Live do Cafezinho (19h): que segurança pública que queremos?

Opinião: A saída é pela esquerda, mas a entrada é pelo centro

Por Redação

04 de dezembro de 2020 : 08h55

Por André Ribeiro

As eleições de 2020 acabaram. Como resultado, todos cantando vitória, mas as realidades são bem discrepantes dos discursos. Bolsonaro pessoalmente enfraquecido, mas não derrotado, os partidos do centro fortalecidos para serem o fiel da balança em 2022 e, por fora, a direita liberal e a centro-esquerda disputando esse apoio.

Pode-se dizer que a esquerda, no sentido mais amplo que se possa imaginar, perdeu tamanho nessas eleições, mas também se pode afirmar que o perfil hegemônico desse campo se transformou. A aliança entre PDT, PSB, PV e REDE fez mais do que o dobro do número do prefeituras do que o restante dos partidos de esquerda e vai governar quatro capitais importantíssimas.

Ciristas, Lulistas, Psolistas e tudo o mais. Está na hora de chamá-los à realidade. Afastar as ilusões. Chegou a hora de colocar o pé no chão, ou vamos perder mais uma geração.

Estamos vivendo um processo histórico, como uma gangorra. Essa gangorra está com seu acento da Direita elevado (por vários motivos, lava jato, mídia, erros do próprio PT, etc, etc). Até que essa gangorra abaixe o acento da direita, nenhuma candidatura colocada no imaginário popular como sendo uma candidatura “pura” de esquerda tem qualquer chance.

Vejamos o caso do Boulos. Lindíssima campanha, marketing profissional, redes sociais afinadas, resposta rápida às fakenews e todos juntos com ele em São Paulo e…. Derrota maiúscula no segundo turno, mesmo com Ciro, Lula, Dino e todo mundo ajudando. Não se trata de Boulos ser ruim. Trata-se da percepção da população em geral, que ainda rejeita e muito qualquer coisa mais antagônica ao imaginário representado pela gangorra.

Nomes como Boulos, Dino, Lula, Manuela, Haddad e muitos outros estão muito ligados a essa rejeição. Não adianta apenas avaliar as causas do sintoma. Nem apontar culpados. Isso não resolve. É como um nadador reclamar que entra água no ouvido. É preciso entender que o sintoma existe, é real, justo ou injusto, está no imaginário popular, sendo este quem decide.

Lembremos: Eleição é corrida de 10 mil metros e não de 100 metros. Esses candidatos as vezes largam bem na frente, mas com alta rejeição, são alvo preferencial do “voto de veto” no segundo turno. Foi assim com a Manuela, com o Boulos, com Haddad, a ponto da comparação da votação de Bolsonaro e Haddad na capital paulistana em 2018 ser praticamente idêntica à observada entre Bruno Covas e Boulos. Não é por acaso.

Repito, são bons nomes, mas que apesar de emocionarem seus núcleos, memórias políticas afetivas, nos remetem a uma classificação menos substantiva e mais adjetiva do que é ser de esquerda e não são capazes de fazer os 10 mil metros, por não saírem da nossa bolha.

A eleição de 2020 consolidou no campo progressista o bloco PDT, PSB, PV e REDE. Com apoio unificado e ampliado, esse bloco é o único do campo capaz de abocanhar parte do centro, com quem fez alianças esse ano. Um modelo que deu certo no Ceará, até hoje e com resultados sociais e educacionais inegáveis, provando que não é a aliança quem define o perfil de governo e sim o contrário.

Esse bloco tem um projeto muito bem definido, o Projeto Nacional de Desenvolvimento e seu líder, Ciro Gomes, possui experiência, coragem para fazer o que será duro de pautar. Por outro lado, apesar de conseguir diálogo e alianças fora do campo, Ciro também precisa trabalhar sua rejeição e o primeiro passo é profissionalizar seu marketing, melhorar a comunicação para as massas.

Não existe caminho para vitória em 2022 com um bloco apenas de esquerda. Isso é bonito de se dizer por aí, mas é uma ilusão. Frente ampla não significa frente de esquerda. Enquanto o sistema eleitoral não mudar, ninguém chega à presidência sem uma aliança com parte do centro. Foi assim com Lula, com Bolsonaro e será com qualquer um. Hoje, esse centro não aceita fazer aliança com PT ou PSOL na cabeça de chapa. A consequência lógica disso é evidente.

