vi que era bobagem. Me enterravam e em três dias tudo acabava. Vou bancar o japonês, confissão de culpa? Não. Hoje penso que tenho que ficar vivo e lutar.

O senhor resistiu à prisão?

Às 6h, eu estava dormindo, dois caras [policiais] entraram berrando no meu apartamento. Parti para cima. Fui treinado para isso a vida toda.

Disseram que eu estava armado. Não é verdade. Eu tenho arma, mas ela fica trancada em uma gaveta.

Mas eu não resisti. Se tivesse resistido, eu morria, mas pode ter certeza que um deles ia junto. Fiz treinamento na polícia de SP quando estava no programa [nuclear] secreto. Dava 200 tiros por semana.

E para onde levaram o senhor?

Primeiro para Curitiba e depois para o Rio. Cheguei a ser preso em Bangu.
Lá eu fiquei dois dias com [o bicheiro] Carlinhos Cachoeira [ri]. A gente conversava, via televisão, era ele, o [empresário Fernando] Cavendish, seis pessoas no total.

Depois fui transferido para a base de fuzileiros navais do Rio de Janeiro, onde fiquei um ano e pedrada.

O senhor ficou então sozinho?

Isolamento absoluto. De manhã, eu fazia 25 minutos de ginástica na cela. Depois andava 5 quilômetros, durante a hora de banho de sol a que eu tinha direito.

Um oficial me escoltava. Tirando esse momento, não falava com ninguém. Aí me ocorreu escrever um livro, à mão, com caneta e papel. Já terminei e pretendo lançá-lo.

Eu comia comida de praça com colher e garfo de plástico. É fogo, né? Aprendi a comer com a mão. Virei indiano. E comecei a ver novelas.

E como é estar de novo em liberdade?

Depois de passar por tudo isso, a gente fica com uma certa insegurança, sabe? Sei lá, esperando alguma coisa inesperada que não sabe o que é [chora]. Eu estou me livrando dela agora.

E também a gente começa a ver o fim da vida chegando, né? [emocionado]. A vida toda eu trabalhei construindo alguma coisa. E disso eu sinto falta. Em todo lugar eu estive na frente de combate.

O que fez ao sair da prisão?

Saí duas vezes de casa apenas. Parecia que eu estava fazendo turismo no Rio. Em dois anos [em que esteve preso], a cidade mudou muito.

No primeiro dia em casa, eu senti muito vazio. A gente fica sempre procurando alguma coisa para fazer. De vez em quando penso “o que eu tenho mesmo que fazer agora?”. E eu não tenho que fazer nada!

Estou aprendendo a ser livre de novo. É essa a sensação.

****

6) A mais recente pesquisa CUT/Vox revela que a maioria esmagadora da população é contra as reformas. E agora imagine que um governo rejeitado por 97% da população está implementando uma reforma rejeitada por 81% da população. O mesmo governo aplica toda a verba pública nos veículos que apoiam as reformas. Nenhum procurador, promotor ou juiz percebe como isso é ilegal, antiético e imoral? É muito chocante constatar como o conceito de democracia foi destruído na cabeça de nossas elites midiáticas e judiciais. Clique aqui para ler a matéria da CUT.

quinta-feira

9

novembro 2017

739

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

739 COMENTÁRIOS

  1. Luiz
  2. Luiz