Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Imagem: Sputnik

Especialista diz que ocidente subestimou a Rússia achando que o país seria derrotado pela Ucrânia

Por Redação

22 de janeiro de 2023 : 22h11

Sputnik – Os EUA e seus aliados seguem pressionando a Alemanha para que envie tanques Leopard 2 à Ucrânia, em um momento crítico para a defesa de Kiev.

Um dia depois de Berlim se recusar a enviar seus tanques ao campo de batalha, a Letônia, Lituânia e Estônia se pronunciaram no sentido de pressionar o governo alemão a mudar sua decisão.

As pressões sobre a Alemanha respaldam as declarações do secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, e do secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, de que a Ucrânia não tem capacidade armamentista para resistir à operação russa.

O general Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA também afirmou que a situação atual mostra que será “muito difícil” conter o avanço russo.

A crescente pressão de Washington e seus aliados para que Berlim envie tanques Leopard 2 é um dos sinais de que as potências ocidentais pensaram que seria muito fácil usar a Ucrânia para derrotar a Rússia, assegura Ana Teresa Gutiérrez, analista de assuntos do Leste Europeu da Universidade Autônoma Metropolitana do México, em entrevista à Sputnik.

Para a especialista, a “estratégia ocidental” de debilitar Moscou na linha de frente e por meio das sanções econômicas “está correndo muito mal”, já que tanto os EUA como seus aliados não pensaram que os russos seriam capazes de revertê-las.

A especialista ressalta que subestimar a capacidade econômica e militar da Rússia tem sido um fato constante na história do Ocidente.

“Isso sempre ocorreu [subestimar a Rússia]. Desde que Hitler invadiu a União Soviética, nunca calcularam bem a capacidade que a Rússia tem de responder às guerras. Por pior que se encontre sua economia, como ocorreu na Primeira Guerra Mundial, da qual acabou saindo, fazendo com que os EUA tivessem que entrar, com Woodrow Wilson. [Agora, também] subestimaram o potencial russo. Não veem o desenvolvimento desta nação, que além disso, é uma nação que tem muitas matérias-primas necessárias para o seu desenvolvimento”, afirmou a especialista.

Até o final de 2022, o valor da assistência da União Europeia, EUA e seus aliados prestada à Ucrânia ascende a mais de US$ 100 bilhões (R$ 520 bilhões).

A Ucrânia usa muito armamento de forma tão rápida que é impossível manter os prazos de fabricação de munições, bem como o treinamento e capacitação dos militares para a utilização de equipamentos especiais.

A incapacidade de atender a demanda de armas exigidas pela Ucrânia, bem como a inflação derivada diretamente das sanções econômicas contra a Rússia, “criaram muita instabilidade e precariedade nos regimes europeus, sobretudo na Alemanha”, considera a especialista.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Tomás Guillermo Polo

24 de janeiro de 2023 às 18h44

Só a duas soluções possíveis para esta guerra. 1) A vitória russa, ainda que com alto custo. 2) a terceira guerra mundial e o holocausto nuclear. Não é sensato acreditar que a Rússia pode aceitar uma derrota dessa envergadura, no que é vital para a sua segurança. A Otan e os líderes ocidentais estão colocando toda a humanidade em risco.

Responder

Nelson

24 de janeiro de 2023 às 13h23

Guzula, meu chapa.
Pelo jeito, tu só gostas da tal livre imprensa: Globo, Band, RBS, Record, Veja, Istoé, CNN, NYT, Washington Post, e inúmeros outros órgãos da mídia hegemônica ocidental que, por certo, só transmitem verdades para seus ouvintes, leitores e espectadores.

Se tens uma miríade sem fim de rádios, tvs, jornais, revistas, sites, etc, a reproduzirem, exaustiva e insistentemente, a propaganda ideológica eivada de mentiras do Sistema de Poder que domina os Estados Unidos, por que tu irias dar bola para a Sputnik, né?