Ademais, não temos mais um candidato com características de herói no imaginário popular, que detenha 30% dos votos. Na última pesquisa divulgada, o próprio Lula aparece com apenas 17%, considerando ainda que sequer poderá ser candidato. Sem a mesma capacidade de receber transferência de votos de antes, candidatos como Boulos, Dino, Manuela, Haddad, teriam maior dificuldade de sair desse estigma incompreendido pela maioria do povo brasileiro.

Está na hora de parar esse campeonato de “quem é mais de esquerda”. Então agora o dilema é: Ou somos pragmáticos e escolhemos uma estratégia pra vencer pela centro esquerda, para interromper o desmonte do país, ou vamos ter de “deixar sangrar”, colocando o povo para sofrer por longos anos, com o país perdendo o restinho de soberania, enquanto a dita gangorra não termina seu movimento.

Vem aí a cláusula de barreira ampliada. A melhor saída para todos é a formação de um grande pacto pela salvação do país. A candidatura de Ciro Gomes unificando todo o campo progressista, tornando a candidatura mais do que competitiva e deixando a vice para atrair um grande pedaço desse centro, priorizando a reeleição dos atuais governadores progressistas e focando na eleição de uma grande bancada federal puxada por grandes puxadores de voto dos diversos partidos.

É isso ou caso contrário vamos ficar torcendo isolados para nossos candidatos de preferência, fazendo lindas e emocionantes campanhas derrotadas de antevéspera, vendo alguns partidos até deixarem de existir.

É preciso humildade e reflexão de todos nós! A saída é pela esquerda, mas a entrada é pelo centro.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

vinicius de almeida teixeira

05 de dezembro de 2020 às 17h46

eu adoro esse site, é muito rico e esclarecedores sem um pingo de extremismo, o que incomoda e muito a ex-querda lulista visto nos comentarios, que meu deus! que gente essa que anda comentando por aqui? É lamentavel, o fanatismo populista dessa ex-querda, não é a toa que dória, e até pasmem, luciano hulck, ameaçam eleiçoes presidenciais…o nivel desses exquerdistas, continuam a ameaçar, e desse jeito a eleger até um tiririca quem sabe…lulopetista é a escória da politica de mãos dadas com o bolsonarismo boçal dois siameses que disputam o mesmo corpo…

Responder

Jaquir

04 de dezembro de 2020 às 11h48

A saída à esquerda é sempre um buraco. Um abismo sem fim.

Responder

Nordestino

04 de dezembro de 2020 às 11h33

Como petista minha prioridade é derrotar Ciro…

Responder

    vinicius de almeida teixeira

    05 de dezembro de 2020 às 17h35

    saiba que sua carteirinha de cidadão está em análise, com esse tipo de fanatismo.

    Responder

ermes

04 de dezembro de 2020 às 11h14

O Nhonho não votou a favor do golpe ?

Responder

    vinicius de almeida teixeira

    05 de dezembro de 2020 às 17h34

    renan calheiros e eunicio oliveira cortaram a corda da guilhotina…meu caro anencéfalo de “esquerda”

    Responder

Hilario

04 de dezembro de 2020 às 09h58

Até 2022 nao aparecerà ninguem com as chances de desafiar Bolsonaro, apostem nos jovens e no futuro.

Responder

Sergio da Matta

04 de dezembro de 2020 às 09h14

O Cafezinho fazendo o que sempre fez: campanha pra “Ciro sempre 12%”.
Esqueceu de Lembrar que Lula tinha percentuais de vitória no primeiro turno em 2018. Exemplo de partido de esquerda que foi “derrotado” e ganhou a eleição no 1° turno foi o “Mais”, na Bolívia, partido de Evo Morales.

Responder

    Valeriana

    04 de dezembro de 2020 às 11h12

    A cota do Cirolipa era 6% nas ultimas pesquisas…ninguem quer ver mais esses velhos falidos mofados nem em foto.

    Responder

    Eduardo Carlos Pereira Barbosa

    04 de dezembro de 2020 às 11h45

    No caso da Bolívia, aconteceu um golpe mais clássico, mais fácil de o povo identificar. No Brasil o golpe foi travestido de legalidade e a “derrota” da esquerda veio pelas urnas, tanto em 18 quanto em 20. Não veremos uma repetição do que aconteceu na Bolívia aqui no Brasil. Evo não foi preso, Lula foi preso (mesmo que injustamente, a estratégia de prisão política não colou).

    Responder

Deixe uma resposta