Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Foto; Alan Marques / Folhapress

Além de derrubar veto de Bolsonaro, bancada evangélica pode criar mais isenções para Igrejas

Por Gabriel Barbosa

15 de setembro de 2020 : 10h03

Líderes da Câmara dos Deputados contrários ao perdão de R$1 bilhão em dívidas das Igrejas com a Receita Federal ficaram  surpresos com o veto do presidente Jair Bolsonaro e a promessa de criar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que autoriza isenção tributária para os templos.

Eles avaliam que se a proposta de Bolsonaro tiver êxito o prejuízo de arrecadação para os cofres públicos, além de ser bilionário, será também uma forma do presidente manter sua base de apoio.

Contudo, esse não é o único temor que passa os líderes do parlamento.

Segundo interlocutores ouvidos pela jornalista Mônica Bergamo, existe a possibilidade da bancada evangélica derrubar o veto de Bolsonaro e também aprovar a PEC enviada pelo Planalto.

Na prática, o prejuízo de arrecadação será em dobro.

Para os líderes, essa possibilidade geraria a constitucionalização da isenção tributária para Igrejas, não podendo abrir um futuro debate sobre a taxação desses templos, garantindo o privilégio na Constituição.  

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

15 de setembro de 2020 às 20h07

Aí é o caso de processar toda essa caterva evangélica por prevaricação e/ou advocacia administrativa…

Responder

Deixe uma resposta