Responder

Nelson

24 de janeiro de 2023 às 13h10

Resposta ao Enrico

Mas é muita grande a tua vontade de “dar bola fora”, de “pagar mico”, meu chapa. Os próprios capas-pretas da Europa e dos Estados Unidos estão a reconhecer que não têm como dobrar a Rússia e você vem aqui tentar nos convencer do contrário?

Geopolítica e geoestratégia não são como futebol para você ficar apostando ou torcendo para este ou aquele lado. Para ter uma visão mais clara de como as coisas andam, você tem que buscar a opinião de gente que saiba das coisas e tenha credibilidade.

Além disso, é fundamental escapar dos órgãos da mídia hegemônica e de seus comentaristas, supostos especialistas em tudo, que, via de regra, vão trazer as informações e externar suas opiniões de acordo com aquilo que o Sistema de Poder que domina os Estados Unidos quer que assimilemos como o espelho da verdade.

Responder

guzula

23 de janeiro de 2023 às 19h33

Cai de paraquedas nesse site. Parei de ler na primeira palavra : Sputinik.
Fala serio., soh rindo da propaganda russia.

Responder

Sá Pinho

23 de janeiro de 2023 às 18h10

O OVO DA SERPENTE – A criminalização da política na guerra híbrida:
O ódio, a intolerância e a violência, em busca da uniformidade ‘féscista’

A Ucrânia, desde o final de 2013, pela Praça Maidan, é uma das imensas e trágicas fakenews sangrentas produzidas pela guerra geopolítica que o Império de plantão pôs-se a travar, para mudar o destino natural da história no que diz respeito ao departamento Decadência & Ascendência, visando impedir a chegada do novo Império que sabe-se nascente no Oriente. O Vale Tudo.

Soledar, Bakhmut/Artemovsk, Avdeevka e Donetsk livre é o que temos para hoje e amanhã na Ucrânia.

M1 Abrams, Challenger 2, Leopard 2 e o AMX-10 leve é o que não temos para hoje e amanhã na Ucrânia, por enquanto.., Kiev, Moscow, Minsk II, Minsk III, Ancara, Pequim, não sabe-se para onde ir, para não escalar o que sabe-se finito. O Armagedon é por aí.

Enquanto isso o Brasil, desde junho de 2013, chega agora à Praça dos Três Poderes, a patinar, sem saber, sem pensar, sem poder, pra se foder como Ucrânia, Síria, Líbia, etc., com o que solto não dá mais pra evitar, não dá mais pra lidar, não dá mais pra estancar, o sem parar mais de sangrar… “O horror! O horror!”

Pensar a realidade é preciso, para despertar e não entrar no que não dá mais para sair, sem sangrar, morrer ou viver e nunca mais sorrir.

Responder

Edson

23 de janeiro de 2023 às 14h15

Estudo o Putin, e todas suas ações e pensamentos, conclusão ele vai fazer merda e entra de vez pra historia

Responder

Adalberto Jordão da Silva

23 de janeiro de 2023 às 10h34

A Rússia é um grande país, com uma tradição milenar, imenso territórios, reservas de gás e petróleo, ouro e uma população muito culta. O ocidente, há décadas, deseja tomar-lhe seus recursos naturais e articulou essa aliança com a Ucrânia e Estados Unidos, para se fortalecer e avançar sobre o território russo. Com esse risco iminente, só cabia à Rússia se defender atacando a Ucrânia, que está a facilitar o acesso às fronteiras russas. Hoje, a Rússia luta e se defende contra o mundo, pois a Ucrânia está recebendo apoio de quase toda Europa. O grande aliado da Rússia, sempre foi a China, que agora se volta contra a aliada tradicional, pois a ela só interessa reestruturar a Nova Rota da Seda, para viabilizar seu grande projeto de dominação mundial através do comércio. Vamos aguardar para ver a quem a China irá recorrer quando tiver o Ocidente contra si. Ela que despreze a Rússia e aguarde uma reviravolta do cenário mundial. O grande estrategista Vladimir Putim vai tentar sustentar a guerra contra essa grande aliança usando as armas convencionais. Mas, os riscos de perder a guerra e com a responsabilidade de defender a integridade territorial da nação russa e a vida de sua população, ele terá todo direito de recorrer aos armamentos nucleares. O Torpedo do Juízo Final já está pronto para ser abastecido com os mísseis nucleares que acabaram se ter sua usinagem finalizada. Aguardem uma que apenas com apenas uma indelével provocação até grandes embarques de grandes tanques de guerra, dos países Ocidentais para a Ucrânia, sacuda regiões que estão no epicentro desses embarques. Aí, teremos o recomeço da vida, da sociedade e da economia.

