Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Foto: OEA

OEA condena violência na Nicarágua

Por Miguel do Rosário

19 de julho de 2018 : 15h47

No site da OEA

OEA condena a violência na Nicarágua e pede ao governo que concorde com um calendário eleitoral

18 de julho de 2018

A Organização dos Estados Americanos (OEA) condenou hoje os atos de violência na Nicarágua, convidou as partes a participar “ativamente e de boa fé” no diálogo nacional e instou o Governo a “apoiar um calendário eleitoral” em um Resolução aprovada pelo Conselho Permanente por 21 votos a favor.

A resolução condena especificamente “os ataques contra o clero, bispos católicos participantes do diálogo nacional, a violência na Universidade Nacional Autônoma da Nicarágua (UNAN), a sede da Caritas, e outros manifestantes pacíficos”.

O documento, apresentado pelas delegações da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, México, Peru e Estados Unidos, também urge o Governo da Nicarágua e todas as partes para “ativamente e de boa fé participar do Diálogo Nacional, como um mecanismo para gerar soluções pacíficas e sustentáveis para a situação que está registrada na Nicarágua “.

A resolução também incita o governo da Nicarágua a “apoiar um calendário eleitoral acordado em conjunto no contexto do processo de Diálogo Nacional”.

A resolução foi aprovada com 21 votos a favor (Colômbia, Costa Rica, Equador, Estados Unidos, Guatemala, Guiana, Honduras, Jamaica, México, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Santa Lúcia, Uruguai, Antígua e Barbuda, Argentina, Bahamas, Brasil, Canadá, Chile), 3 contra (Nicarágua, São Vicente e Granadinas, Venezuela), com 7 abstenções (El Salvador, Granada, Haiti, Suriname, Trinidad e Tobago, Barbados, Belize), e três ausentes (Dominica, San Kitts e Nevis, Bolívia).

Na mesma reunião, o Conselho Permanente rejeitou a proposta de resolução apresentada pela Nicarágua. O texto recebeu 3 votos a favor (Nicarágua, São Vicente e Granadinas, Venezuela), 20 contra (Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Estados Unidos, Guatemala, Guiana, Honduras, Jamaica, México, Panamá , Paraguai, Peru, República Dominicana, Santa Lúcia, Uruguai, Argentina, Bahamas), 8 abstenções (Barbados, Belize, El Salvador, Granada, Haiti, Suriname, Trinidad e Tobago, Antígua e Barbuda), com os países de três ausências (Dominica , San Kitts e Nevis, Bolívia).

O vídeo completo da sessão está disponível aqui.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Menestrel

19 de julho de 2018 às 23h45

Manifestação gigantesca hoje na Nicaragua a favor de Ortega.
Espero que vc dê o mesmo destaque que dá as manifestações imperialistas contra um governo popular e eleito democraticamente.
https://www.youtube.com/watch?v=SWBmQHBYWE4

Responder

    ari

    20 de julho de 2018 às 11h01

    Cada vez mais o quadro parecendo com a Venezuela. Quando a OEA e os USA falam em retorno à democracia, mesmo os menos avisados deveriam colocar as barbas de molho

    Responder

Eena Osawa

19 de julho de 2018 às 22h55

Eu confio mais no que diz a embaixadora no Brasil, a sra. Lorena Martínez, sobre o que está acontecendo lá em Nicarágua. Ela diz que estão querendo desestabilizar o país. “Em entrevista ao Brasil de Fato, a embaixadora da Nicarágua, Lorena Martinez, defende que os protestos, iniciados por conta de uma proposta de reforma da previdência, já não tem mais razão de ser e tem sido instrumentalizados pela direita e pelo empresariado. Para ela, aplicam em seu país o mesmo “manual da desestabilização” utilizado em outros países, incluindo a Venezuela e o próprio Brasil. Martinez afirma que as manifestações na Nicarágua hoje contam com a presença de indivíduos pagos que se valem do emprego de armas de fogo e violência. A diplomata afirma, em resumo, que há contra o governo sandinista uma tentativa de “golpe de Estado”. http://operamundi.uol.com.br/conteudo/geral/49784/querem+dar+um+golpe+de+estado+na+nicaragua+diz+embaixadora+do+pais+no+brasil.shtml

Responder

Antonio Passos

19 de julho de 2018 às 19h31

Essas organizações internacionais são a mistura da demagogia com a submissão aos EUA.
A violência e as agressões à democracia devem ser condenadas em TODOS os países e não apenas nos nanicos e nos desafetos dos americanos.
Sobre o estupro da democracia e do estado de direito no Brasil, sobre o sequestro de Lula, ninguém diz NADA.
O saque das nossas riquezas é o que interessa ao primeiro mundo e sobre isso todos se calam.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?