Responder

Nelson Antines

23 de janeiro de 2023 às 10h05

EXATAMENTE ISSO! Somente internautas “tapados” metidos a especialistas, que ainda nao enxergaram isso.

Responder

Thiago

23 de janeiro de 2023 às 09h56

Essa brincadeira vai acabar com os Estados Unidos enntrando na guerra e sendo bombardeado pela Rússia… Isso além de ser bíblico é justo, eles estão falando de paz mandando armas para os ucranianos se matarem por eles.

Isso é inevitável, bíblico, um aviso para a humanidade voltar atrás no caminho pecaminoso que vem levando e se converter a Deus.

Responder

Enrico

23 de janeiro de 2023 às 08h35

A Russia começou querendo a Ucrania inteiria, graças ao ocidente, reintegrou suas forças para ganhar apenas um parte… e estão dizendo que a Russia vai ganhar? meu Deus, vejam, a Russia recuou um monte em relação ao que queriam no inicio e agora está enfraquecida sim, tanto que a Ucrania (pelo menos a parte que permanecer a Ucrania ainda) vai entrar na OTAN, assim como Suécia e Finlandia que devido ao desgaste do exercito Russo que teve com a guerra na Ucrania, não vai conseguir evitar isso, dessa forma, o avanço da OTAN está acontecendo muito forte para cima das terras Russas, tudo que a Russia não queria… ou alguém enxerga algum movimento da russia contra a Finlandia e Suecia no momento?

Responder

Gean

23 de janeiro de 2023 às 06h32

Ucrânia sendo cobaia dos EUA e OTAN,todos sabem que Ucrânia nunca vai ganha pra Rússia.povo ucraniano só vão morrer por causa dos EUA e OTAN

Responder

Humberto de Oliveira

23 de janeiro de 2023 às 06h04

A Rússia provou que não está isolada ao dar visibilidade às relações com outros países fora do eixo da OTAN. Prestou um grande serviço à humanidade mostrando a possibilidade de um mundo multipolar fora da escravidão do pensamento único.b

Responder

Ismael

23 de janeiro de 2023 às 01h15

Mídia do Ocidente puxa o assado para Ucrânia. Menos Suptnik que é da Rússia e está no ocidente. Ninguém sabe a verdade sobre essa guerra por que mentira é uma tática de guerra.

Responder

Golden

23 de janeiro de 2023 às 00h10

Rússia sairá vitóriosa,viva mãe Rússia URAAA

Responder

Vanderlei

22 de janeiro de 2023 às 23h55

A Rússia já ganhou a guerra! Por favor, que o mais bem informado jornalista do planeta faça a gentileza de informar aos russos.

Responder

Moraes

22 de janeiro de 2023 às 23h29

Rússia será a vencedora. Parabéns 👏👏👏👏

Responder

Paulo

22 de janeiro de 2023 às 23h23

Essas matérias sobre a guerra Rússia/Ucrânia parecem disputas Corinthians X Palmeiras. É tudo muito infantil e jogado ao público de forma irresponsável, aparentemente. Lembram-me aqueles comentaristas que se jactavam aqui dos jatos russos cedidos à Venezuela de Maduro, que “venceriam o exército de Bolsonaro”. Ridículo!

Responder

Galinze

22 de janeiro de 2023 às 22h26

Ninguém achou isso, nem o primeiro dos torcedores da Ucrânia.

De onde tirou está besteira ?

Responder

Deixe um comentário